Reportagem

Efeitos de eventos extremos são agravados por vulnerabilidades locais, diz climatologista

Change Size Text
Efeitos de eventos extremos são agravados por vulnerabilidades locais, diz climatologista "Os desastres acontecem quando temos eventos extremos e vulnerabilidades locais", diz Karina. Foto: Giulian Serafim/PMPA

O Rio Grande do Sul está localizado em uma região do planeta especialmente habituada a eventos climáticos extremos. Entre o calor do Brasil tropical e o ar polar da Antártida, não é incomum que os ares desses territórios se encontrem aqui – colisões que não raro resultam em tormentas. 

Foi o que aconteceu na última semana de abril: ao sul, uma potente massa de ar frio entrava pela Argentina. Com seu ápice estacionado na altura da província de Buenos Aires, chegava até a faixa central do Rio Grande do Sul. Um domo de ar tórrido e seco, por outro lado, pairava sobre o sudeste brasileiro, com um corredor de ventos úmidos oriundos da Amazônia a ultrapassá-lo pelo centro do continente, através do Paraguai, em direção ao oeste gaúcho. 

Essa divergência atmosférica deu condições para a formação de um “sistema em V”, que produziu sucessivas tempestades no estado, de oeste para leste, sobretudo na faixa central do Rio Grande do Sul ao longo de dias a fio. Esse evento teve as “impressões digitais” do fenômeno El Niño. Embora os aguaceiros não sejam novidades no clima gaúcho, a magnitude das chuvas é potencializada pelas mudanças climáticas.

Para falar sobre os padrões meteorológicos do Rio Grande do Sul, e como eles mudam com o aquecimento global, a Matinal conversou com a climatologista Karina Bruno Lima, doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFRGS. Ela é divulgadora científica nas redes sociais e fala sobre mudanças climáticas e meio ambiente.

Karina: “Atmosfera e oceano mais quentes geram mais energia para eventos se tornarem mais extremos”. Foto: Arquivo pessoal

Quais peculiaridades climáticas, de latitude, tornam o Rio Grande do Sul especialmente vulnerável a eventos meteorológicos extremos?

É uma região de encontro de massas tropicais e polares e também muito afetada pela oscilação chamada “ENSO” (El Niño e La Niña). Enquanto a La Niña tem a tendência de favorecer secas no estado, o El Niño favorece mais chuvas. Além disso, também é comum a formação de ciclones extratropicais no Atlântico Sul, que podem chegar próximos à nossa costa. 

Com o aquecimento global, qual a perspectiva de mudança em nossa região? 

Com o aquecimento global antropogênico, os eventos extremos se tornam mais frequentes e intensos, ou seja, mais prováveis e com maior potencial destrutivo, podendo ser agentes deflagradores de desastres. Até mesmo os impactos de um fenômeno natural como o ENSO são potencializados pelo aquecimento global.

Esse desastre ocorreu devido a uma junção de fatores: com o bloqueio atmosférico devido a uma massa de ar quente no Brasil central, os sistemas que chegavam pelo sul não conseguiam avançar. O El Niño também intensificou o corredor de umidade que vem da Amazônia, que chamamos de Jatos de Baixos Níveis, então toda essa umidade ficou presa sobre o Rio Grande do Sul. Tudo isso intensificado pelo aquecimento global antropogênico, pois atmosfera e oceano mais quentes geram mais energia para eventos se tornarem mais extremos.

Como o Rio Grande do Sul pode se adaptar a esse novo clima? 

Os desastres acontecem quando temos eventos extremos e vulnerabilidades locais. No que tange aos eventos extremos, precisamos mitigar as mudanças climáticas, ou seja, frear e estabilizar o aquecimento global até para conter a escalada de frequência e intensidade desses eventos.

Já para diminuir as vulnerabilidades locais, são necessárias medidas de adaptação climática que nos tornem mais resilientes às ameaças. E esse é o agir local, as esferas municipal e estadual são essenciais para a implementação de medidas conforme as necessidade locais – e, levando em conta que elas não podem mais ser nos moldes de como eram, feitas para um clima não existe mais. Precisamos nos adaptar às mudanças climáticas que já temos e que ainda teremos.

Considerando que uma parcela muito grande da população (mais ou menos 40% na região metropolitana) vive em áreas alagáveis, outra parte significativa fica em locais sujeitos a deslizamentos. Como se pode responder localmente a um fenômeno global como a mudança climática?

É uma questão ética que o poder público trabalhe pela segurança e bem-estar da população, mas mesmo do ponto de vista econômico é racional investir em prevenção: segundo a United Nations Office for Disaster Risk Reduction (UNDRR), cada dólar investido em prevenção e redução de risco, pode economizar 15 dólares em recuperação pós-desastre. Ou seja, custa muito mais caro remediar.

A legislação ambiental não pode continuar sendo afrouxada e destruída, pois a recuperação dos biomas é parte fundamental. A crise climática precisa ser vista como prioridade, afinal, é o maior desafio da humanidade e perpassa todas as áreas de nossas vidas. Governantes precisam ouvir os alertas da ciência e trabalhar urgentemente em mitigação e adaptação. 

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para o interesse público da nossa cidade sejam abordados: apoie-nos financeiramente!

O que nos permite produzir reportagens investigativas e de denúncia, cumprindo nosso papel de fiscalizar o poder, é a nossa independência editorial.

Essa independência só existe porque somos financiados majoritariamente por leitoras e leitores que nos apoiam financeiramente.

Quem nos apoia também recebe todo o nosso conteúdo exclusivo: a versão completa da Matinal News, de segunda a sexta, e as newsletters do Juremir Machado, às terças, do Roger Lerina, às quintas, e da revista Parêntese, aos sábados.

Apoie-nos! O investimento equivale ao valor de dois cafés por mês.
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
RELACIONADAS
;

Esqueceu sua senha?

ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.