Matérias, Matinal

Três fatores para Porto Alegre ter uma das cestas básicas mais caras do Brasil

Change Size Text
Três fatores para Porto Alegre ter uma das cestas básicas mais caras do Brasil Padrão de consumo do gaúcho tem impacto no preço da cesta básica, que também é afetada pelos impostos cobrados no Estado (Foto: Mehrad Vosoughi / Pexels)

Tradição pelo consumo de carne acaba pesando no bolso do consumidor gaúcho

Que Porto Alegre tem uma das cestas básicas mais caras do Brasil – e recorrentemente ficando em primeiro lugar nesse ranking – já não é novidade. E, pudera, o conjunto de alimentos necessários para o mês também vem tendo uma aceleração de valor acima da média na comparação com outras grandes cidades do Brasil. Deixando o economês de lado, o Matinal levantou três pontos que explicam o porquê de comer na capital gaúcha costuma ser mais salgado do que no resto do Brasil.

Antes, contudo, vamos entender o contexto atual do preço da cesta básica.

Cesta mais cara e uma das que mais inflacionou 

Em setembro, Porto Alegre teve a segunda cesta básica mais cara entre todas as capitais do país, segundo dados do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). A capital gaúcha havia tido o preço mais alto do Brasil em agosto, e viu São Paulo alcançar o posto neste mês. Pelos últimos cálculos, o aumento mensal em Porto Alegre foi 1,16%, o nono maior entre as 17 cidades analisadas, fazendo o preço chegar a 66% do salário mínimo. Em 12 meses, o custo do grupo de alimentos básicos para um cidadão porto-alegrense já aumentou 21,62%, a terceira maior variação entre as capitais, atrás apenas de Brasília (38,56%) e Campo Grande (28%). Na outra ponta, o menor aumento aconteceu em Salvador (4,25%), seguido por Recife (5,4%) e Aracaju (6,3%)

Para Daniela Sandi, técnica do Dieese, produtos naturais, como batata e tomate, têm sua produção muito impactada por questões sazonais, como clima, safra e ciclos de produção mais curtos, o que ajuda a explicar o aumento acentuado.

O cenário econômico atual também afeta no preço da carne, ainda que 2021 deva ter a menor taxa de consumo no Brasil em 25 anos. De acordo a Companhia Nacional de Abastecimento, isso se deve ao sucesso das exportações e a inflação nos insumos. “A baixa oferta de animais para abate no campo, e o desempenho recorde das exportações, impulsionado pelo aumento da demanda, em especial para a China, somada à desvalorização do câmbio e à valorização das commodities, resultou no encarecimento dos preços no mercado doméstico. Os altos custos dos insumos, como farelo de milho e soja, também têm influenciado no preço médio do produto”, explica Sandi. 

Ponto 1) Aumento do preço da carne é ainda mais impactante para os gaúchos

O dado é especialmente importante em Porto Alegre, porque a cesta básica do Dieese é diferente em cada região, variando conforme os hábitos alimentares de cada uma. Na capital gaúcha, a cesta básica é composta por 6,6 kg de carne, enquanto estados como Pernambuco, Bahia e Amazonas têm um valor-base de 4,5 kg.

Ponto 2) O ICMS gaúcho

Há ainda a questão tarifária. Com um ICMS médio maior do que grande parte dos Estados, os custos no Rio Grande do Sul tendem a ser mais altos. “Esse é outro elemento que pode ajudar a explicar. Atravessando o Mampituba (rio que separa o Rio Grande do Sul de Santa Catarina), a gasolina é mais barata. Os Estados têm diferentes taxas de ICMS sobre o combustível, e essas pequenas diferenças têm impacto em uma cadeia de grande escala”, avalia o economista Ely Mattos, professor da Escola de Negócios da PUCRS. Ele também afirma que o fato de o Rio Grande do Sul ter uma renda média maior do que a maioria dos Estados faz com que haja uma pressão da demanda nos preços. 

Ao menos neste ponto, há um sinal de alívio para os próximos meses. Em setembro, o governador Eduardo Leite encaminhou à Assembleia o projeto de Lei Orçamentária Anual, no qual prevê a redução das alíquotas do tributo. O Legislativo tem prazo legal de até 30 de novembro para apreciar a matéria e devolvê-la para sanção.

Ponto 3) Salário mínimo perdeu valor em todo o Brasil

De acordo com Mattos, no entanto, mais do que o aumento no valor, é necessário analisar o impacto da cesta básica no salário mínimo. O cálculo também é feito pelo Dieese, que se baseia no valor da cesta básica mais cara do país (no caso, a de Porto Alegre) e divulga o valor do “salário mínimo ideal”, que seria suficiente para suprir as necessidades de uma família de quatro pessoas.

Em 10 anos, exemplifica Mattos, o salário mínimo ideal foi de um valor que representava 4,2 vezes o valor real (o cálculo de salário mínimo ideal do Dieese em 2011 era de R$ 2.278,77 em relação a um salário mínimo real que era de R$ 545 à época) para um valor que é mais de 5 vezes maior do que o valor real (R$ 5.657,66 nos cálculos de setembro de 2021, em relação ao salário mínimo atual, de R$ 1.100). Ou seja, o dinheiro passou a valer menos. “Isso é uma informação potente, porque retrata uma perda importante do salário mínimo”, avalia o economista.

RELACIONADAS

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito