Artes Visuais | Notas

Instituto Cultural Torus faz doação de obras para o MARGS

Change Size Text
Instituto Cultural Torus faz doação de obras para o MARGS "O Fim do Presente"/Divulgação

Democratizar a arte contemporânea e o acesso à cultura é o compromisso do projeto O Tempo como Verbo, do Instituto Cultural Torus. Essa missão norteou todas as ações desenvolvidas desde fevereiro e que agora culmina na doação de um conjunto de obras de arte para o Museu de Arte do Rio Grande do Sul

Realizada com recursos da Lei Aldir Blanc, a iniciativa reuniu cerca de 40 artistas e profissionais da cultura e lançou oito produtos artísticos diferentes que se interligaram com o mesmo tema: o tempo. As obras doadas ao MARGS fazem parte da exposição imersiva virtual O Tempo Como Verbo, que está disponível no site do Torus até setembro e recebeu mais de 2 mil visitas. 

O museu também receberá o livro O Fim do Presente, que reúne contos de autores gaúchos com inspiração na exposição virtual. Para a diretora do Torus, Laura Cattani, essa entrega representa a continuidade do projeto e a oportunidade de enriquecer o acervo cultural do Estado com uma diversidade de artistas e trabalhos que marcam o período da pandemia pelo novo coronavírus. 

Além da exposição e do livro, também fizeram parte da iniciativa os seguintes produtos artísticos: Coalescer, com postagens de jovens artistas no perfil do Instagram do Torus (@torus.arte); Galeria em Casa Tempus Fugit, cinco filtros de realidade aumentada para o Instagram com obras da exposição, que contam até o momento com quase 10 mil visualizações; Áster, projeto educativo envolvendo palestras virtuais que totalizaram 300 participantes em diferentes universidades do Estado, material educativo disponível no site para download e livreto ilustrado com informações das obras que foi distribuído ao coletivo de pescadores de Várzea, em São José do Norte, e em dois aldeamentos indígenas na região de Rio Grande; Residência Artística Torus, na qual três artistas fizeram uma imersão criativa, por uma semana cada, em uma casa no interior de Garibaldi e Sete Infinitudes, trilha sonora baseada nas obras do projeto. 

Laura conta que foi um desafio colocar em andamento um projeto com múltiplas fases interconectadas e em diversos meios. “Tivemos alguns feedbacks bem emocionantes sobre como este projeto permitiu ver o ambiente virtual e as redes sociais para a criação e difusão da arte de forma densa, mas também tocante, sensível”, afirma.

RELACIONADAS
PUBLICIDADE

Esqueceu sua senha?