Música | Reportagens

Dona Conceição celebra o afeto e Oxóssi no clipe “Pássaro Azul”

Change Size Text
Dona Conceição celebra o afeto e Oxóssi no clipe “Pássaro Azul” Reprodução: Clipe de Pássaro Azul

Com uma trajetória que inclui trabalhos como educador, ator, performer, realizador audiovisual, roteirista, percussionista e compositor, o músico Dona Conceição lançou hoje (20/1) o clipe de Pássaro Azul, faixa que integra seu primeiro álbum, Asè de Fala (2018).

Gravado na Lomba do Pinheiro, em Porto Alegre, e no quilombo Morada da Paz, em Triunfo (RS), o vídeo lança um olhar para a ancestralidade, religiosidade e musicalidade do artista, com destaque para o protagonismo da tia de Conceição, Lia Mara, referência musical desde a infância dele em Alvorada (RS): “Minha tia não é musicista profissional. É uma mulher do axé que sempre ouvi nos batuques e que moldou o imaginário do Asè de Fala”.

A data de lançamento do clipe não é à toa: 20 de janeiro é dia de Oxóssi, orixá celebrado em Pássaro Azul. “Oxóssi é um caçador que tem respeito pela caça e muito cuidado em relação à família e à comunidade. A relação desse orixá com os seus, ao mesmo tempo que vive certa solidão, representa muito para mim”, explica o músico.

As homenagens de Conceição à tia e a Oxóssi têm o afeto como elemento central. “Falar que a gente precisa de afeto e cuidado pode soar meio batido, mas é tão brutal o que acontece conosco, negras e negros no Brasil, que tocar nesse assunto se torna uma pauta extremamente séria e urgente”, reflete Conceição. “Vivemos num cotidiano de luta e dureza. Quando surge a oportunidade de termos oxigênio para nos sentirmos amparado e respeitados, a gente evolui também”, completa.

Dona Conceição no clipe “Pássaro Azul”

Aos 32 anos, Dona Conceição – nome artístico que John Conceição escolheu para homenagear sua mãe, Dona Vera Regina, e o pai, Carlos Conceição – considera o terreiro de batuque seu berço sonoro. A relação com a música se aprofundou quando ele ingressou, aos 10 anos, no projeto Ouvir a Vida, desenvolvido pela Orquestra Sinfônica de Porto Alegre em parceria com o governo do RS e a prefeitura de Alvorada.

Cerca de quatro anos mais tarde, a iniciativa foi descontinuada, mas deixou um legado. A partir das experiências no Ouvir a Vida, Conceição e dois amigos criaram o projeto Nação Periférica, voltado ao ensino de percussão na periferia de Alvorada entre os anos de 2005 e 2011. “Eram adolescentes dando aula para outros adolescentes. Tinha tudo para dar errado, mas se tornou um dos projetos de educação musical mais conhecidos de Alvorada até hoje. Viajou pelo Brasil e foi apadrinhado pelo AfroReggae no Rio de Janeiro”, recorda Conceição, que coordenou o Nação Periférica dos 14 aos 21 anos.

“Entendi o quanto esses projetos sociais são importantes para que outros meninos e meninas de periferia, como eu, consigam um pleno exercício de cidadania, acreditem nos seus sonhos e tenham condições de realizá-los”, defende o músico e educador.

Ainda envolvido com o Nação Periférica, aos 17 anos Dona Conceição começou a cursar formações de atores com foco no teatro político e popular – entre elas, Ói Nóis Aqui Traveiz, em Porto Alegre, e o Centro de Teatro do Oprimido, no Rio de Janeiro. Na capital fluminense, também atuou como diretor musical do grupo Cor do Brasil e integrou o coletivo de compositores A Cabaça.

“Essas experiências me ensinaram o quanto é importante pensar a arte num contexto mais aberto. Pensar esse lugar de músico e compositor, mas criando imagens e narrativas visuais”, analisa o artista. As experimentações de Conceição o levaram à realização audiovisual. Em 2018, como diretor, roteirista e performer, lançou o curta-metragem A Máquina de Moer Pretos noEncontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul – Brasil, África e Caribe, realizado no Rio de Janeiro.

“A performance registra reações das pessoas ao me verem amarrado em um espaço público. Gerou descobertas muito importantes como diretor e roteirista e alguns problemas de saúde metal”, conta o artista, que encenou a performance registrada no curta na Europa, em Berlim e Paris, e no Brasil, no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Em 2018, Dona Conceição lançou o álbum Asè de Fala, gravado em Porto Alegre, Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador e Amiens (França). A produção, mixagem e masterização ficou a cargo de Wagner Lagemann, do estúdio Na Pedra Redonda. Com nove faixas, o trabalho reuniu 32 participações, incluindo nomes como Dessa Ferreira, Diih Neques Olákùndé, Dionísio Souza (Kiai), Gutcha Ramil, Pâmela Amaro, Paola Kirst e Sirmar Antunes. A faixa Dabudé é uma homenagem de Conceição ao pai, falecido meses antes do lançamento de Asè de Fala.

Em 2020, primeiro ano da pandemia de covid-19, Conceição inscreveu-se no edital Tem Preto no Sul, iniciativa do coletivo Stay Black, de Pelotas (RS), com patrocínio do programa Natura Musical, voltado a artistas negros que atuam no Rio Grande do Sul. O músico foi um dos três contemplados pelo projeto, ao lado de Arlequeen Fenix e 50 Tons de Pretas. O resultado da seleção é o EP Amor e Água, lançado em 2021 com direção musical de João Pedro Cé e também repleto de participações: Bruno Vargas, Estefânia Johnson, Handyer Borba, Luis Ferreira e Lucas Fê.

“Não respeito essa lógica de mercado de como se constitui uma carreira de artista. Estou lançando clipe do primeiro álbum e pensando em outros discos e clipes que não seguem muito uma sequência cronológica. Cada lançamento é um espelho do que estou vivendo”, afirma Conceição, que já está em fase de pré-produção do próximo trabalho musical, que envolve um roteiro de ficção.

O artista planeja novos vídeos a partir do álbum Asè de Fala e do EP Amor e Água. Também deve lançar em 2022 um média-metragem que dá sequência ao projeto audiovisual Figueira Negra, contemplado em 2021 pela Lei Aldir Blanc que conta a história da formação de Alvorada a partir do ponto de vista da população negra da cidade.

Em meio a tantos projetos, uma data já é certa. Em 2 de fevereiro, dia de Iemanjá, às 20h, Dona Conceição celebra um ano de lançamento do EP Amor e Água na Casa de Espetáculos (Rua Visconde do Rio Branco, 691).

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para a sociedade gaúcha sejam abordados: seja nosso assinante.

Reportagens investigativas e de grande importância para a democracia como esta só são possíveis graças ao investimento dos nossos assinantes premium. Além disso, os nossos assinantes premium têm acesso a todo o conteúdo do Roger Lerina, à revista Parêntese, à versão completa da NewsMatinal, a descontos nos nossos cursos e a muito mais. Com o preço de dois cafezinhos por dia você tem mais informação, cultura e ainda ajuda o jornalismo local independente. Assine!
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
RELACIONADAS
PUBLICIDADE