Matinal, Reportagem

Entidade pró direitos humanos pede abertura de inquérito contra secretário por transferência de biblioteca da Smam

Change Size Text
Entidade pró direitos humanos pede abertura de inquérito contra secretário por transferência de biblioteca da Smam Movimento de Justiça e Direitos Humanos protocolou pedido contra o secretário no Ministério Público

Entidade famosa por defesa dos direitos civis durante a ditadura militar é integrante do Conselho de Meio Ambiente e atribui condutas a Germano Bremm que ferem princípios básicos da administração pública

Publicidade
Publicidade

O Movimento de Justiça e Direitos Humanos protocolou, nesta sexta-feira (12), representações pedindo que autoridades investiguem a conduta do secretário municipal de Meio Ambiente, Germano Bremm, no caso da transferência da biblioteca da Smam. Segundo os representantes da entidade – famosa por sua atuação em defesa dos direitos civis durante a ditadura militar – Bremm agiu em desacordo com os princípios básicos da administração pública ao determinar a mudança de endereço do acervo para o Parque Germânia – um local distante do corpo técnico que o consulta para tomadas de decisões.

“A preservação do acervo da Biblioteca da SMAM conforma interesse público da mais alta relevância. O agir do Representado implica não somente em violações graves aos ditames que norteiam a rotina da Administração Pública Municipal, mas também o risco iminente de graves prejuízos ao patrimônio cultural e social de Porto Alegre, representado por este precioso acervo”, apontam os advogados que assinam os pedidos, protocolados simultaneamente no Ministério Público Estadual e no Ministério Público de Contas.

Além de sublinhar os danos que o traslado da biblioteca poderia significar para o trabalho da secretaria de Meio Ambiente, o MJDH dá especial atenção ao dado errôneo fornecido pela pasta de Meio Ambiente sobre a economia com aluguel que justificaria a troca. Enquanto o discurso oficial informa que o custo com aluguel do Escritório de Licenciamento (que ocuparia o espaço da biblioteca, caso ela seja transferida) é de R$ 150 mil, o contrato de locação traz expresso um valor bem inferior – R$ 66 mil – que ainda por cima é dividido com outra estrutura pública, a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, que não vai sair do local. A informação foi revelada pelo Matinal.

“O falseamento da motivação do ato administrativo, violando a um só tempo os caros princípios da razoabilidade, moralidade e mesmo da legalidade poderia até ser enquadrado como ato de improbidade administrativa”, acreditam os signatários.

“Essa ameaça que paira sobre o precioso acervo da Biblioteca somado ao evidente prejuízo sobre o trabalho dos servidores da SMAMUS representa evidente prejuízo ao Interesse Público atendido pela Biblioteca e sua missão institucional. Impedir que se concretize esse verdadeiro atentado contra o patrimônio público de Porto Alegre é medida que se impõe, de modo que a instauração do Inquérito Civil Público aqui requerida será determinante para impedi-lo”, explicam as peças.

Os advogados anexaram aos processos cartas de seis entidades em defesa da manutenção do espaço em seu atual endereço e reportagens da Matinal que revelaram os planos da prefeitura.

RELACIONADAS

Esta reportagem é financiada pelo investimento de nossos assinantes. Assine o Matinal e ajude-nos a produzir um jornalismo independente e de qualidade.

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.