Reportagem

Alunos da Unisinos protestam contra aumento da mensalidade acima da inflação

Change Size Text
Alunos da Unisinos protestam contra aumento da mensalidade acima da inflação Segundo o DCE, os campi da Unisinos, de São Leopoldo e Porto Alegre, têm hoje a metade dos alunos de uma década atrás | Foto: Rodrigo W. Blum/Divulgação

Estudantes alertam que haverá evasão e reclamam da falta de diálogo com a Reitoria. Direção informa que realizou um encontro prévio e um novo está previsto para depois do recesso

Publicidade

O Conselho Universitário da Unisinos aprovou, no final de novembro, um aumento substancial no custo de seus cursos de graduação. A partir de 2024, as mensalidades sofrerão acréscimo de 8,25%, um valor definido como proibitivo por estudantes. Na terça-feira, cerca de 100 alunos da universidade entregaram uma carta à reitoria, na qual pedem a revisão do reajuste. O aumento representa quase o dobro da inflação registrada no período contemplado pelo reajuste, que foi de 4,8%.

Para o Diretório Central dos Estudantes da Unisinos, o aumento vai na contramão do que se espera de uma universidade “comunitária e jesuíta” e deve contribuir para a queda ainda maior  do número de alunos. Segundo o DCE, os campi da Unisinos, de São Leopoldo e Porto Alegre, têm hoje a metade dos alunos de uma década atrás.

Diante da “situação concreta de evasão universitária”, conforme informa o diretório, alunos pedem que não se aplique o reajuste, ou que o aumento seja escalonado ao longo do ano de 2024, com garantia de descontos “substanciais” a quem quitar os boletos pontualmente – sob o risco de se “intensificar o prejuízo alegado pela reitoria como justificativa para o aumento”.

“Ano após ano aumenta a evasão e aumentam as mensalidades. Isso não é por acaso. É uma relação de causa e consequência. E para piorar, a qualidade de ensino tem sido reduzida com excesso de aulas online, com demissões de professores históricos e com fechamento dos cursos de pós-graduação que eram reconhecidamente de excelência acadêmica”, argumenta o diretório da Unisinos, em nota enviada à Matinal. A taxa de inadimplência, segundo o DCE, é alta na instituição.

Alunos do curso de medicina foram o grupo mais presente no protesto de terça-feira. É o curso mais caro da Unisinos, e o corpo discente organizou um abaixo-assinado que destaca a necessidade de revisão “justa e transparente” nas políticas de reajuste, para não comprometer a permanência dos estudantes. 

A infraestrutura da faculdade, de acordo com organizadores da petição, não condiz com o valor da mensalidade, que atualmente é de R$ 8.973,33 até o oitavo semestre e de R$ 14.062,70 a partir do nono. “Por vezes falta sabonete e água nos banheiros e apenas uma das torneiras em alguns banheiros funcionam. O ar-condicionado central não é ligado”, diz o texto, que “levanta dúvidas” sobre o destino do investimento financeiro feito por alunos e familiares.

A notícia sobre o aumento das mensalidades preocupa o corpo discente pelo encolhimento da estrutura da instituição. No ano passado, a Unisinos anunciou a extinção de 12 de seus 26 programas de pós-graduação, alegadamente pela queda no número de matrículas.

Para o doutorando Tiago Segabinazzi, embora não seja ele mesmo impactado pelo reajuste, restrito aos cursos de graduação, trata-se de outra decisão anunciada de forma vertical aos alunos. “Não há diálogo, negociação ou alternativas, apenas uma decisão que não sabemos exatamente em que se baseia e que nos pedem para acreditar. Os sentidos de ‘comunidade acadêmica’, de ‘instituição comunitária’ se perdem com isso. É uma situação difícil para todos que acreditam no ensino superior: como as universidades, que mais do que nunca precisam de alunos para se manter, podem ser desejadas pelo público se agem dessa forma?”, questiona Tiago, que é mestre pela mesma instituição e cursa o doutorado em Ciências da Comunicação, um dos programas que, a despeito de ter a nota máxima na avaliação do Ministério da Educação, está em processo de encerramento.

A Unisinos, por sua vez, argumenta que seu orçamento é “uma peça que segue rigorosos critérios de análise técnica”. A estrutura de custos e despesas, além dos “indicadores do cenário macroeconômico”, fundamentam o reajuste indicado para 2024, de acordo com nota enviada pela instituição à Matinal. “Cabe mencionar que, no ano de 2021, a Universidade não realizou reajustes, considerando o cenário econômico complexo para as famílias decorrente do período de pandemia. Além disso, o reajuste definido para o ano de 2024 se situa na faixa de valor das mensalidades adotado pelas demais universidades do Rio Grande do Sul”.

A universidade diz que mantém um espaço aberto de diálogo com os estudantes, e que realizou uma reunião prévia sobre o reajuste, com representação via DCE, na qual o diretório ouvido pela instituição. Um novo encontro, de acordo com a Unisinos, está programado para acontecer no retorno do recesso de fim de ano.


Fale com o repórter: [email protected]

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para o interesse público da nossa cidade sejam abordados: apoie-nos financeiramente!

O que nos permite produzir reportagens investigativas e de denúncia, cumprindo nosso papel de fiscalizar o poder, é a nossa independência editorial.

Essa independência só existe porque somos financiados majoritariamente por leitoras e leitores que nos apoiam financeiramente.

Quem nos apoia também recebe todo o nosso conteúdo exclusivo: a versão completa da Matinal News, de segunda a sexta, e as newsletters do Juremir Machado, às terças, do Roger Lerina, às quintas, e da revista Parêntese, aos sábados.

Apoie-nos! O investimento equivale ao valor de dois cafés por mês.
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
RELACIONADAS

Esqueceu sua senha?

ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.