Reportagem

CEO do South Summit fala sobre evento em meio a crises no Brasil e no Vale do Silício: “Todos têm de estar preparados”

Change Size Text
CEO do South Summit fala sobre evento em meio a crises no Brasil e no Vale do Silício: “Todos têm de estar preparados” O South Summit Brazil começa nesta quarta-feira, dia 29, no Cais Mauá, em Porto Alegre. Foto: Alex Rocha/PMPA

Thiago Ribeiro conversou com o Matinal sobre como o evento ajudará empreendedores a tomar decisões em meio a discussões sobre juro alto e quebra de bancos no Estados Unidos

Publicidade

A segunda edição do South Summit Brazil, que começa nesta quarta-feira, dia 29, acontece em meio a duas discussões econômicas relevantes: a quebra do Banco do Vale do Silício, nos Estados Unidos, e a manutenção dos juros a 13,75% pelo Banco Central, no Brasil. Tanto lá quanto cá, os desdobramentos devem impactar na abertura de novos empreendimentos e na forma como eles são financiados. 

Mas o CEO do evento Thiago Ribeiro prefere chamar de período de “ajuste” na fotografia do cenário atual. Para ele, os encontros têm o caráter de aproximar os empreendedores dos fundos de investimento, para que busquem juntos as soluções e aprendam a fazer a leitura correta dos negócios. “A discussão que tem que acontecer no South Summit é como o empreendedor se prepara, como o investidor se prepara para estar atento a essas mudanças e aos movimentos normais do mercado. Todos têm que estar preparados”, diz Ribeiro.

Além da economia, o Matinal conversou com o diretor sobre as demais expectativas para o evento e como ele pode contribuir para áreas nevrálgicas da cidade, como a mobilidade e a acessibilidade. Leia na entrevista a seguir: 

Por que Porto Alegre foi escolhida novamente entre cidades e países da América Latina e até quando o South Summit acontecerá na Capital?

Porto Alegre vive um momento muito especial em todos os sentidos. O ecossistema local de inovação nunca esteve tão alinhado, conectado e em evidência. Acabamos de ser anunciados como a melhor cidade do Brasil para fazer negócios. Não é a gente dizendo isso, pode-se tirar o bairrismo da informação e entender que se está vivendo o diferente. E o South Summit vem, sem dúvida, contribuir para isso de maneira muito contundente. Tivemos uma primeira edição de muito sucesso e os números provaram isso. A expectativa para esta edição é a melhor possível, e temos tudo para consolidar esse status para os próximos anos. O evento fica aqui até 2027. É uma garantia, uma segurança, e é óbvio que tem muito trabalho pela frente para se consolidar, mas, se nos mantivermos vigilantes e mantivermos o ritmo dos últimos quatro ou cinco anos, a gente vai conseguir essa consolidação. 

Qual a expectativa em relação ao público nesta edição?

Nossa expectativa em termos de público dentro do Cais Mauá é que se mantenha. Para isso que a gente está trabalhando. Mas obviamente que a gente procurou desenvolver uma série de ações que vão se desdobrar em outras áreas da cidade, em outros momentos. Embora no Cais Mauá vamos ter um público parecido, a expectativa é que mobilize um volume maior na cidade como um todo.

O evento fez melhorias de mobilidade e acessibilidade dentro do evento, mas está em uma cidade com diversos problemas nessas áreas. Em 2022, foram muitos congestionamentos na entrada do Cais. De que forma o South Summit pode contribuir para pensar estes problemas e aproximar mais o evento da cidade?

Um grande evento, em qualquer lugar do mundo, que mobiliza um volume de pessoas como o South Summit mobiliza, é inevitável que tenha algum tipo de dificuldade, como mobilidade. Vivemos aqui Copa do Mundo, Copa América, e nada disso foi diferente. Obviamente que a gente toma medidas para contemplar da melhor maneira. Temos um plano de mobilidade e de contingência para algumas questões. No evento em si, atacamos com muita seriedade a questão da acessibilidade, tomando as medidas necessárias. Claro, em algumas talvez nunca vá chegar aos 100%. Por exemplo, não se pode esquecer que o evento acontece em um cais, que nossos espaços de conteúdo são armazéns, não são teatros, e o espaço é tombado pelo patrimônio (histórico). Tem uma série de limitações de estrutura, arquitetura e possíveis intervenções. Mas não tenho dúvida de que quem for ao Cais vai encontrar um evento acessível.

O evento também coincide com a quebra do Banco do Vale do Silício, recentemente, nos Estados Unidos. Como este tema estará presente?

É um tema da atualidade e deve estar dentro da discussão não só no palco. Vai estar nos corredores, nas mesas de bar, na praça de alimentação e nos espaços de networking. E é muito saudável essa discussão. Quando a gente olha toda essa questão, olha da perspectiva da crise, das dificuldades que isso acarreta. Mas eu sou um otimista. Acho que a gente está vivendo um ajuste, um arredondamento. Está saindo de um mercado muito eufórico de números supervalorizados, superestimados, para uma cena de mais realismo, mais austeridade, e que em um curtíssimo prazo vai nos dar uma fotografia mais real do que está acontecendo.

No Brasil, a discussão é pelos juros do Banco Central a 13,75% e implicação deste percentual nos investimentos. O South Summit deve ajudar a trazer uma luz sobre o tema? Como a mudança no perfil de governo de uma edição para outra deve impactar o evento?

Todas essas decisões acabam tendo um ou outro impacto. Mas essas discussões acabam sendo até “internalidades”. Acho que o desafio do empreendedor, do investidor e das empresas é fazer a leitura correta desses movimentos para que possam tomar as melhores decisões. Obviamente é um novo cenário, um novo contexto, (sobre) qual o rumo que a economia vai tomar. Ainda é muito cedo, tem uma série de definições a acontecerem pela frente de uma maneira geral. A discussão que tem que acontecer no South Summit é como o empreendedor se prepara, como o investidor se prepara para estar atento a essas mudanças e aos movimentos normais do mercado. Todos têm que estar preparados, essa é uma das grandes lições do South Summit. Levar conteúdo, levar informação, proporcionar discussão, para que as pessoas se preparem para qualquer momento que elas tenham que enfrentam em seus negócios.

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para o interesse público da nossa cidade sejam abordados: apoie-nos financeiramente!

O que nos permite produzir reportagens investigativas e de denúncia, cumprindo nosso papel de fiscalizar o poder, é a nossa independência editorial.

Essa independência só existe porque somos financiados majoritariamente por leitoras e leitores que nos apoiam financeiramente.

Quem nos apoia também recebe todo o nosso conteúdo exclusivo: a versão completa da Matinal News, de segunda a sexta, e as newsletters do Juremir Machado, às terças, do Roger Lerina, às quintas, e da revista Parêntese, aos sábados.

Apoie-nos! O investimento equivale ao valor de dois cafés por mês.
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
RELACIONADAS
;

Esqueceu sua senha?

ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.