Música | Reportagens

Ialodê celebra trajetórias de cantoras negras e aniversário de POA na CCMQ

Change Size Text
Ialodê celebra trajetórias de cantoras negras e aniversário de POA na CCMQ Ialodê. Foto: Josemar Afrovulto

A Casa de Cultura Mario Quintana celebra os 250 anos de Porto Alegre neste sábado (26/3), às 19h, com um show gratuito do projeto Ialodê. As cantoras Glau Barros, Loma Pereira, Marietti Fialho e Nina Fola levam à Travessa dos Cataventos um repertório que mescla trajetórias e sonoridades.

Ialodê. Foto: Josemar Afrovulto

O projeto – com nome de origem iorubá que significa “mãe da sociedade” – nasceu em meio à pandemia, articulado pela produtora Juba Cultural. Com recursos obtidos por meio da Lei Aldir Blanc, o quarteto gravou seu primeiro show em 2021, no Salão de Atos da PUCRS, ainda sem presença de público devido às medidas de isolamento.

“Foi o primeiro projeto da minha vida em que tive a oportunidade de participar da concepção, montar repertório e buscar o sentido ialodê. A fusão de expressões mostra muito bem o que representa a nossa participação na cultura negra do RS”, destaca Loma, que há 46 anos se apresenta nos palcos do estado.

“Levei o maçambique e os tambores para os festivais nativistas, como pioneira enquanto mulher negra. O público adorou, apesar de muita resistência”, completa a cantora, que é expoente da música nativista e da divulgação da cultura afro-gaúcha do litoral do RS.

Glau destaca a importância da apresentação como parte das comemorações do aniversário de Porto Alegre: “Temos um histórico de pouca visibilidade para a cultura afro-gaúcha, principalmente para as mulheres artistas. Marcar esse território no aniversário da cidade é uma quebra de paradigma”.

“Nós tivemos que correr atrás de referências de mulheres negras. Estamos fazendo história deixando um legado para a atualidade e as futuras gerações”, completa Glau, que além de cantora, é atriz, figurinista e diretora cultural do Clube Social Negro Seis de Maio.

A potência das relações entre diferentes gerações e os esforços para superar a invisibilidade também fazem parte das reflexões de Marietti. “A história foi contada muito por aqueles que tinham o poder da escrita, da divulgação e de oprimir outras verdades que estavam acontecendo. Estamos em um momento que a coisa está se abrindo para nós, pretos. E tenho certeza que toda a estrada que ajudei a construir vai servir para gerações futuras”, conta a artista, que tem mais de 30 anos de carreira, em episódio da série Vozes Negras Importamleia a matéria sobre o projeto.

Doutoranda em sociologia, percussionista e integrante do grupo AfroEntes, Nina ressalta os vínculos de admiração e amizade entre as integrantes do projeto – e a possibilidade de expansão desses afetos: “Fui muito fã de Marietti e Loma, e Glau é minha amiga há mais de 20 anos. É um prazer enorme estar com essas mulheres, com experiências muito diferentes e valiosíssimas. Mas não é só sobre nos quatro, é sobre um legado e a mensagem que queremos deixar”.

Ialodê. Foto: Josemar Afrovulto

As quatro artistas estarão acompanhadas de Handyer Borba, Isaías Luz, Josué Oliveira, Tamiris Duarte e Thayan Martins na apresentação que acontece na Casa de Cultura Mario Quintana. Para Loma, o local do show, no dia em que a cidade completa dois séculos e meio de fundação, é mais um aspecto simbólico da celebração das trajetórias de pessoas negras promovida pelo projeto Ialodê: “Toda a ‘cidade velha’ de Porto Alegre foi construída pelos negros, e o Hotel Majestic não é diferente. E não era só pedreiro, tinha arquiteto e gente de outras especialidades também, mas sempre assinava um homem branco que ganhava os louros e o dinheiro. Os nossos antepassados construíram Porto Alegre, sobretudo o Centro Histórico, onde a cidade começou”.



Show do projeto Ialodê no aniversário de 250 anos de Porto Alegre
Quando: sábado, 26 de março de 2022
Horário: 19h
Onde: Casa de Cultura Mario Quintana (Rua dos Andradas, 736 –  Centro Histórico – Porto Alegre)
Entrada franca

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para a sociedade gaúcha sejam abordados: seja nosso assinante.

Reportagens investigativas e de grande importância para a democracia como esta só são possíveis graças ao investimento dos nossos assinantes premium. Além disso, os nossos assinantes premium têm acesso a todo o conteúdo do Roger Lerina, à revista Parêntese, à versão completa da NewsMatinal, a descontos nos nossos cursos e a muito mais. Com o preço de dois cafezinhos por dia você tem mais informação, cultura e ainda ajuda o jornalismo local independente. Assine!
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
PUBLICIDADE