Entrevista

Carlos Alberto Kolecza: Dar voz aos sem-voz

Change Size Text
Carlos Alberto Kolecza: Dar voz aos sem-voz Carlos Alberto Kolecza (Foto: Daniel de Andrade)

Jornalista de referência, tanto no trabalho cotidiano e miúdo cobrindo a cidade quanto em coberturas internacionais que se tornaram mitológicas, Carlos Alberto Kolecza é antes de tudo uma grande figura humana. Com seu jeito calmo, ele conta histórias, incluindo a sua mesmo, como quem sabe que o tempo é um fator essencial para o relato. O tempo e a vida do outro, especialmente esse outro sem poder, sem visibilidade, sem recursos: é em nome desse outro que Kolecza compreende o fazer de sua profissão.

Em parceria com a Cubo Play, Carlos Caramez (que trabalhou com nosso entrevistado) e eu tivemos a grata oportunidade de conversar longamente com ele. O resultado em pequena parte vai aqui transcrito, e poderá ser apreciado com mais vagar nos vídeos que guardam aquela conversa, recheados com alguma documentação. Uma aula de jornalismo, de história da cidade e do país, de dedicação a uma ideia. 

Jornalista autodidata, Carlos Alberto Kolecza trabalhou em A Plateia, Folha Popular, Última Hora, Jornal do Dia, Zero Hora, Jornal do Brasil, UPI, Rádio Gaúcha, Folha da Manhã, Jornal de Santa Catarina, Denúncia, revista Porém, Assessoria de Imprensa do PDT e Supervisão de Imprensa da Assembleia Legislativa RS. Foi também Secretário do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Porto Alegre.

Vai aqui um agradecimento à Zero Hora, jornal que Kolecza ajudou a erguer, e que cedeu gentilmente imagens de textos e edições que Kolecza protagonizou.

Créditos das fotos: arquivo pessoal do Kolecza, fotógrafo Daniel de Andrade.

* Texto de Luís Augusto Fischer


Parêntese – Onde você nasceu e como foi o teu começo no jornalismo?

Carlos Alberto Kolecza – Eu nasci em 1940, em Santa Rosa, na pré-fase da implantação da cultura da soja. Meu pai era advogado, minha mãe era das lides domésticas e me criei numa multicolônia com várias etnias. Estudei lá até o ginásio e depois vim para Porto Alegre, fazer o científico no Colégio Júlio de Castilhos e tentar o vestibular para Geologia. Mas, em 1960, acabei indo atrás de um anúncio para redator no jornal A Plateia, em Santana do Livramento e continuei jornalista pela vida toda. 

P – Como foi a tua experiência no jornal Última Hora, antes de ir para a Zero Hora?

CAK – A Última Hora tinha fama de jornal que escorria sangue, mas isso era uma maneira de atrair o leitor para outras causas. A Última Hora foi a minha grande experiência de conhecimento da necessidade de amparo e de dar voz aos sem-voz, aos personagens que nunca tiveram oportunidade na sociedade. Nós deveríamos falar destes novos personagens sociais, sempre marginalizados pelo imprensa da elite. A Última Hora foi a grande escola de modernização do jornalismo que, infelizmente, durou até o golpe de 64 e depois foi fechada e se transformou em Zero Hora.

P – Depois do golpe e do fechamento da Última Hora você foi para onde? Como ficou a tua vida?

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

RELACIONADAS
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito