Matinal News

Capital suspende flexibilizações e tenta evitar segunda onda

Change Size Text
Capital suspende flexibilizações e tenta evitar segunda onda

Com alta em indicadores, Prefeitura vai interromper flexibilização no comércio

O Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus da Prefeitura de Porto Alegre afirmou ontem que fará uma pausa no processo de flexibilização de atividades. A decisão foi motivada pela alta na busca por atendimento de síndrome gripal, um alerta para um possível aumento em outros indicadores, como na taxa de ocupação de leitos em UTI. Embora a prefeitura afirme que há estabilidade no índice geral de ocupação, o número de pacientes internados com quadros graves de Covid-19 na tarde de ontem era de 244 internados, 32 a mais do que duas semanas atrás. É a maior desde 27 de outubro.

A Secretaria Municipal de Saúde reforça o pedido para a população intensificar os hábitos de higienização e respeitar o distanciamento social. Quem apresentar sintomas ou entrar em contato com caso confirmado no trabalho ou em casa deve fazer a testagem em unidades de saúde e pronto atendimentos. 

O alerta vale para todo o Estado. O número de pessoas internadas em leitos clínicos com diagnóstico confirmado de Covid-19 disparou em novembro: de 659 pacientes no dia 2 de novembro para 971 no dia 17, um aumento de 47,3%. Os casos suspeitos também crescem: aumentaram 30,9% no mesmo período. Tudo isso pode refletir em alta na ocupação de leitos de UTI nos próximos dias.

A piora geral no cenário epidemiológico culminou na confirmação de sete regiões em bandeira vermelha nesta semana, o que preocupou o setor de eventos. Empresários da área de shows e encontros corporativos, que já têm programação confirmada para o fim do ano, temem um retrocesso na recente retomada dos negócios. Já no varejo, apesar de diversas demandas terem sido atendidas na Capital, como a abertura aos domingos, o movimento não é satisfatório. De olho no Natal, os comerciantes apostam no pagamento do 13º para melhorar as vendas.


O que mais você precisa saber

Melo e Manuela divergem em propostas no debate – Sebastião Melo (MDB) e Manuela D’Ávila (PCdoB) travaram o primeiro debate do segundo turno, na Rádio Gaúcha. Foi uma oportunidade para avaliar divergências em temas como revisão do IPTU, futuro da Carris – em que ficou clara a divergência sobre a possibilidade de privatização –, planejamento urbano e transporte público – tema em que Manuela defendeu subsídios à passagem, enquanto Melo rechaçou que haja dinheiro para colocar no setor. Quanto à pandemia, mais divergência: enquanto Manuela disse que quer agir desde a transição e que visa a gestão da vacina, Melo revelou que pretende aguardar o governo federal e, tal como o presidente Jair Bolsonaro, se posicionou contra a vacinação obrigatória. Mas houve convergência: ambos se colocaram contra o projeto da Mina Guaíba. Hoje, às 22h30, os candidatos voltam a se encontrar para mais um debate, na Band. 

PSDB decide pela neutralidade na Capital – Em reunião realizada ontem pela manhã, o PSDB seguiu o prefeito Nelson Marchezan Júnior e decidiu pela neutralidade no segundo turno em Porto Alegre. A executiva justificou a decisão de liberar seus militantes dessa forma pela “distância de visão de Estado em relação a uma das propostas, e a profunda divergência com as condutas e com os meios que viabilizaram a outra candidatura escolhida pela população”. Já o PDT, que irá acompanhar Manuela, exigiu que a candidatura da comunista se comprometa com 12 pontos – uma referência não acidental ao número do partido. Presidente nacional do PDT, Carlos Lupi reconheceu que parte da militância defendia a neutralidade ou o apoio a Sebastião Melo (MDB) – de quem Juliana Brizola foi colega de chapa em 2016. Para a decisão de agora, pesaram os novos aliados do emedebista: “Existia a relação anterior com o Melo, claro. Mas ele mesmo ajudou demais nossa posição quando colou no Bolsonaro. Ajudou de verdade”. 

Servidores devem devolver auxílio emergencial – Os cerca de 3,3 mil servidores do Rio Grande do Sul que receberam irregularmente o auxílio emergencial terão que devolver o dinheiro por meio de descontos na folha salarial. A obrigação vem do projeto de lei complementar aprovado ontem na Assembleia Legislativa por 47 votos a zero. A proposta, de autoria da Procuradoria-Geral do Estado, foi motivada por um levantamento da Controladoria-Geral da União, que cruzou os nomes dos beneficiados com os pensionistas, aposentados e funcionários públicos na ativa no Estado. Criado durante a pandemia, auxílio beneficia trabalhadores autônomos ou desempregados. Além dos casos de má-fé, há também erros do sistema que fizeram depósitos indevidamente. Contudo, todos os valores devem ser ressarcidos integralmente, com acréscimo de 1% de juros, e repassados à União. O governo deve abrir uma sindicância para apurar responsabilidades.

Outros links:


Cultura

Documentário “Babenco” disputa vaga ao Oscar 2021

Foto: HB Filmes/Divulgação

Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais anunciou que o documentário Babenco: Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou, dirigido por Bárbara Paz, vai representar o Brasil na disputa por uma vaga na categoria Melhor Filme Internacional, do Oscar 2021. “Queria deixar ele num lugar na arte que ele merecia. Que as pessoas conhecessem esse homem. Foi dolorido, mas ao mesmo tempo foi uma missão pra mim. Desse amor congelado na tela. Você assiste ao filme e entende o amor pelo cinema, o amor por esse homem, o amor desse homem pelo cinema, o amor desse homem pela vida e a nossa relação de amor”, contou a diretora do filme em entrevista a Roger Lerina publicada em janeiro. Relembre.


Agenda (🔒)

Para receber todas as dicas culturais do Roger Lerina enviadas aos assinantes premium do Matinal, assine aqui.

A banda Lautmusik apresenta-se às 21h na nona edição virtual do Ocidente Acústico.

Após oito meses de portas fechadas devido à pandemia, o Museu Julio de Castilhos reabre hoje, com visitação controlada, inaugurando a exposição Narrativas do Feminino.

E mais.

Receba a agenda completa


Você viu?

No auge da pandemia, a inquietação de mulheres que escrevem mas não são lidas motivou autoras a criar um espaço para publicação. Por meio da convocatória “Todas Escrevemos”, feita em junho e julho por Camila, Rita, Iasmin, Francielle e Brenda, chegaram quase 170 textos entre contos, crônicas e poesias, só de escritoras mulheres. Com a procura, as organizadoras planejaram formações para escrita e desenvolveram um site para colocar no ar suas histórias. A plataforma “Todas Escrevemos” será lançada hoje, às 20h, no perfil do Instagram Fora da Casa. Quer saber mais sobre o projeto? Entre contato pelo e-mail [email protected].

RELACIONADAS
Inscreva-se no ZapMatinal

Receba todas as manhãs um boletim com as principais notícias sobre Porto Alegre e o RS pelo WhatsApp. Além da mensagem em texto, o ZapMatinal traz também uma versão em áudio.

Ou ouça na sua plataforma de streaming favorita

O matinal
PRECISA
de você

Precisamos bater a meta do nosso crowdfunding para seguirmos ativos em 2021

O matinal
PRECISA
de você

Precisamos bater a meta do nosso crowdfunding para seguirmos ativos em 2021

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.