P, de Poesia

Sobre Novembro Negro

Change Size Text
Sobre Novembro Negro

Porque a gente é, também

Aquilo que esquece, aquilo

Que outros lembram

Sem pedir licença

Um dia eu disse: deus,

Tô ainda dentro desse corpo?

Ele também esquece.

Eu sou aquilo que inventam sobre mim,

Que inventam quando me veem, o que negam quando

Me perguntam se aquele dormindo no banco amarelo

Encardido sou eu. Ambos, lá fora, me atravessam.

Sou o descanso de mim, repouso de meu próprio nome

Sou meus avós, os Lúcios, Ivones

Os que nem nasceram ainda.

A gente nunca esquece de nascer. Nunca.


Marcelo Martins Silva é escritor, professor de Português e percussionista (repinique) no carnaval. Lançou “A matéria inacabada das coisas”, poesia, pela editora Diadorim. Também escreveu o folhetim Mil manhãs semelhantes, publicado na Parêntese

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito