Arthur de Faria, História do rock gaúcho, Parêntese, Porto Alegre: uma biografia musical

Arthur de Faria: História do rock gaúcho – capítulo 5

Change Size Text
Arthur de Faria: História do rock gaúcho – capítulo 5 No dia 31 de maio, na Paulista
Se os Cleans e os Brasas foram os primeiros a gravar, não foram os pioneiros roqueiros gaúchos a compor suas próprias canções. Antes deles havia Os Satânicos. Em 1964 encapetaram-se numa banda três amigos que se cruzavam pelas esquinas da Cidade Baixa, reunindo-se para tocar no violão as novidades da ‘música jovem’: eram Hermes Aquino (Rio Grande, RS, 21/05/1949), Cláudio Vera Cruz (Curitiba, PR, 26/04/1947) e Renato Rodrigues, o Português. Hermes, ao que tudo indica, foi o primeiro compositor do rock gaúcho. O irônico é que ele se consagraria nacionalmente nos anos 1970, mas daí bem distante do rock. A notícia sobre Os Satânicos logo se espalhou pela cidade: “Bah! Os cara tão fazendo as música deles!”. Só  que durou pouco: foram mesmo os primeiros a compor rock em porto-alegrês, mas rapidamente abandonam o projeto, impactados com a explosão beatle daquele mesmo ano. A partir daí se dedicam ao repertório do quarteto de Liverpool e, em 1966 – ano do LP Revolver –  acrescentam o Português no baixo, mudam de nome para Som 4, e viram a banda beatle cover oficial da cidade. Fazem muito sucesso nos bailinhos até 1968, quando Hermes e Vera Cruz são chamados para um… emprego! Em música! E não era qualquer emprego: seriam integrantes da banda que estava sendo criada para o já citado programa GR-Show, de Glênio Reis. O conjunto teria o mesmo nome, tocaria todos os sábados à tarde durante a transmissão e, de quebra, faria bailes animados pelo apresentador. O repertório era eclético, e a formação inspirada no RC-7, a banda de Roberto Carlos naquele momento: meio rock´n´roll, meio soul, com o básico de guitarra, teclado, baixo e bateria acrescentado de um naipe de sopros – trompete, sax tenor e trombone.     (Com a explosão da Tropicália, o cenário do pop-rock nacional estava mudando rapidamente, assim como a sonoridade do Rei Roberto, que começava a aproximar-se da soul music e de um público mais adulto. O maior sintoma disso é que a TV Record tirara do ar o programa Jovem Guarda.) Hermes, ao contrário de seus colegas, tinha um objetivo bem claro para a grana que juntava como assalariado: logo que deu, mandou-se para São Paulo, onde já estava o amigo de infância, vizinho, ex-parceiro de grupos amadores de bossa-nova e compositor Carlinhos Hartlieb, que há um tempo lhe enviava cartas e mais cartas com um assunto básico: – Vem!  Dia 22 de fevereiro de 1969, com o cachê de um baile de reveillon animado pelo GR-Show em Erechim, ele foi – e sua história segue em outro volume, livro ou capítulo.   * * *   Se o Som 4 era a banda beatle da cidade, faltava… a banda stone. E ela aparece em 1967: o Alphagroup, liderado pelo lendário Mutuca  (Carlos Eduardo Weyrauch, Porto Alegre, RS, 12/08/1946 – Taquara, RS, 13/06/2018). Primo do recém-citado Carlinhos Hartlieb, Mutz Weyrauch foi um dos maiores ícones roqueiros da cidade.  Tudo começou em 1966, tocando com amigos numa banda chamada Os Incógnitos. No […]

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito