Reportagem

História da Havan mostra desrespeito ao meio ambiente e à legislação local

Change Size Text
História da Havan mostra desrespeito ao meio ambiente e à legislação local Foto: loja da Havan em Caxias marcou o início da expansão da rede subjugando normas ambientais. Créditos: Divulgação

Licenciamento ambiental acelerado e a pressão sobre autoridades, padrões utilizados pelo grupo na instalação de empreendimentos anteriores, se repetem agora em Canoas

Por Júlia Ozorio, Nicole Goulart, Rafael Pereira, Eduarda Stefenon e Valentina Bressan*
Edição de Naira Hofmeister

LEIA A PARTE 1 E A PARTE 3 DESTA REPORTAGEM

Não é apenas em Canoas que a Havan está envolta em polêmicas relacionadas ao licenciamento acelerado e desrespeito ao meio ambiente na instalação de suas lojas.

“O meio ambiente é o câncer do país”, afirmou o empresário Luciano Hang, dono das lojas Havan, na Câmara de Vereadores de Joinville, em Santa Catarina, durante uma reunião da Comissão de Finanças da Casa, em 2019. Na ocasião, Hang e outros empresários criticaram o licenciamento ambiental e afirmaram que a população quer empreendimentos acelerados para gerar empregos rapidamente.

No mesmo mês, Hang havia publicado um vídeo em suas redes sociais criticando a demora nos licenciamentos ambientais para a instalação de uma loja da Havan naquela cidade. A demora aconteceu porque a área foi alvo de ação do Ministério Público de Santa Catarina (MP/SC), que desconfiava que o empreendimento havia aterrado curso hídrico e nascente cuja existência foi indicada por levantamentos hidrográficos aéreos anteriormente.

O parecer do MP atestou que o local teria sofrido aterramento clandestino, preparando, assim, a área para grandes empreendimentos e, por isso, o órgão resolveu barrar o prosseguimento da obra até o término das apurações. Diante disso, o empresário gravou um vídeo, distorcendo os fatos e colocando a população contra os órgãos licenciadores, afirmando que a legislação dificultava o crescimento econômico da cidade.

Esse tipo de conduta se tornou um padrão onde a Havan se instala, mas começou no Rio Grande do Sul, em 2018, com a instalação das primeiras lojas do grupo, em Passo Fundo e Caxias do Sul. A Havan exigiu que os órgãos “desburocratizassem” as leis ambientais e trabalhistas, liberando cargas de trabalho aos domingos e feriados para os funcionários, e acelerando o licenciamento ambiental. “Eu estou apresentando as duas primeiras cidades [onde quero abrir lojas]. Agora, dependerá delas. Já conversei com os prefeitos. Quem entregar o alvará mais rapidamente, será o primeiro”, disse Hang, segundo reportagem de GZH.

Em Lajeado, a Havan vai se instalar sobre uma área de preservação permanente. O grupo escolheu um terreno que chega até as margens do rio Taquari, afluente do Jacuí que deságua no Guaíba. “A Havan aterrou uma parte da área para a loja ficar mais alta, mas mesmo assim continua localizada em área de preservação permanente, por causa do rio Taquari e da mata ciliar”, denuncia Eduardo Luís Ruppenthal, biólogo, especialista em Biodiversidade e Meio Ambiente (UERGS) e em Desenvolvimento Rural (PGDR/UFRGS).

A prefeitura da cidade ainda abriu uma rua lateral para facilitar o acesso à nova loja, suprimindo a mata nas margens do rio, o que é proibido. “A prefeitura é muito conivente, né? Abriram a rua no meio do restinho da Mata Atlântica que tem nas margens do rio. É um grande crime”, ressalta o especialista.

Em Viamão e em Santa Maria, a Havan está sendo investigada pelo Ministério Público por provocar problemas ambientais. No primeiro caso, a denúncia afirma que a loja teria se instalado no município sem licença da Secretaria Municipal do Meio Ambiente. No segundo, teria aberto uma vala, durante a construção da loja, que causou a supressão vegetal nativa em uma área de preservação permanente (APP).

Em Porto Alegre, a prefeitura concedeu benefícios para a loja, acelerando os licenciamentos ambientais do empreendimento, segundo reportagem do Jornal do Comércio. Em Campo Grande, no Mato Grosso, e em cidades catarinenses, o grupo também está sendo investigado pelo Ministério Público por irregularidades ambientais.

Pressão levou à demissão de presidente do Iphan

Já em Rio Grande, a equipe de arqueólogos contratada pela própria Havan recomendou paralisar a obra porque foram identificados sítios arqueológicos, representando rico patrimônio cultural no local. A obra parou, e por conta disso, o empresário Luciano Hang gravou um vídeo e publicou em suas redes sociais ameaçando o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que é responsável por fiscalizar casos assim.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) aderiu à campanha e comentou o caso, apoiando a narrativa de Hang. A pressão causada pelo empresário levou a ex-presidente da instituição, Katia Bogéa, a deixar o cargo. O desrespeito aos sítios arqueológicos representa um crime contra o patrimônio e a memória nacional, segundo a legislação brasileira.

Em Canela, a instalação da estátua símbolo da loja infringe o Plano Diretor da cidade. Houve protestos e abaixo-assinado condenando o desrespeito à lei, mas a Câmara de Vereadores aprovou um projeto de lei especial que concedeu ao empreendimento o direito de prosseguir com a construção. Mais uma vez, o dono da Havan fez um vídeo com ataques, dessa vez direcionados ao presidente do núcleo local do Instituto dos Arquitetos do Brasil, Humberto Hickel, que iniciou o abaixo-assinado. O IAB-RS emitiu uma nota de apoio ao profissional.

​Além de acelerar a questão documental e licenciatória, o grupo também é conhecido por construir lojas em períodos de 60 a 90 dias — e a pressa muitas vezes coloca em risco vidas humanas. Em Erechim, uma estrutura de concreto pré-moldado desabou sobre o térreo do canteiro de obras, matando um dos funcionários da obra e deixando outro com ferimentos graves. Auditores-fiscais do trabalho embargaram a obra da loja em razão do risco de futuros desabamentos e mortes.​

A reportagem solicitou um posicionamento da Havan sobre estes casos, mas a assessoria de imprensa do grupo não respondeu até o fechamento desta reportagem. 

* Reportagem produzida para a disciplina de Ciberjornalismo III do curso de Jornalismo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, ministrada por Marcelo Träsel.

Leia mais

PARTE 1 – Instalação da Havan em Canoas abre caminho para o fim da última grande área verde no centro da cidade


PARTE 3 – Canoas tem histórico de descaso com o meio ambiente em favor da economia

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para a sociedade gaúcha sejam abordados: seja nosso assinante.

Reportagens investigativas e de grande importância para a democracia como esta só são possíveis graças ao investimento dos nossos assinantes premium. Além disso, os nossos assinantes premium têm acesso a todo o conteúdo do Roger Lerina, à revista Parêntese, à versão completa da NewsMatinal, a descontos nos nossos cursos e a muito mais. Com o preço de dois cafezinhos por dia você tem mais informação, cultura e ainda ajuda o jornalismo local independente. Assine!
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
RELACIONADAS

Esta reportagem é financiada pelo investimento de nossos assinantes. Assine o Matinal e ajude-nos a produzir um jornalismo independente e de qualidade.

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.