Crônica

Angicos, flamboyants e salsos-chorão

Change Size Text
Angicos, flamboyants e salsos-chorão

Caminhar sem precisar correr, sem acelerar o passo, sem precisar segurar a bolsa a ponto de esquecer de tirar quando chegar em casa. Ou se despreocupar de viver pensando em lugares para esconder dinheiro e celular no corpo e até mesmo de estar vigilante o tempo todo tem muito valor. Não tem preço, como dizia uma antiga propaganda de banco que circulava por aí.

Ver as crianças correndo na rua, observar o vento sacudindo as árvores, a revoada de pássaros entre um angico e outro em meio aos carros, buzinaços e aquele gritedo típico por aqui: Ei, tchê!!!

Eu por vezes esqueço que essa possibilidade de vida existe, e ela só existe e resiste em lugares onde a vida tem outro ritmo, as relações têm propósitos e tempos diversos, até pode pecar no respeito ao outro e à diversidade, porém o tempo tem gosto de calmaria.

Ao caminhar pelas ruas da minha cidade natal – Uruguaiana, fronteira oeste do Estado -, em especial nos fins de tarde, ainda é possível observar costumes antigos, pelo menos por aqui são antigos, e ao mesmo tempo apreciar as novidades funcionando junto, de forma harmônica e cheia de graça. 

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito