Memória

Modos heroicos de ser em Porto Alegre (II)

Change Size Text
Modos heroicos de ser em Porto Alegre (II)

Uma série do livro de Leonardo Antunes

A sinceridade do gaúcho é mesmo assombrosa – mais assombrosa ainda pela naturalidade com que é recebida pelos demais gaúchos. Coisa que, em outro lugar, resultaria em tiro, briga ou no mínimo rompimento permanente de todo contato com uma pessoa, aqui, é matéria-prima para a educação civil.

Esta semana a Diandra escutou da fisioterapeuta um causo muito bom nesse sentido. 

“Faz quanto tempo que você está com essa dor?”

“Quase dois meses.”

A médica assentiu em silêncio, rindo baixinho por um momento, e depois emendou:

“Meu esposo, que também é físio, costuma falar um negócio engraçado para os pacientes dele nessa situação.” 

“Ah, é?”

“Uhum. Na verdade, ele ouviu primeiro de um dentista e resolveu adotar a tirada. Ele chegou no consultório com uma dor de dente terrível. Então, o dentista perguntou quanto tempo fazia que ele estava com dor. ‘Três meses’, ele respondeu. O dentista deu uns tapinhas nas costas dele e disse: ‘Três meses com dor? Não te preocupa. Tu não é burro. Tu só é ignorante. A gente vai resolver isso aí.’”

Esta história também é um exemplo da máxima cortesia do gaúcho: em vez de chamá-lo de burro logo de cara, ele conta um causo em que alguém bateu cabeça com um problema semelhante e, por isso, foi chamado de burro.

É homérico a ponto de causar inveja até no velho Nestor.


Leonardo Antunes é poeta, tradutor e professor de língua e literatura grega na UFRGS. Publicou, entre outros, Édipo Tirano, tradução da clássica tragédia de Sófocles pela editora Todavia. O livro que deu origem a esta séria se chama Diários de um paulista em Porto Alegre e vai ser lançado por ocasião dos 250 anos da capital gaúcha, em março de 2022.

ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito