Música | Notas

Tiago Araripe comemora 70 anos com álbum “Terramarear”

Change Size Text
Tiago Araripe comemora 70 anos com álbum “Terramarear” Foto: Líbia Fiorentino/Divulgação

Nesta segunda-feira (26/7), chega nas plataformas digitais Terramarear, terceiro álbum autoral de Tiago Araripe. “Agora que me aproximo dos 70 anos, pensei em celebrar as sete décadas de vida com o maior número possível de amigos, mesmo à distância. Pessoas espalhadas em diversos lugares do mundo, mas perto do coração”, comenta o artista, que desde 2018 vive em Bombarral, pequena vila que fica ao norte de Lisboa, em Portugal.

Ao todo, Terramarear reúne 37 artistas, sendo 5 músicos portugueses; 2 músicos africanos: um da ilha da Martinica (Karlos Rotsen, piano em Tudo no Lugar) e outro da ilha de Madagascar (Tahina Rahary, produção musical, violão, flauta, congas, palmas e coro em Abracadabra e Calar pelos Cotovelos); e 6 participações especiais: Isadora Melo, Marcos Lessa, Nonato Luiz, Vânia Bastos, Zeca Baleiro e a cantora portuguesa Mara

O álbum também reúne 5 parcerias: com Zeca Baleiro, Rogério Franco, Marcos Lessa, Juliano Holanda e Nonato Luiz; e 8 produtores musicais: Adelson Viana, Caio Castelo, Cristiano Pinho, Jefferson Portela, Juliano Holanda, Pablo Romeu, Tahina Rahary e Walter Areia

Terramarear reúne 14 de composições, solo de Tiago ou em parceria, algumas delas já lançadas nas plataformas digitais e remasterizadas para o álbum, caso das quatro canções do EP Na Mala, Só a Viagem (Bem Aqui, Das Horas, Perder Alguém e De Passagem), gravado no Recife com produção do aclamado guitarrista pernambucano Juliano Holanda, pouco antes da mudança de Tiago para Portugal.

10 canções foram compostas já em Portugal e três foram inteiramente produzidas lá: Tudo no Lugar (2018), gravada em Almada com participação da cantora alentejana Mara, grande voz da nova geração do fado português; e Abracadabra (Novas Manhãs Que Virão) e Calar pelos Cotovelos, gravadas em 2019 na aldeia de Fanhais, em Nazaré, com produção musical de Tahina Rahary, multi-instrumentista e compositor de Madagascar que mora há muitos anos em Portugal. 

Capa de “Terramarear”/Divulgação

Terramarear, o título do álbum, expressa a ligação do artista com a natureza. “Eu o encontrei numa coleção de livros de aventuras que lia quando adolescente e o associei ao percurso iniciado em 2018, quando me mudei para Portugal, num movimento de retomada da minha história musical neste lado lusitano do Oceano Atlântico, mesclando sonoridades brasileiras e portuguesas, culturas e sotaques”, completa Tiago Araripe. A capa é uma releitura do visual da coleção de livros, em criação do diretor de arte André Venâncio, com ilustração de Rodriguez Júnior.

Assista ao trailer de Terramarear.

PUBLICIDADE