Artigos | Cinema

Só Wagner Moura se salva em “Guerra Civil”

Change Size Text
Só Wagner Moura se salva em “Guerra Civil” Diamond Films/Divulgação

Estreia mais exitosa da história do estúdio independente A24 e maior bilheteria de uma produção para maiores em 2024 até agora nos Estados Unidos e Canadá, Guerra Civil (2024) chega aos cinemas brasileiros uma semana depois de entrar em cartaz na América do Norte. Estrelado por Kirsten Dunst e Wagner Moura, o thriller distópico dirigido por Alex Garland acompanha um grupo de jornalistas no fogo cruzado entre rebeldes e tropas governamentais em meio a uma guerra fratricida.

Mistura ação, suspense e drama, Guerra Civil é ambientado em um futuro próximo, quando os EUA estão divididos pelos combates entre o exército e diferentes milícias que avançam rumo à capital nacional para depor o autoritário presidente do país. Nesse cenário conturbado, uma dupla de experientes correspondentes de guerra formada pela fotojornalista Lee (Kirsten Dunst) e o repórter Joel (Wagner Moura) decide viajar de Nova York até Washington com o objetivo de entrevista líder estadunidense antes de sua iminente queda.

Juntam-se aos dois o veterano jornalista Sammy (Stephen McKinley Henderson) e a jovem aspirante a fotógrafa Jessie interpretada por Cailee Spaeny, protagonista de Priscilla (2023). Nessa perigosa jornada, o quarteto vai deparar com os horrores da guerra e colocar as próprias vidas em risco várias vezes.

Diamond Films/Divulgação

Diamond Films/Divulgação

Diretor de interessantes e tensas produções de ficção científica como Ex Machina: Instinto Artificial (2014) e terror – caso de Aniquilação (2018) e Men: Faces do Medo (2022) –, o inglês Alex Garland perde totalmente a mão em Guerra Civil. O roteiro sem inspiração e a narrativa de ritmo claudicante dificultam o engajamento com o filme, desperdiçando uma premissa polêmica e candente – que sem dúvida foi decisiva para motivar os norte-americanos a irem aos cinemas.

Já a direção sem brilho dos atores não contribui para adensar dramaticamente a trama. Encarnando uma figura de jornalista calejada e embrutecida pelas terríveis cenas que tem presenciado ao longo da carreira como fotógrafa de guerra – um desgastado clichê cinematográfico, não custa lembrar –, Kirsten Dunst está apenas apática, muito distante de suas melhores atuações.

Em contrapartida, Wagner Moura destaca-se em cena graças a seu talento dramático e carisma – a imprensa estadunidense tem destacado a empatia e o apelo sexual do brasileiro em cena. O problema é a inconsistência de seu personagem: em uma cena Joel age como um homem ponderado e preocupado com os trágicos eventos que testemunham para na seguinte se comportar como um adolescente inconsequente e estúpido.

Diamond Films/Divulgação

Se do ponto de vista dramático Guerra Civil não convence, a produção tampouco emplaca como filme de gênero. Mesmo com um orçamento estimado em US$ 50 milhões, o longa parece mais com um filme B de zumbi, sem cenas de ação empolgantes, como seria de se esperar de uma produção sobre uma revolução armada em território estadunidense.

Reticente quanto a fornecer informações sobre as razões do conflito e as facções em combate, o roteiro opta por manter-se à distância de julgamentos – o que acaba por também deixar o público um tanto indiferente quanto ao desenvolvimento da trama. No final das contas, um dos poucos momentos em que Guerra Civil parece mais palpável e conectado com as questões reais é a sequência em que um soldado interpretado pelo ótimo ator Jesse Plemons – de filmes como Estou Pensando em Acabar com Tudo (2020), Ataque dos Cães (2021) e Assassinos da Lua das Flores (2023) – interroga ameaçadoramente os jornalistas sob a mira do seu fuzil, perguntando “que tipo de americano” cada um é e decidindo quem vai morrer ou sobreviver.

Diamond Films/Divulgação

Guerra Civil: * *

COTAÇÕES

* * * * * ótimo     * * * * muito bom     * * * bom     * * regular     * ruim

Assista ao trailer de Guerra Civil:

RELACIONADAS
PUBLICIDADE

Esqueceu sua senha?