Memória

Pênaltis

Change Size Text
Pênaltis Jon Candy/Wikimedia Commons

Primeiros anos da década que recém começara, com expectativas mil na área da política e apenas alguns anos para entrarmos num novo milênio. Ainda não tinha carros e skates voadores, a Seleção Brasileira de Futebol tinha sido eliminada pela Argentina na Copa de 1990, O Silêncio dos Inocentes e o Exterminador do Futuro 2 chegavam às telas dos cinemas, o grunge tomava corpo como tendência de moda e música, Jorge Ben (depois Jor) voltava as paradas com “W/Brasil” e Daniela Mercury alavancava a axé music. Tudo isso não era nada frente à expectativa de jogar uma bola. E no Infantil das categorias de base do Sport Club Internacional, passando pro Juvenil, comecei a constatar que lá eu perdia muito do prazer de jogar bola como eu jogava com os amigos, e nas peladas com gente desconhecida, mesmo as mais pegadas, competitivas, por alguma medalha barata, ou mesmo pela honra e pelo prazer de fazer um golaço, ou um gol chorado, um drible desconcertante, um domínio de bola perfeito. O tipo de entendimento futebolístico da escolinha, com viés e perspectiva profissional, começou a ser um fardo pra mim. Um dilema.

Já na categoria Infantil o processo de “profissionalização” começa a criar um corpo, seja no tipo de treinamento, seja na ideia de postura de atleta, seja no estimulo mercadológico de despontar cedo, ir jogar na Europa e ser um profissional bem sucedido. Pra isso teria que seguir a disciplina que o esporte exige, mas sobretudo a adequação a um sistema. 

Acontece que existem várias variantes nesses processos humanos e sociais. E esse entendimento entre disciplina esportiva, tática, técnica, psicológico, ética, e a disciplina de seguir mandamentos intrínsecos ao futebol enquanto negócio econômico e o confronto de guerra, a coisa fica nebulosa. Na verdade as duas coisas se chocam. E claro que só na minha fase adulta, e muito mais quando cursei Licenciatura em Música, pude perceber que não tinha um senso co-educacional na prática. E não se valer do esporte como elemento educacional é uma lástima, e um desserviço à sociedade que muitas instituições e muitos adultos insistem em praticar. Pode até ser que tenha nas diretrizes burocráticas dos clubes, num arquivo. Mas na prática, crianças e adolescentes não eram conduzidas a uma boa prática do esporte. 

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

RELACIONADAS
ASSINE O PLANO ANUAL E GANHE UM EXEMPLAR DA PARÊNTESE TRI 1
ASSINE O PLANO ANUAL E GANHE UM EXEMPLAR DA PARÊNTESE TRI 1

Esqueceu sua senha?

ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.