Reportagem

Consun elege comissão para analisar pedido de destituição da reitoria da UFRGS

Change Size Text
Consun elege comissão para analisar pedido de destituição da reitoria da UFRGS Consun analisará pedido de destituição do reitor e da vice-reitora da UFRGS | Foto: Divulgação

Grupo avaliará pedido assinado por 39 professores da universidade

O Conselho Universitário da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Consun) deu andamento ao pedido de destituição da atual reitoria. Em reunião ordinária na última sexta-feira, dia 28 de abril, o colegiado, que é a instância máxima da UFRGS, elegeu uma comissão especial para tratar do caso. Um parecer deve ser conhecido em cerca de três meses.

Publicidade

Protocolado em março, o documento foi assinado por 39 professores da UFRGS. A argumentação aponta desde falhas administrativas até alinhamento com a extrema direita. De acordo com a secretaria do Consun, o novo pedido de destituição não chegou a ser discutido pelo plenário do Conselho, que é formado por integrantes da comunidade acadêmica. A comissão especial é paritária e conta com três docentes, três discentes e três técnicos/administrativos, todos integrantes do órgão. Os nomes serão oficializados em documento a ser publicado pelo Consun. 

O parecer elaborado pelo grupo será  votado pelo plenário. Caso haja definição pela destituição, o pedido será encaminhado ao Ministério da Educação, que tem a palavra final. 

O atual mandato do reitor Carlos Bulhões e da vice Patrícia Pranke vai até setembro de 2024. Eles estão à frente da UFRGS desde 2020, quando foram nomeados pelo então presidente Jair Bolsonaro, que desrespeitou a vontade da comunidade acadêmica, ainda que não tivesse a obrigatoriedade de segui-la. A consulta interna havia apontado outras duas chapas à frente da candidatura de Bulhões. 

Bulhões e Pranke já foram alvo de um outro pedido de destituição, que chegou a ser aprovado pelo Consun em 2021, mas, posteriormente, arquivado pelo MEC.

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para o interesse público da nossa cidade sejam abordados: apoie-nos financeiramente!

O que nos permite produzir reportagens investigativas e de denúncia, cumprindo nosso papel de fiscalizar o poder, é a nossa independência editorial.

Essa independência só existe porque somos financiados majoritariamente por leitoras e leitores que nos apoiam financeiramente.

Quem nos apoia também recebe todo o nosso conteúdo exclusivo: a versão completa da Matinal News, de segunda a sexta, e as newsletters do Juremir Machado, às terças, do Roger Lerina, às quintas, e da revista Parêntese, aos sábados.

Apoie-nos! O investimento equivale ao valor de dois cafés por mês.
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
RELACIONADAS
;

Esqueceu sua senha?

ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.