Ensaios Fotográficos

“Às luzes de Soriano”

Change Size Text
“Às luzes de Soriano”

De origem grega, a palavra fotografia significa objetivamente “desenhar com luz e contraste”, criando-se imagens por meio de exposições luminosas. De técnicas analógicas às atuais e modernas captações digitais, fotografar é congelar um instante da vida passada, a ser vista no futuro (mesmo que em brevíssimo tempo), de forma que não se pode mais ver cena exatamente como foi registrada. Sou fotógrafo amador. Mas sempre me encantei por uma das “fases” mais conhecidas de Antônio Soriano (Antônio Carlos Soreano Teixeira e Silva), que infelizmente não conheci pessoalmente: são pinturas na maioria das vezes de paisagens de campanha, normalmente com montanhas, uma ou algumas casas, com a característica marcante de, por meio de “pontos de luz” (carregado nas tintas mais claras), fazer o destaque da cena principal. Sempre instigado com essa sua técnica, ousei pensar: por que não tentar fazer algo dentro da mesma concepção com a fotografia? O trabalho do artista é único, com características próprias só dele. Mas esse foi o propósito de uma (primeira) série de fotos, em locais diversos durante viagens, não apenas em campos,  mas em cidades e mares, sempre com os olhos focados no presente do registro e imaginando como seria pintada a “tela” por Soriano com seus “pontos de luz”. A pretensão é, no máximo, uma homenagem ao seu inigualável trabalho, que muito admiro, desses “realces” magistrais de luz.



















Douglas Fischer, nascido em 2.12.1969, em Três de Maio/RS. Fotógrafo amador há aproximadamente 15 anos. Procurador Regional da República, membro do MPF desde 1996, e Professor de Direito.

marca-parentese

Abra um parêntese no seu fim de semana com jornalismo e boas histórias. Deixe seu email e receba toda semana as newsletters da revista Parêntese.

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.