Folhetim

Duas Vanusas – Capítulo 2: Pedro

Change Size Text
Duas Vanusas – Capítulo 2: Pedro

Mamãe saiu assim que tia Vanusa chegou. Mal se falaram. Acho que tava com pressa. Eu e Verô ficamos no pátio sem saber muito o que fazer. Ouvi os passos dela e o som das rodinhas da mala. Acho que é grande pelo barulho que faz. O que será que ela trouxe? Um presente? Brinquedo? Não gosto de ganhar roupa, gosto de brinquedo, a mana também. Eu estava muito querendo saber o que era, mas não conseguia soltar meus joelhos e entrar dentro de casa. Não sei por que não consegui me mexer. Talvez eu fiquei tanto tempo desse jeito que meus braços viraram pedra. Fiquei com medo. Mexi os ombros e meu corpo se mexeu. Ufa. Não sou uma pedra. Ainda bem. Tentei levantar, mas não consegui de novo. Acho que minhas mãos se colaram e por isso não solta. Fiquei com mais medo ainda e tentei me soltar. Caí sentado pra trás e machuquei um pouco quando bati as mãos no chão. Assustei a Vanusa, que resolveu ir ciscar mais no fundo do pátio. Ai. Tirei umas pedrinhas pequenininhas que se enfiaram na minha mão e fiquei com vontade de chorar.

Bem nessa hora tia Vanusa nos chamou da porta da cozinha e nem eu nem Verô respondemos. Acho que a mana estava querendo chorar também, mas não vi se chorou porque ela olhou pro chão se escondendo. A tia veio e se sentou no meio de nós dois. Ficamos um tempão em silêncio. Não sei por que a tia não falou nada, achei que as pessoas grandes sempre sabiam o que falar, mas ela não falou nada. Quem sabe tia Vanusa também seja um pouco criança e também tenha medo igual a gente. Olhei pra ela. Ela estava segurando a mão da mana, olhando a galinha. Não sei se ela sabia o que fazer.

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso a conteúdo exclusivo?


Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

Mamãe saiu assim que tia Vanusa chegou. Mal se falaram. Acho que tava com pressa. Eu e Verô ficamos no pátio sem saber muito o que fazer. Ouvi os passos dela e o som das rodinhas da mala. Acho que é grande pelo barulho que faz. O que será que ela trouxe? Um presente? Brinquedo? Não gosto de ganhar roupa, gosto de brinquedo, a mana também. Eu estava muito querendo saber o que era, mas não conseguia soltar meus joelhos e entrar dentro de casa. Não sei por que não consegui me mexer. Talvez eu fiquei tanto tempo desse jeito que meus braços viraram pedra. Fiquei com medo. Mexi os ombros e meu corpo se mexeu. Ufa. Não sou uma pedra. Ainda bem. Tentei levantar, mas não consegui de novo. Acho que minhas mãos se colaram e por isso não solta. Fiquei com mais medo ainda e tentei me soltar. Caí sentado pra trás e machuquei um pouco quando bati as mãos no chão. Assustei a Vanusa, que resolveu ir ciscar mais no fundo do pátio. Ai. Tirei umas pedrinhas pequenininhas que se enfiaram na minha mão e fiquei com vontade de chorar.

Bem nessa hora tia Vanusa nos chamou da porta da cozinha e nem eu nem Verô respondemos. Acho que a mana estava querendo chorar também, mas não vi se chorou porque ela olhou pro chão se escondendo. A tia veio e se sentou no meio de nós dois. Ficamos um tempão em silêncio. Não sei por que a tia não falou nada, achei que as pessoas grandes sempre sabiam o que falar, mas ela não falou nada. Quem sabe tia Vanusa também seja um pouco criança e também tenha medo igual a gente. Olhei pra ela. Ela estava segurando a mão da mana, olhando a galinha. Não sei se ela sabia o que fazer.

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso a conteúdo exclusivo?


Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

marca-parentese

Abra um parêntese no seu fim de semana com jornalismo e boas histórias. Deixe seu email e receba toda semana as newsletters da revista Parêntese.

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.