Nando Gross

Classificação do Inter na Libertadores teve os destaques de Maurício e Luiz Adriano

Change Size Text
Classificação do Inter na Libertadores teve os destaques de Maurício e Luiz Adriano Foto: Ricardo Duarte / Sport Club Internacional

O Inter está na próxima fase da Libertadores da América, o que já lhe garantiu US$ 1,25 milhão (R$ 6,1 milhões) nos cofres, premiação estabelecida pela Conmebol para todos os classificados às oitavas de final. O jogo não teve nenhum enredo com tensão ou nervosismo, o Inter fez o primeiro gol já aos três minutos de jogo e finalizou a primeira etapa com 3 a 0.

Mano Menezes escalou Maurício, que vinha voltando de lesão, e foi ele quem fez o primeiro gol e deu assistência para Luiz Adriano marcar o segundo. Os dois foram decisivos, Luiz Adriano fez a assistência para o gol de Maurício e ainda marcou o terceiro.

Foram mais de 38 mil torcedores ao Beira-Rio e o Inter começa a mostrar reação na temporada, com a afirmação de Romulo no meio-campo, Maurício retornando e, a partir do dia 03 de julho, já podendo contar com Enner Valencia.

Demora

Uma pena a demora para a equipe do Inter começar a ter rendimento na temporada, porque isto já custou a perda do Gauchão e a desclassificação na Copa do Brasil. No entanto, o Internacional encontrou forças para se reerguer e garantir a sua classificação para a próxima fase da Libertadores. Com uma sequência de resultados, o time conseguiu superar as adversidades e avançar no torneio continental.

Essa recuperação é um sinal positivo para os jogadores e torcedores, pois a classificação traz consigo uma dose de confiança e motivação para a equipe, que poderá se fortalecer para o restante da temporada.

Na briga pelo título da Libertadores

A Libertadores da América para agora por pelo menos 30 dias, o quer vai dar ao Inter a possibilidade de entrosar Enner Valencia e Aránguiz. No Brasileirão de pontos corridos, acho improvável o Inter ainda disputar o título, mas na Libertadores, no sistema eliminatório a partir de agora, o Inter é, sim, candidato. Vale torcida até no sorteio, porque isto pode ser decisivo.

É importante buscar o melhor nível possível nos jogos pelo Brasileirão, para estar em alto nível de competição e entrosamento quando retornar a Libertadores.

O Inter não é o melhor time da competição, mas é um torneio e as possibilidades são bem maiores do que na maratona de pontos corridos.    

Suárez: transparência, mas com respeito à privacidade

A transparência na administração pública e nos clubes de futebol é um princípio fundamental para garantir a confiança e a integridade das instituições. No entanto, há momentos em que a privacidade e a saúde física dos indivíduos devem ser respeitadas, mesmo em um contexto de grande interesse público. A cobrança para que o presidente Alberto Guerra, do Grêmio, se manifeste sobre Suárez é um exemplo que levanta questionamentos e reflexões sobre os limites da transparência.

Até que ponto a saúde física de um atleta deve ser tratada publicamente? É fundamental respeitar a privacidade dos indivíduos e assegurar que eles tenham o direito de decidir o que compartilhar sobre sua condição física. Casos de lesões ou problemas de saúde devem ser tratados com cuidado, considerando a integridade física do atleta e o direito à confidencialidade médica. É possível que Suárez tenha solicitado que o clube não divulgue informações detalhadas sobre sua condição física, e essa decisão deve ser respeitada.

É essencial encontrar um equilíbrio entre o direito à informação e a privacidade dos indivíduos. A diretoria do clube ao passar informações à imprensa deve pautar-se em princípios éticos e respeitar a autonomia dos envolvidos. É válido reportar que Suárez está indisponível por razões de saúde, mas detalhes específicos devem ser tratados com cautela, a menos que o próprio atleta decida compartilhar publicamente.

Em um ambiente ético, a transparência pode coexistir com o respeito à privacidade.

A demissão do vice de futebol do Grêmio

O assunto Suárez deveria ter sido tratado de forma transparente desde a primeira entrevista do então vice-presidente de futebol, Paulo Caleffi, sobre o assunto. Mas faltou maturidade. O dirigente tratou de brigar com a informação e deu uma coletiva desinformando aqueles que o acompanhavam. Não durou muito para ficar confirmada a gravidade da lesão de Suárez e a indefinição sobre o seu futuro. 

Caleffi poderia dizer que o Grêmio acompanhava e tratava a lesão do atleta e estava ciente da gravidade, mas que não tinha conhecimento algum sobre a possibilidade de aposentadoria. E encerrava o assunto naquele momento. Ao agir como torcedor e não dirigente misturou tudo e se perdeu. Desrespeitou os jornalistas, provocou aplausos de uma claque que acompanhava a coletiva, tentou intimidar os repórteres como se estivesse na arquibancada torcendo e xingando a imprensa.

Atacar o mensageiro ao invés de prestar atenção na mensagem é um estratégia surrada e, de certa forma, preguiçosa, que parece ter incomodado até o presidente Alberto Guerra, porque às 23h de ontem foi anunciada a demissão do dirigente.

;

Esqueceu sua senha?

ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.