Reportagem

Juiz dá prazo de dez dias para desocupação de prédio no Centro

Change Size Text
Juiz dá prazo de dez dias para desocupação de prédio no Centro Prédio ocupado tem mais de 60 apartamentos | Foto: Tiago Medina

O juiz Paulo Cesar Filippon determinou que os moradores da Ocupação Desabrigados da Enchente deixem o prédio na Rua Fernando Machado em um prazo de dez dias. Afetado pelas inundações, o grupo está no imóvel desde 24 de maio. Com 63 apartamentos, o edifício estava vazio havia mais de dez anos e, anteriormente, funcionou como um hotel.  

O juiz também indeferiu a solicitação da Defensoria Pública do Estado (DPE) para que o caso fosse analisado pela Comissão de Conflitos Fundiários. A Defensoria informou que irá recorrer da decisão ainda nesta sexta-feira, de acordo com a coordenadora do Centro de Referência em Direitos Humanos da DPE, Alessandra Quines. O recurso insistirá para que o caso seja analisado pela comissão que trata de assuntos fundiários.  

Filippon ordenou ainda que a Fundação de Assistência Social e Cidadania (Fasc) “ofereça apoio e abrigamento, respeitando, dentro do possível, a manutenção do núcleo familiar e a possibilidade das pessoas acolhidas saírem e voltarem para trabalhar”.Os abrigos emergenciais da prefeitura têm diminuído em quantidade de locais e vagas: de 8,6 mil abrigados em 116 locais em 3 de junho, para 4,9 mil pessoas em 95 pontos no dia 6.. No auge dos atendimentos, foram mais de 14 mil atendidos.

Caso a decisão não seja cumprida no prazo – que começa a contar a partir da intimação das partes –, o magistrado autoriza a Brigada Militar a realizar o despejo de maneira compulsória, desde que haja reunião prévia para organizar o ato, com a presença do Conselho Tutelar.

Cerca de 130 pessoas de 50 famílias estão na ocupação, incluindo idosos, mulheres, crianças e animais domésticos. O grupo residia majoritariamente em bairros da zona norte de Porto Alegre, como Sarandi e Humaitá, atingidos pela enchente do mês passado, além de pessoas vindas das ilhas e cidades como Guaíba e Eldorado do Sul. As áreas são algumas das últimas que ainda registram alagamentos na cidade. 

Moradia x propriedade

Na última quarta, parte dos moradores participou de uma reunião na Câmara Municipal que tratou do assunto. Na ocasião, reivindicaram direito à moradia digna, justificando que os abrigos oferecidos pela prefeitura não seriam uma opção saudável às famílias. O discurso foi citado no despacho, que sugere como iniciativa uma portaria do Ministério das Cidades, que institui a compra emergencial de unidades habitacionais durante a situação de calamidade pública. 

Apesar de considerada, a questão da moradia digna não convenceu o magistrado: “Ao contrário do que se possa supor, não legitima a invasão feita no prédio da parte autora, na medida que o ordenamento jurídico pátrio não permite tal ação”, escreveu ele, que em outro trecho pontuou que, apesar de o local estar fechado há mais de uma década, “o proprietário continua no direito de exercer a posse e a protegê-la”.

Também na reunião de quarta, um laudo elaborado por arquitetos foi apresentado – e posteriormente anexado ao processo – afirmando que haveria condições de habitabilidade no prédio, mas o documento não alterou a opinião do juiz, que pontuou que o imóvel “não possui condições razoáveis de habitabilidade, sendo extremamente temerária a permanência de pessoas no local”.


E-mail: [email protected]

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para o interesse público da nossa cidade sejam abordados: apoie-nos financeiramente!

O que nos permite produzir reportagens investigativas e de denúncia, cumprindo nosso papel de fiscalizar o poder, é a nossa independência editorial.

Essa independência só existe porque somos financiados majoritariamente por leitoras e leitores que nos apoiam financeiramente.

Quem nos apoia também recebe todo o nosso conteúdo exclusivo: a versão completa da Matinal News, de segunda a sexta, e as newsletters do Juremir Machado, às terças, do Roger Lerina, às quintas, e da revista Parêntese, aos sábados.

Apoie-nos! O investimento equivale ao valor de dois cafés por mês.
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
RELACIONADAS
;

Esqueceu sua senha?

ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.