Agenda | Dança | Reportagens | Teatro

“Cartas para uma Extraterrestre” encarna a fragilidade humana

Change Size Text
“Cartas para uma Extraterrestre” encarna a fragilidade humana Foto: Romi Na

O 30º Porto Alegre em Cena começa nesta quinta-feira (7/9) e segue até 19 de setembro com apresentações teatrais para adultos e crianças, dança, música, circo e peças de rua – confira a programação completa. No sábado (9/9), às 19h30, na Sala Álvaro Moreyra (av. Erico Verissimo, 307), o festival apresenta Cartas para uma Extraterrestre, performance de Eduardo Schmidt dirigida por Leonardo Jorgelewicz – ingressos aqui.

O espetáculo tem como base textos de nove pessoas de diversas regiões do país convidadas por Eduardo e Leonardo a escreverem para um ser alienígena hipotético. “Cada uma respondeu de um jeito muito pessoal, mas há em comum uma reflexão profunda sobre a humanidade e o que estamos fazendo nesse planeta. Uma complexidade, quase um paradoxo, se instaura: olhar para fora exige olhar para dentro”, reflete o diretor da montagem.

Eduardo conta que o espetáculo nasceu de desenhos que ele havia feito e que acabaram virando performance de dança, apresentada em uma galeria em São Paulo. “Como era durante a pandemia e tudo precisava ser virtual, tive a ideia de convidar outras pessoas para escreverem a uma extraterrestre”, recorda o bailarino.

“Tinha certa brincadeira de pensar: se acabasse tudo, como poderíamos nos reportar para alguém de fora daqui? Gosto de pensar e acho muito difícil acreditar que a gente esteja sozinho num universo tão grande – mesmo que, talvez, a gente nunca se encontre com espécies de outro planeta”, reflete Eduardo. Já o diretor do espetáculo ressalta outro aspecto do endereçamento: “Vejo como uma metáfora sobre nós mesmos, como se pudéssemos nos olhar de fora”.

Foto: Romi Na

Os movimentos da dança butô – ou butoh – foram a linguagem encontrada por Eduardo para o espetáculo, a partir de aulas com os bailarinos Ana Medeiros e Hiroshi Nishiyama. O estilo de dança, que teve Kazuo Ohno e Tatsumi Hijikata como precursores, nasce no contexto vivido pelo Japão nos anos 1950, alguns anos após o fim da 2ª Guerra Mundial.

“Tem muito de sombra e luz no butô. É uma dança sem forma pré-estabelecida, que aborda misérias, alegrias, ridículos e fragilidades”, observa Eduardo. “A peça traz um pouco da fragilidade da pandemia, não de forma piegas, mas também a partir do ridículo e do escrachado”, completa.

Em Cartas para uma Extraterrestre, os movimentos do bailarino se mesclam com áudios das correspondências e canções de Caetano Veloso. “É um jogo das palavras com o corpo, que tenta abrir possibilidades de interpretação para a plateia. O mais importante é esse terceiro elemento que se forma nas pessoas”, afirma Eduardo, que iniciou seus estudos de cena, ainda na infância, com o ator Heinz Limaverde, e é formado em Teatro pela UFRGS.

Foi no Departamento de Arte Dramática da universidade que Eduardo e Leonardo descobriram suas afinidades e começaram a desenvolver colaborações. Com trajetórias pela dança e pelo teatro, ambos também foram alunos do Grupo Experimental de Dança de Porto Alegre.

Às vésperas da apresentação no Porto Alegre em Cena, ao final da conversa sobre corpos, palavras e extraterrestres, o diretor da montagem faz questão de afirmar: “Todo corpo dança. Isso tem muito a ver com o nosso trabalho. Às vezes as pessoas ficam com medo, vergonha. Se tem um corpo, sabe dançar, sim”.

30º Porto Alegre em Cena

Financiado com recursos da Lei Federal de Incentivo à Cultura e da Prefeitura de Porto Alegre, o Porto Alegre em Cena selecionou 17 espetáculos locais que integram a programação de sua 30ª edição. No segmento da dança, além de Cartas para uma Extraterrestre, o festival apesenta Cães, Trivial – Um Espetáculo de Bboys e Reminiscências – Memórias do Nosso Carnaval.

O teatro de sala está representado por Esperando Godot, Os Mamutes, Pigarra, Instinto, Cabaré da Mulher Braba e Em Chamas. O Em Ceninha terá Maria Peçonha, Amazônia, um Olhar sobre a Floresta e Chuá – Descobertas na Água. Já o teatro de rua reúne Na Trilha das Andarilhas, Bolha Luminosa – o Marujo e a Tempestade e Lua – Encontrando Mares. Completa a programação local o espetáculo circense Dali.

A grade nacional oferece cinco espetáculos: do Rio de Janeiro, Julius Caesar – Vidas Paralelas; de São Paulo, Vala: Corpos Negros e Sobrevidas; de Pernambuco, Transiterrifluxório; de Santa Catarina, Frágil, Ou, Essa Dança É 30 Minutos Mais Longa do que Poderia Ser para Competir; e do Rio Grande do Norte, Muximba: o Coração Sempre Permanece Criança.

A equipe curatorial do festival é formada por Adriane Azevedo, Adriane Mottola, Airton Tomazzoni, Antônio Grassi, Juliano Barros, Renato Mendonça, Ricardo Barberena e Thiago Pirajira.

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para o interesse público da nossa cidade sejam abordados: apoie-nos financeiramente!

O que nos permite produzir reportagens investigativas e de denúncia, cumprindo nosso papel de fiscalizar o poder, é a nossa independência editorial.

Essa independência só existe porque somos financiados majoritariamente por leitoras e leitores que nos apoiam financeiramente.

Quem nos apoia também recebe todo o nosso conteúdo exclusivo: a versão completa da Matinal News, de segunda a sexta, e as newsletters do Juremir Machado, às terças, do Roger Lerina, às quintas, e da revista Parêntese, aos sábados.

Apoie-nos! O investimento equivale ao valor de dois cafés por mês.
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

sábado, 09 de junho de 2024 | 19h30

Sala Álvaro Moreyra (Av. Erico Verissimo, 307)

Muito legal ficar sabendo de tudo o que acontece na cidade, né?
Este conteúdo é exclusivo para assinantes e é por causa da sua valiosa contribuição que você tem acesso a tudo o que está rolando de mais legal nas artes, e isso tudo através da curadoria do jornalista Roger Lerina. Se você valoriza este conteúdo, compartilhe nas suas redes sociais para que mais gente tenha contato com o melhor da Cultura.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

PUBLICIDADE

Esqueceu sua senha?