Ensaio, Parêntese

Coletivo Imagens Faladas & Leandro Anton: Presença da Ausência – Sensibilização do Olhar

Change Size Text
Coletivo Imagens Faladas & Leandro Anton: Presença da Ausência – Sensibilização do Olhar Essa antiga edificação, que nos anos 90 passou a chamar-se Centro do Jovem Adulto (CJA), pertenceu a Fundação do Bem Estar do Menor (Febem), instituição que precedeu a Fase, no atendimento a jovens menores de idade em conflito com a Lei. Ela é o elemento de ligação entre as fotografias da reportagem do livro Imagens Faladas e a produção dos jovens em cumprimento de medidas socioeducativas, que por sua vez, são a inspiração para o projeto da exposição Sensibilização do Olhar – A Presença da Ausência. A memória presente nas paredes do ICM, captada pela sensibilidade do olhar desses jovens, constrói uma narrativa fotográfica e uma cartografia visual. Essa narrativa pretende provocar reflexão sobre o patrimônio público e a importância de sua ressignificação para mantê-lo vivo e ativo. Também almeja tornar essa exposição um lugar de encontro, de interação entre sociedade e as instituições envolvidas no projeto. Reúne, portanto, o passado como um presente sociocultural e político pedagógico, incorporando-o aos processos socioeducativos da Fase. José Leandro Anton Mateus Lara Leandro Anton Mateus Lara Arthur Rupertti Arthur Rupertti e Leandro Anton Mateus Max Leandro Anton Maria Eduarda Patrick Porto Arthur Rupertti Arthur Rupertti Patrick Porto Leandro Anton Leandro Anton João Vitor Patrick, 10h50min, 15 de janeiro de 2019, surge a poesiaQuilombo do Sopapo é cultura, é família,É arte, literatura, no som do meu RAP escuta.Melodia no leva do meu violão, DEUS nos fortaleceAjuda, ilumina os caminhos dos irmãoComunidade, vira e junta, une amor, paz, culturaNum só coração, a vida é um jogo, é lutaNa batalha de um dia por vez, amizade é essência, se pura, ela traz um caminho que vemJuntando corações, alegria, é amor e traz paz pro coraçãoEnfim, o Sopapo, harmonia, fotografiae bota pra filmar, e a gurizada curtir, se inspiraE guarda o Quilombo no Coração….Quilombo do Sopapo é Cultura, é famíliaÉ arte, literatura, no som do meu RAP escutaMelodia no leva do meu violão… Participam do ensaio fotográfico: Max, 16; Mateus, 17 e José, 17; Maria Eduarda, 13 anos; Arthur Rupertti, 17; Patrick Porto, 19; João Vítor, 17; Mateus Lara, 17. Participam também do ensaio o educador do Ceconp, Cleoson Silva e o fotógrafo e integrante do Coletivo Imagens Faladas,  Eduardo Seidl. 0102 01 Coletivo que produziu a exposição Sensibilização do Olhar – Território Educativo Ceconp/Fase, no Pavilhão 1 do ICM, antiga área de internação onde funcionava as salas de atendimento e oficinas. Utilizado como prisão política por cinco anos, entre 1964 e 1969, durante a ditadura civil-militar instaurada a partir do Golpe de Estado de 31 de março de 1964 (Foto: Cleoson Silva, 2017, câmera DSLR)02 Coletivo do Projeto Sensibilização do Olhar – A Presença da Ausência, no primeiro percurso fotográfico no interior do ICM em 26 de fevereiro de 2019. (Foto: Eduardo Seidl, 2019, Câmera DSLR) Leandro Anton, fotógrafo e geógrafo. Educador popular do Ponto de Cultura Quilombo do Sopapo desde 2007, fundador e integrante do Coletivo Fotográfico Imagens Faladas. É o proponente e coordenador da produção ‘Presença da Ausência – Sensibilização do Olhar’ que origina o ensaio […]

Quer ter acesso a conteúdo exclusivo?


Assine o Premium
ou faça login

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

Essa antiga edificação, que nos anos 90 passou a chamar-se Centro do Jovem Adulto (CJA), pertenceu a Fundação do Bem Estar do Menor (Febem), instituição que precedeu a Fase, no atendimento a jovens menores de idade em conflito com a Lei. Ela é o elemento de ligação entre as fotografias da reportagem do livro Imagens Faladas e a produção dos jovens em cumprimento de medidas socioeducativas, que por sua vez, são a inspiração para o projeto da exposição Sensibilização do Olhar – A Presença da Ausência. A memória presente nas paredes do ICM, captada pela sensibilidade do olhar desses jovens, constrói uma narrativa fotográfica e uma cartografia visual. Essa narrativa pretende provocar reflexão sobre o patrimônio público e a importância de sua ressignificação para mantê-lo vivo e ativo. Também almeja tornar essa exposição um lugar de encontro, de interação entre sociedade e as instituições envolvidas no projeto. Reúne, portanto, o passado como um presente sociocultural e político pedagógico, incorporando-o aos processos socioeducativos da Fase. José Leandro Anton Mateus Lara Leandro Anton Mateus Lara Arthur Rupertti Arthur Rupertti e Leandro Anton Mateus Max Leandro Anton Maria Eduarda Patrick Porto Arthur Rupertti Arthur Rupertti Patrick Porto Leandro Anton Leandro Anton João Vitor Patrick, 10h50min, 15 de janeiro de 2019, surge a poesiaQuilombo do Sopapo é cultura, é família,É arte, literatura, no som do meu RAP escuta.Melodia no leva do meu violão, DEUS nos fortaleceAjuda, ilumina os caminhos dos irmãoComunidade, vira e junta, une amor, paz, culturaNum só coração, a vida é um jogo, é lutaNa batalha de um dia por vez, amizade é essência, se pura, ela traz um caminho que vemJuntando corações, alegria, é amor e traz paz pro coraçãoEnfim, o Sopapo, harmonia, fotografiae bota pra filmar, e a gurizada curtir, se inspiraE guarda o Quilombo no Coração….Quilombo do Sopapo é Cultura, é famíliaÉ arte, literatura, no som do meu RAP escutaMelodia no leva do meu violão… Participam do ensaio fotográfico: Max, 16; Mateus, 17 e José, 17; Maria Eduarda, 13 anos; Arthur Rupertti, 17; Patrick Porto, 19; João Vítor, 17; Mateus Lara, 17. Participam também do ensaio o educador do Ceconp, Cleoson Silva e o fotógrafo e integrante do Coletivo Imagens Faladas,  Eduardo Seidl. 0102 01 Coletivo que produziu a exposição Sensibilização do Olhar – Território Educativo Ceconp/Fase, no Pavilhão 1 do ICM, antiga área de internação onde funcionava as salas de atendimento e oficinas. Utilizado como prisão política por cinco anos, entre 1964 e 1969, durante a ditadura civil-militar instaurada a partir do Golpe de Estado de 31 de março de 1964 (Foto: Cleoson Silva, 2017, câmera DSLR)02 Coletivo do Projeto Sensibilização do Olhar – A Presença da Ausência, no primeiro percurso fotográfico no interior do ICM em 26 de fevereiro de 2019. (Foto: Eduardo Seidl, 2019, Câmera DSLR) Leandro Anton, fotógrafo e geógrafo. Educador popular do Ponto de Cultura Quilombo do Sopapo desde 2007, fundador e integrante do Coletivo Fotográfico Imagens Faladas. É o proponente e coordenador da produção ‘Presença da Ausência – Sensibilização do Olhar’ que origina o ensaio […]

Quer ter acesso a conteúdo exclusivo?


Assine o Premium
ou faça login

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

RELACIONADAS

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.