Artes Visuais, Notas

Projeto CASCO divulga primeiras obras de arte

Change Size Text
Projeto CASCO divulga primeiras obras de arte Cena do vídeo “Levante” (2021), de Arthur L. do Carmo, gravado em Terra de Areia. Foto: Arthur L. do Carmo/Divulgação

A primeira edição do CASCO – Programa de Integração Arte e Comunidade está movimentando pequenas comunidades no litoral norte do Rio Grande do Sul. Depois de quatro semanas de muita pesquisa e reflexão, os 12 artistas que participam do projeto estão finalizando obras de arte em diálogo com as paisagens e a cultura dos habitantes da região. 

Devido ao momento crítico da pandemia, muitos artistas optaram por apresentar seus trabalhos em fotografias e vídeos para evitar aglomerações. É o caso do porto-alegrense Dirnei Prates, que criou um conjunto de três vídeos projetados simultaneamente. A obra aponta a relação ambivalente do distrito de Santa Luzia com a instalação da Petrobrás, sobrepondo imagens de um passado marcado por uma promessa de futuro e um presente afetado pelos efeitos contraditórios da modernização. 

Daniel Caballero, Junco, taboa e tiririca, residente do distrito de Aguapes

O paulista Daniel Caballero está montando uma espécie de museu temporário, o “Museu Passageiro do Artesanato Regenerativo do Banhado de Aguapés”. O artista instigou moradores da região a debater sobre a relação que se dá entre riquezas ameaçadas: a vegetação e a artesania típica de Aguapés, um distrito de Osório.   

Instalada em Três Forquilhas, a catarinense Teresa Siewerdt tem realizado uma série de imagens reveladas através da técnica de cromatografia. Em contato com o dia-a-dia de pequenos produtores rurais, Teresa registrou o solo de cada lavoura que visitou e coletou relatos que nos aproximam da relação entre o agricultor e sua terra. 

Ali perto, em Itati, Pablo Paniagua, natural de Giruá (RS), está construindo uma escultura de cerâmica que alude ao Rio Três Forquilhas. Composta por pequenos módulos feitos a partir do barro recolhido nas próprias margens do rio, ela já passa de cinco metros de comprimento. 

Em Terra de Areia, o curitibano Arthur L. do Carmo realizou a performance “A cada 100 passos uma pedra (As pedras nunca sorriram. E tu vais dizer que é passado)”, caminhando da BR-101 até o rio Cornélios. O percurso é como um retorno à história do município, que nasceu nas margens do rio e cresceu até a árida rodovia. Em outra obra, o artista filma sua tentativa de reconstruir uma árvore, cortada e já morta. 

As mineiras Carolina Cordeiro (Belo Horizonte, MG) e Charlene Bicalho (João Monlevade, MG) estão em diálogo com diferentes comunidades de Maquiné. Enquanto Carolina está focada nos atravessamentos entre a cultura ocidental e a Guarani, Charlene se aproxima da história do Quilombo Morro Alto, que luta há mais de 15 anos pela regularização do seu território pelo Incra. 

Na Barra do Ouro, também em Maquiné, a pelotense radicada em São Paulo, Fabiana Faleiros, realizou um conjunto de ações performáticas a partir da semente Lágrima de Nossa Senhora e sua simbologia. 

“a-matéria”, 2021, Tomaz Klotzel, artista residente do distrito da Borussia, Osório. Foto: Tomaz Klotzel/Divulgação

Publicidade
Publicidade

Viabilizado com recursos da Lei Aldir Blanc (Lei nº 14.017/2020), o CASCO tem como objetivo aproximar artistas visuais de pequenas comunidades onde não há galerias nem museus. Auxiliados por moradores contratados pelo projeto, os artistas conheceram o litoral gaúcho e criaram obras relacionadas à cultura e às diferentes paisagens locais. Também foram acompanhados pelos curadores Paola Mayer Fabres, Luciano Nascimento Figueiredo e Maria Helena Bernardes e pelo historiador Maurício Manjabosco

RELACIONADAS

Quer saber tudo sobre cultura e eventos em Porto Alegre e no RS? Então assine a newsletter do Roger Lerina e receba as dicas no seu e-mail!

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.