Reportagem

Liminar garante vaga para cotista desligada da UFRGS

Change Size Text
Liminar garante vaga para cotista desligada da UFRGS Estudante foi avisada que seria desligada no dia 10 de dezembro, a um ano da sua formatura (Foto: Gustavo Diehl/UFRGS-Arquivo)

Em decisão, juiz considerou que a universidade não terá prejuízo ao manter vínculo da estudante

Atualização 22/12: o texto foi modificado para incluir a resposta da UFRGS.

Após receber a informação de que seria desligada da Universidade Federal do Rio Grande do Sul em 10 de dezembro, a estudante Rochane Carvalho, 21 anos, obteve uma liminar da justiça nesta segunda-feira (20) para manter o vínculo estudantil e seguir frequentando as aulas – pelo menos até a conclusão do julgamento. O juiz federal Eduardo Picarelli considerou que, com a decisão, a UFRGS não terá prejuízo, “pois a vaga que lhe foi destinada em razão das cotas e que atualmente ocupa, na faculdade de Jornalismo, não será destinada a outro estudante”.

A assessoria da UFRGS informou que “em relação à estudante Rochane Carvalho Anjos Gomes, foi acatada a decisão judicial, sendo que a estudante já está reintegrada ao seu curso de Graduação”. A universidade não respondeu se recorrerá da decisão.

O Matinal contou o caso de Rochane numa reportagem publicada na data em que ocorreria o desligamento. No dia 11 de junho, durante o recesso, a estudante recebeu um e-mail da UFRGS que exigia resposta em até cinco dias úteis, sob pena de desligamento da universidade. Rochane não viu a mensagem. Em outubro, recebeu um novo e-mail da UFRGS informando que sua matrícula seria cancelada no final do semestre letivo. A um ano da formatura, perderia a vaga. 

“Por sorte, eu ainda mantive acesso ao portal e pude fazer a encomenda de matrícula. Mas minha advogada me avisou que, se não conseguisse a liminar a tempo, dificilmente poderia voltar às aulas no próximo semestre”, disse Rochane após a decisão favorável desta semana, obtida com ajuda da assessoria jurídica do Movimento Correnteza. A estudante conta que não recebeu qualquer comunicação da UFRGS oficializando o desligamento dela no prazo informado.

O caso da aluna de jornalismo é semelhante ao de outros 1.492 alunos que têm matrícula provisória, uma modalidade adotada pela UFRGS desde 2016. Como a universidade não consegue dar conta de analisar a documentação exigida dos cotistas antes do ingresso, mantém parte dos estudantes neste regime e vai avaliando os casos ao longo dos semestres. Mas a demora pode se estender até o final do curso. Só em junho deste ano, ao menos 190 estudantes foram desligados – a maioria por não comprovar condição socioeconômica compatível com as regras para cotas de baixa renda.

Rochane esteve prestes a perder a vaga por não apresentar os comprovantes de renda do seu pai, com quem alega não ter contato. A universidade reconheceu o fato, mas seguiu com o processo que culminou com o aviso de desligamento marcada para 10 de dezembro, revertida agora em caráter provisório pela liminar. Na decisão, o juiz também sustenta o direito à educação pública e a condição socioeconômica da estudante, que mora com a mãe e as irmãs.

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para a sociedade gaúcha sejam abordados: seja nosso assinante.

Reportagens investigativas e de grande importância para a democracia como esta só são possíveis graças ao investimento dos nossos assinantes premium. Além disso, os nossos assinantes premium têm acesso a todo o conteúdo do Roger Lerina, à revista Parêntese, à versão completa da NewsMatinal, a descontos nos nossos cursos e a muito mais. Com o preço de dois cafezinhos por dia você tem mais informação, cultura e ainda ajuda o jornalismo local independente. Assine!
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
RELACIONADAS
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.