Arthur de Faria | Porto Alegre: uma biografia musical

Dante Santoro, o Canário Rio-Grandense (Parte II)

Change Size Text
Dante Santoro, o Canário Rio-Grandense (Parte II) Dante Santoro Dante Santoro gravou muito, com muitas formações diferentes. E, mesmo sendo prolífico compositor, permaneceu a vida inteira fiel a seu primeiro mestre, Octavio Dutra, levando à cera, a cada tanto, músicas do sujeito que o “degenerou” da música erudita para a popular.   Foi assim desde a estreia. Seu primeiro disco, um 78 rpm gravado em 1934 para a gigante RCA Victor, reunia duas valsas octavianas: Saudades do Jango e Beatriz. O Regional de Dante Santoro ainda não existia, e o trio que o acompanha é da pesada: Luperce Miranda no bandolim, mais Manoel Lima e Tute nos violões terçando ornamentos. No mesmo ano, novo disco com o mesmo time e mais uma de Octavio (Nilva), junto à sua estreia como compositor, na quase homônima Hilva.  No ano seguinte, mais quatro discos, sempre para a RCA. Oito valsas e choros – sete deles, composições próprias -, acompanhadas pelo Conjunto Regional Victor. Lindezas como a lírica valsa valsa Gilka ou os choros Não Tem Pra Ti ou Esquecimento. Este último, escrito aos 19 anos, originalmente se chamava Chorinho Gostoso, e tem uma versão que funde à perfeição choro e música de câmara, escrita para uma formação das mais inusitadas: flauta, violino tocado no colo, em pizzicato, cello e contrabaixo. O manuscrito se encontra com a família, mas você pode ouvir uma gravação feita deste arranjo nos anos 1990, num disco produzido por este servidor: As Origens, da série Música de Porto Alegre.  (Quase todos os discos de Dante são escutáveis no site Discografia Brasileira, do Instituto Moreira Salles; já essa gravação de 1993 está em uma das páginas chamadas A Música de Porto Alegre, de Arthur de Faria, no Soundcloud).  Em 1937 são vários discos. Entre eles, um dos que são assinados por Dante Santoro e Seu Conjunto incorpora ao grupo um acordeonista – coisa rara nesse momento. Acaso ou não, soa deveras gaúcho, com uma rancheira (no selo consta: “valsa”) chamada Dores D´Alma (José Bittencourt) num lado e o chotes (no selo: “choro”) É Logo Ali, de Dante, do outro.  Até o começo dos anos 1950 ele lançaria discos com regularidade, às vezes vários num mesmo ano. E ainda que compusesse basicamente temas instrumentais, faria sucesso com algumas canções saídas de sua pena, letradas por parceiros como o irmão Godofredo Santoro ou a poetisa paraense Scylla Gusmão. Canções estas gravadas, entre outros, pelos quatro mais famosos intérpretes masculinos da primeira metade do século XX: Vicente Celestino, Orlando Silva, Sílvio Caldas e Francisco Alves. Como o grande hit Vidas Maltraçadas, escrito em 1943 sob encomenda de um dos principais autores de radionovelas da Rádio Nacional, Giuseppe Ghiarone. Com letra de Scylla, ela viria a ser o maior sucesso do Dante compositor.   Outra parceria com Giuseppe Ghiarone, esta com letra do dramaturgo, é o tema da radionovela Lamento Árabe. O melhor – e possivelmente o único – bolero oriental da história da música brasileira:   PartiuNa caravana da ilusãoQuem tem o ouro do sultãoPra comprar o seu amorFugiu!A tribo inteira entristeceu,Todo o deserto escureceu,O céu de Alá chorou de dor! Da virada da nova década são alguns de seus melhores registros. De 1949 é a versão para […]

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

Dante Santoro Dante Santoro gravou muito, com muitas formações diferentes. E, mesmo sendo prolífico compositor, permaneceu a vida inteira fiel a seu primeiro mestre, Octavio Dutra, levando à cera, a cada tanto, músicas do sujeito que o “degenerou” da música erudita para a popular.   Foi assim desde a estreia. Seu primeiro disco, um 78 rpm gravado em 1934 para a gigante RCA Victor, reunia duas valsas octavianas: Saudades do Jango e Beatriz. O Regional de Dante Santoro ainda não existia, e o trio que o acompanha é da pesada: Luperce Miranda no bandolim, mais Manoel Lima e Tute nos violões terçando ornamentos. No mesmo ano, novo disco com o mesmo time e mais uma de Octavio (Nilva), junto à sua estreia como compositor, na quase homônima Hilva.  No ano seguinte, mais quatro discos, sempre para a RCA. Oito valsas e choros – sete deles, composições próprias -, acompanhadas pelo Conjunto Regional Victor. Lindezas como a lírica valsa valsa Gilka ou os choros Não Tem Pra Ti ou Esquecimento. Este último, escrito aos 19 anos, originalmente se chamava Chorinho Gostoso, e tem uma versão que funde à perfeição choro e música de câmara, escrita para uma formação das mais inusitadas: flauta, violino tocado no colo, em pizzicato, cello e contrabaixo. O manuscrito se encontra com a família, mas você pode ouvir uma gravação feita deste arranjo nos anos 1990, num disco produzido por este servidor: As Origens, da série Música de Porto Alegre.  (Quase todos os discos de Dante são escutáveis no site Discografia Brasileira, do Instituto Moreira Salles; já essa gravação de 1993 está em uma das páginas chamadas A Música de Porto Alegre, de Arthur de Faria, no Soundcloud).  Em 1937 são vários discos. Entre eles, um dos que são assinados por Dante Santoro e Seu Conjunto incorpora ao grupo um acordeonista – coisa rara nesse momento. Acaso ou não, soa deveras gaúcho, com uma rancheira (no selo consta: “valsa”) chamada Dores D´Alma (José Bittencourt) num lado e o chotes (no selo: “choro”) É Logo Ali, de Dante, do outro.  Até o começo dos anos 1950 ele lançaria discos com regularidade, às vezes vários num mesmo ano. E ainda que compusesse basicamente temas instrumentais, faria sucesso com algumas canções saídas de sua pena, letradas por parceiros como o irmão Godofredo Santoro ou a poetisa paraense Scylla Gusmão. Canções estas gravadas, entre outros, pelos quatro mais famosos intérpretes masculinos da primeira metade do século XX: Vicente Celestino, Orlando Silva, Sílvio Caldas e Francisco Alves. Como o grande hit Vidas Maltraçadas, escrito em 1943 sob encomenda de um dos principais autores de radionovelas da Rádio Nacional, Giuseppe Ghiarone. Com letra de Scylla, ela viria a ser o maior sucesso do Dante compositor.   Outra parceria com Giuseppe Ghiarone, esta com letra do dramaturgo, é o tema da radionovela Lamento Árabe. O melhor – e possivelmente o único – bolero oriental da história da música brasileira:   PartiuNa caravana da ilusãoQuem tem o ouro do sultãoPra comprar o seu amorFugiu!A tribo inteira entristeceu,Todo o deserto escureceu,O céu de Alá chorou de dor! Da virada da nova década são alguns de seus melhores registros. De 1949 é a versão para […]

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito