Música | Reportagens

Agulha comemora 5 anos em festa com protagonismo negro de Sampa The Great e dos coletivos Bronx e Turmalina

Change Size Text
Agulha comemora 5 anos em festa com protagonismo negro de Sampa The Great e dos coletivos Bronx e Turmalina Sampa The Great. Foto: Travys Owen

Um dos espaços culturais mais importantes de Porto Alegre, o Agulha comemora cinco anos repletos de shows, eventos artísticos, drinks, gastronomia e, acima de tudo, encontros de uma cena formada por músicos, técnicos, produtores, equipe da casa e um total de aproximadamente 100 mil frequentadores. Para dar conta do público formado ao longo dessa trajetória, o bar realiza seu baile de aniversário no URB Stage, neste sábado (20/8), a partir das 18h.

A festa tem como destaque a rapper zambiana Sampa The Great, em sua primeira turnê brasileira. O baile reúne ainda o grupo 8TET 4+4 – liderado pelo músico Lucas Brum, com participação de Nina Nicolaiewsky –, o DJ baiano radicado em Recife Patrick Tor4, o bloco carioca Minha Luz é de LED e DJs dos coletivos porto-alegrenses Bronx e Turmalinaconfira as entrevistas com Cocoa Mami e Hustla (Bronx) e Tom Nudes (Turmalina) a seguir.

Desde os primeiros eventos em junho de 2017, o Agulha já recebeu mais de 350 artistas como Duda Beat, Jards Macalé, Luedji Luna e Metá Metá – para citar apenas alguns dos mais conhecidos –, além de atrações locais e nomes nacionais que fizeram seus primeiros shows em Porto Alegre no palco da rua Conselheiro Camargo, no bairro São Geraldo.

“O Agulha tem muito o caráter de apresentar artistas. O que mais nos deixa feliz é alguém chegar na porta e dizer: ‘Não sei qual é a banda de hoje, mas vou entrar porque aqui toca música boa’”, conta Guilherme Thiesen, curador da casa noturna. Thiesen ressalta que o Agulha “é mais do que está expresso no palco”, citando a diversidade da equipe – mantida em sua totalidade ao longo dos períodos mais críticos da pandemia –, a relação com o bairro, as parcerias envolvendo produtores, artistas, eventos e apoiadores e a potência dos encontros que acontecem no espaço, liderado pelos irmãos Eduardo Titton e Fernando Titton.

Coletivo Bronx celebra cultura negra e liberdade dos corpos de pessoas pretas e LGBTQI+

Festa Bronx Cyberfunk. Foto: Josemar Afrovulto

O baile de aniversário do Agulha tem o Bronx entre seus convidados. A história do coletivo começa no segundo semestre de 2016, quando Clara Soares (Cocoa Mami), aos 19 anos, e Rhuan Santos (Hustla), então com 21 anos, promoveram a primeira festa Bronx numa garagem na avenida Júlio de Castilhos, em Porto Alegre. “A gente já era DJ, promoter e frequentava festas, mas não encontrava muitas oportunidades para tocar. As casas noturnas chamavam mais pessoas brancas, usando a cultura negra – hip hop, rap, funk – para atrair o público. A Bronx surgiu da necessidade de um espaço de protagonismo para pessoas pretas e LGBTQI+”, conta Cocoa Mami.

Cocoa Mami. Foto: Josemar Afrovulto

Na mesma linha, Hustla, coprodutor do coletivo, observa que “o destaque da Bronx no cenário noturno é o protagonismo do jovem em criar seus espaços seguros, em torno de uma cultura representativa que lhes garante segurança e empoderamento”. Desde 2016, a dupla já organizou mais de 40 festas temáticas com foco em apresentar DJs locais – as exceções foram as participações da funkeira carioca MC Carol e do grupo paulista de trap Recayd Mob. A festa Bronx mais recente, realizada em 6 de agosto, no Oculto, teve o conceito cyberfunk como norteador estético.

Hustla na festa Bronx Cyberfunk. Foto: Josemar Afrovulto

“Sempre buscamos um espaço mais under, sem estética de casa noturna. Aos poucos, o rolê foi tomando um viés mais político e uma proporção maior. Começamos a ser convidados para palestras e eventos fora do âmbito das festas”, recorda Cocoa Mami. “Nosso propósito sempre foi impulsionar outras pessoas para mudar a cena como um todo. Depois da Bronx, surgiram muitos outros rolês de jovens pretos e pessoas LGBTQI+ com propostas parecidas”, completa a DJ, destacando ainda o interesse da Bronx pela “liberdade das pessoas se vestirem e agirem como quiserem, respeitando umas às outras”.

A DJ destaca o caráter independente e familiar da festa, que envolve parentes dela e de Hustla em atividades como caixa, bar, portaria e chapelaria. “Assumimos um risco grande. Toda a família conta com aquele dinheiro. Minha mãe e meu irmão trabalham desde a primeira edição.” O engajamento de Marusa Pereira, mãe da DJ, foi tanto, que a festa acabou sendo escolhida como objeto de seu trabalho de conclusão no curso de Ciências Sociais da PUCRS. “Tenho certeza de que, se não tivesse a mãe que tenho, não faria nada do que faço. Ela sempre foi muito mente aberta”, conta a filha.

Após os anos períodos mais críticos da pandemia, a Bronx recupera gradualmente seu espaço. Em 2022, a festa tem sido realizada mensalmente, com datas confirmadas até o final do ano. Em outubro, a Bronx terá um palco no festival Rap in Cena, que acontece nos dias 15 e 16 de outubro, no Parque Harmonia, em Porto Alegre.

Cocoa Mami. Foto: Josemar Afrovulto

Aos 25 anos, Cocoa Mami mescla em seus sets estilos que vão do hip hop ao funk, passando pela música eletrônica. Também lançou dois singles, Flash (2020) e Foco (2022), mostrando sua faceta rapper. No momento, ela trabalha na produção de um novo trabalho como cantora, que deve sair ainda neste ano. Além de produtora, DJ e cantora, Clara Soares é modelo desde 2017, atualmente vinculada à agência Ford Models, realizando ensaios para diversas marcas.

A artista atribui a atuação múltipla ao contexto familiar repleto de pessoas envolvidas com música, eventos e empreendedorismo. “Na minha família, todo mundo toca instrumento, canta alguma coisa ou é empreendedor. Uma prima é trancista, outra é terapeuta holística, outra já teve padaria, um primo é bailarino. Minha tia fazia galetos dançantes com a banda dos tios, meu irmão mais novo era da OSPA, um tio escrevia músicas de Carnaval… Todo esse rolê tá inserido na minha criação”, conta a DJ, que aos 14 anos já participava de um grupo de funk. Ela e Hustla se apresentam no baile do Agulha.

Turmalina propõe retomada da música eletrônica como expressão negra

DJ Tom Nudes, integrante do coletivo Turmalina. Foto: Yuri Junges

Outro destaque da festa do Agulha, o coletivo Turmalina foi criado em 2017 com o mesmo desejo de pessoas negras buscando pertencimento e representatividade na cultura DJ – uma necessidade “individual, coletiva e ancestral”, segundo Tom Nunes (Tom Nudes), que integra o coletivo desde 2018. “Por ser LGBTQI+ e negro, a noite sempre me ofereceu um pouco mais de bem-estar do que qualquer outro lugar”, conta o DJ.

“Foi surgindo uma vontade de estarmos mais próximos dos nossos. É muito diferente quando é da gente pra gente, nem sabíamos que precisávamos tanto. Nos fortalece demais”, diz Tom, que também é cofundador do coletivo Arruaça, que promove festas de rua desde 2015.

Em um post no Instagram, o coletivo declara que “a Turmalina, assim como todo lugar de coletividade preta é sobre acolhimento, é sobre se afirmar, é sobre se sentir foda, é sobre pertencer, é sobre não ser o único e nem mais um, a Turmalina é sobre se aquilombar com aqueles que querem algo que não era dado, foi lá e pegou pra si”. No texto, os integrantes do coletivo afirmam que a iniciativa “nasceu da necessidade de nós pretos nos enxergarmos em locais de evidência. Como protagonistas da cena eletrônica e musical de Porto Alegre. Nesse estado tão racista como o Rio Grande do Sul. Sentimos a necessidade de construir narrativas positivas para pessoas pretas, além de criar caminhos de trocas de conhecimentos entre nós”.

Atualmente o Turmalina conta com 12 participantes. Além de Tom, Chico, Faylon, Felix, Gugu, Imgfiction, Mari Gonçalves, Nicolas, Pianki, Saskia, Suelen Mesmo e Turva, responsáveis pela criação de sets, performances e projetos audiovisuais e de arte digital – Tom e Faylon tocam na festa do Agulha. “É muito louco pensar que a música eletrônica tem suas origens negras, enquanto os grandes clubs mal tocam sons de pessoas negras, e elas mal frequentam esses locais”, reflete Tom, que problematiza o senso comum em torno da música eletrônica: “funk e tecnobrega são música eletrônica e ainda não são entendidas como tal, o que diz muito sobre o que vivemos”.

Tom Nudes. Foto: Guilherme Campos

Aos 30 anos, ex-aluno de Engenharia Hídrica na UFRGS – quando viveu o começo da política de cotas integrando o coletivo Negração –, Tom atualmente mora em Pelotas, onde cursa o terceiro semestre de Jornalismo na UFPel. O DJ recorda que ouviu muito charme e funk quando criança e enxerga um “processo de retomada” da música eletrônica por produtores, DJs e públicos negros: “É sobre reconhecer que essa música também é sua, em festas e lugares que conversam com a existência de pessoas negras”.

Tom conta que as festas do coletivo acabam atraindo pessoas que não tinham intimidade com a música eletrônica, mas acabam se aproximando por conta do desejo de frequentar ambientes com atrações e público majoritariamente negros. Tom pondera ainda que, “apesar de serem festas de pessoas pretas pensando em pessoas pretas, não é só para elas. A galera branca também cola”.

Em 2020, o coletivo Turmalina foi contemplado pelo Edital Natura Musical para desenvolver um projeto de residência artística. No ano seguinte, nasceu a Feijoada Turmalina, com a proposta de compartilhar conhecimentos de produção musical, mixagem e equipamentos, entre outros temas, com pessoas negras de Porto Alegre e Região Metropolitana. O resultado visual e sonoro dos encontros, realizados no Afrosul Odomodê, será lançado em setembro.

Com referências como os quilombos e a feijoada, o coletivo Turmalina desenha seus territórios de resistência e vínculos afetivos. “Buscar o que aconteceu antes para se entender no presente e criar um futuro”, nas palavras de Tom, é o que importa.

Baile de 5 anos do Agulha
Quando: 20 de agosto de 2022
Horário: 18h
Onde: URB Stage (rua Beirute, 45 – Navegantes – Porto Alegre)
Ingressos à venda pela plataforma Sympla
O evento expandido da festa começa com aquece na rua, em frente ao URB Stage, com opções gastronômicas e atrações surpresa

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para o interesse público da nossa cidade sejam abordados: apoie-nos financeiramente!

O que nos permite produzir reportagens investigativas e de denúncia, cumprindo nosso papel de fiscalizar o poder, é a nossa independência editorial.

Essa independência só existe porque somos financiados majoritariamente por leitoras e leitores que nos apoiam financeiramente.

Quem nos apoia também recebe todo o nosso conteúdo exclusivo: a versão completa da Matinal News, de segunda a sexta, e as newsletters do Juremir Machado, às terças, do Roger Lerina, às quintas, e da revista Parêntese, aos sábados.

Apoie-nos! O investimento equivale ao valor de dois cafés por mês.
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
RELACIONADAS
PUBLICIDADE

Esqueceu sua senha?