Ensaios Fotográficos

Os fungos & os mundos por vir

Change Size Text
Os fungos & os mundos por vir

É preciso um outro tempo no olhar para encontrar cogumelos. Silenciosos em suas existências pelos cantos úmidos da floresta, os fungos causam um misto de encantamento e de espanto por sua capacidade de decompor e transformar a matéria. É ilusória a ideia de que nós, humanos, somos seres separados de tudo aquilo que está fora do nosso corpo físico. Ainda assim, preferimos ignorar a crise ecológica e a ausência da ideia de futuro, explorando os recursos naturais até o limite. Por quanto tempo as nossas invenções serão capazes de conter a nossa própria destruição? 

Por que temos a ideia de que tudo aquilo que está do lado de fora do nosso corpo físico é algo separado de nós? De acordo com Anna Tsing, a separação que o ser humano concebe como natureza ou meio ambiente é uma separação artificial, pois a natureza humana é uma relação entre espécies, tanto do ponto de vista biológico quanto cultural. Somos compostos, inclusive, de muitos seres que habitam o nosso corpo e integram os nossos sistemas internos, como é o caso dos fungos e das bactérias, por exemplo. Essa ideia também pode ser encontrada no pensamento de autoras como Isabelle Stengers e Donna Haraway, que seguem uma linha da filosofia envolvendo a ciência. 

Quando penso na beleza e no mistério dos fungos, penso, principalmente, na sua capacidade de transformar. É esse o motivo mais intenso de meu encanto: é preciso transformar a matéria. A matéria física, a matéria do pensamento, a matéria do olhar. Como ressalta Tsing, os fluxos mobilizados pela digestão micelial são, ao mesmo tempo, narrativas de degradação e criação. O fim do mundo projeta também um início do mundo: depois dos humanos, o planeta seguirá seus próprios fluxos.













Tuane Eggers é mestranda em Poéticas Visuais pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais (PPGAV) da UFRGS, bolsista da Capes. Seu trabalho é focado na fotografia, geralmente com temáticas relacionadas aos fluxos da natureza e à impermanência da vida. Algumas de suas imagens foram exibidas nos filmes Os Famosos e os Duendes da Morte, de Esmir Filho, e O Filme da Minha Vida, de Selton Mello. Possui cinco publicações independentes em fotolivros. Possui cinco publicações independentes em fotolivros. Seu trabalho já foi exposto em países como Japão, Dinamarca e Rússia.  Além da fotografia, também atua no campo audiovisual. Veja mais trabalhos da artista: www.tuaneeggers.com

marca-parentese

Abra um parêntese no seu fim de semana com jornalismo e boas histórias. Deixe seu email e receba toda semana as newsletters da revista Parêntese.

O matinal
PRECISA
de você

Precisamos bater a meta do nosso crowdfunding para seguirmos ativos em 2021

O matinal
PRECISA
de você

Precisamos bater a meta do nosso crowdfunding para seguirmos ativos em 2021

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.