Literatura, Notas

25 de julho: sete livros para aproveitar a data e incluir na lista de leitura

Change Size Text
25 de julho: sete livros para aproveitar a data e incluir na lista de leitura
O próximo sábado, 25 de julho, é marcado pelo Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-Americana e Caribenha. E no Brasil, desde 2014, a data foi estabelecida  como o Dia Nacional de Teresa de Benguela, símbolo representativo da resistência feminina negra e indígena no país. Essas foram conquistas de diversas mulheres que lutaram pelos seus direitos naturais, de liberdade, respeito, voz e visibilidade.  — Este deve servir como marco de uma luta pela maior visibilidade dessas mulheres no contexto histórico, social, literário e posso elencar diversas áreas onde a sociedade deve posicionar-se a favor desta causa. A data também serve para salientarmos as mulheres negras importantes de nossa sociedade (que são muitas), para que as demais se vejam representadas, a representatividade incentiva, encoraja, dá empoderamento. Chega de apagamento — declara Paulo Sergio Gonçalves, professor da Estácio/RS. E uma das formas de dar visibilidade e valorizar a trajetória dessas mulheres é conhecendo os seus trabalhos. Por isso, Gonçalves, que também é doutorando em Literaturas Africanas, indica sete obras escritas por mulheres negras para aproveitar a data e incluir na lista de leitura.  Quem tem medo do Feminismo Negro? – de Djamila Ribeiro, o livro, além de trazer as memórias da infância de Djamila, reúne alguns artigos publicados no blog Carta Capital entre 204 e 2017. A autora é ícone na luta e representatividade feminina negra na contemporaneidade. Quarto de Despejo: diário de uma favelada – de Carolina Maria de Jesus, a grande escritora negra brasileira que de seu barraco, na favela do Canindé, em São Paulo, escreve diariamente sobre sua vida na favela. Livro Incrível. Olhos d’água – de Conceição Evaristo, a escritora e professora universitária escancara as mazelas sociais que absorvem a população negra. O livro se apresenta com 15 contos imperdíveis. Um defeito de cor – de Ana Maria Gonçalves, conta a história de uma africana idosa e doente que chega ao Brasil em busca de seu filho perdido há muito tempo. Em sua busca, a personagem narra uma extensa e triste história de abusos, estupros e vida escrava. Um livro para se devorar a cada página. Hibisco Roxo – de Chimamanda Ngozi Adiche, uma das escritoras africanas mais conhecidas na atualidade, nos conta uma história que mistura autobiografia e ficção. O romance faz críticas sutis ao panorama social, político e religioso da Nigéria e tem como pano de fundo a história de Kambili, que mostra a assimilação de seu pai que destrói, gradativamente, sua família. Sangue Negro – de Noémia de Sousa, a moçambicana apresenta poemas de protesto e luta contra o regime colonial português. Um dos ícones da resistência africana de língua portuguesa, estudou na Casa dos Estudantes do Império e teve papel muito importante na independência de seu país. Niketche: uma história de poligamia – da moçambicana Paulina Chiziane, o romance trata da poligamia praticada em Moçambique através dos tempos. Numa perspectiva feminista, o livro traz a mensagem da união e da solidariedade entre as mulheres. A personagem principal Rami, declara abertamente ser contra a poligamia, mostrando […]

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

RELACIONADAS

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito