Crônica, Parêntese

Humberto Gessinger: Guitarras na parede

Change Size Text
Humberto Gessinger: Guitarras na parede Um dos vários dons que Deus não me deu foi o do turismo. Tenho dificuldade em manter meu interesse na intensidade média, essencial ao bom turista. A sobrevoar, prefiro mergulhar ou passar batido. A falta de talento natural aumentou ao longo dos anos por conta do meu ofício de músico. Nele, a única certeza são as viagens. Nas férias, não tenho rotina para quebrar nem necessidade de evitar a própria casa. Não falo só dos pontos turístico mais populares de cada cidade, a torre, a ponte, a fonte, o cais, o mar, o mirante, o restaurante, o Cristo. Longe de mim tal esnobismo. Me refiro também a museus que, por vezes, me lembram a fartura perturbadora de um espeto corrido ao contrário. Rodízio onde o prato fica parado e o cliente gira. Mas a falta do talento não impede algumas experiências agradáveis, como a que vivi ao visitar o Museu Nacional, em Oslo. Num dia agradável, na companhia imbatível de esposa e filha, até comprei, satisfeito, quinquilharias baseadas no onipresente grito de Edvard Munch, a estrela local.  O museu estava repleto de turistas chineses que, numa excursão muito ordeira, se revezavam em grupos pelas salas. Sem poder chegar perto dos quadros, eu só conseguia vê-los emoldurados por dezenas de cabeças, nucas e ombros.  Uma língua estranha falada em sussurros era a trilha sonora. Difícil de se concentrar. Restava a esperança de tranquilidade numa próxima sala, talvez.  Não rolou. Talvez na outra. Também não.  Já estava decidido pela segunda opção entre mergulhar e passar batido quando, graças a outro dom que me falta (o da orientação), pensando estar em direção à saída, encontrei uma sala milagrosamente vazia. Um breve intervalo de silêncio, tranquila solidão e… caraca! Dois Picassos na parede! Lado a lado, duas representações cubistas de uma guitarra (pra nós, violão). À direita, em tons de cinza; à esquerda, em cores. Imediatamente começou a tocar na minha cabeça a música do Counting Crows:  well, you know gray is my favorite colorI felt so symbolic yesterdayif I knew PicassoI would buy myself a gray guitar and play Foi-se o tédio! Milhões de conexões passam pela cabeça. Preciso registrar este momento único. E rápido. Já ouço o burburinho de uma nova turma chegando. É agora ou nunca. Em que bolso está o celular? Putz, um restinho de bateria. Foto horizontal dos dois quadros ou um filme vertical indo de um ao outro?  Lá vêm eles, vão invadir! Chance pra só uma tentativa! Clique, foi! Tá salvo! Pra sempre. Melhor do que pra sempre: pra agora! Que belo post para o instagram. Um haikai visual! O restinho da bateria fica pra postagem. Melhor post ever, com certeza! Hashtag “só que não”.  Um tempo depois, quando descobri que dá pra ver em números a reação às postagens no insta, reencontrei meus quadros e sua canção lá em baixo, no último lugar. Abaixo de registros de momentos bem banais. É assim nas redes. Somos todos turistas e pontos turísticos ao mesmo tempo. O que significa muito pode […]

Quer ter acesso a conteúdo exclusivo?


Assine o Premium
ou faça login

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

Um dos vários dons que Deus não me deu foi o do turismo. Tenho dificuldade em manter meu interesse na intensidade média, essencial ao bom turista. A sobrevoar, prefiro mergulhar ou passar batido. A falta de talento natural aumentou ao longo dos anos por conta do meu ofício de músico. Nele, a única certeza são as viagens. Nas férias, não tenho rotina para quebrar nem necessidade de evitar a própria casa. Não falo só dos pontos turístico mais populares de cada cidade, a torre, a ponte, a fonte, o cais, o mar, o mirante, o restaurante, o Cristo. Longe de mim tal esnobismo. Me refiro também a museus que, por vezes, me lembram a fartura perturbadora de um espeto corrido ao contrário. Rodízio onde o prato fica parado e o cliente gira. Mas a falta do talento não impede algumas experiências agradáveis, como a que vivi ao visitar o Museu Nacional, em Oslo. Num dia agradável, na companhia imbatível de esposa e filha, até comprei, satisfeito, quinquilharias baseadas no onipresente grito de Edvard Munch, a estrela local.  O museu estava repleto de turistas chineses que, numa excursão muito ordeira, se revezavam em grupos pelas salas. Sem poder chegar perto dos quadros, eu só conseguia vê-los emoldurados por dezenas de cabeças, nucas e ombros.  Uma língua estranha falada em sussurros era a trilha sonora. Difícil de se concentrar. Restava a esperança de tranquilidade numa próxima sala, talvez.  Não rolou. Talvez na outra. Também não.  Já estava decidido pela segunda opção entre mergulhar e passar batido quando, graças a outro dom que me falta (o da orientação), pensando estar em direção à saída, encontrei uma sala milagrosamente vazia. Um breve intervalo de silêncio, tranquila solidão e… caraca! Dois Picassos na parede! Lado a lado, duas representações cubistas de uma guitarra (pra nós, violão). À direita, em tons de cinza; à esquerda, em cores. Imediatamente começou a tocar na minha cabeça a música do Counting Crows:  well, you know gray is my favorite colorI felt so symbolic yesterdayif I knew PicassoI would buy myself a gray guitar and play Foi-se o tédio! Milhões de conexões passam pela cabeça. Preciso registrar este momento único. E rápido. Já ouço o burburinho de uma nova turma chegando. É agora ou nunca. Em que bolso está o celular? Putz, um restinho de bateria. Foto horizontal dos dois quadros ou um filme vertical indo de um ao outro?  Lá vêm eles, vão invadir! Chance pra só uma tentativa! Clique, foi! Tá salvo! Pra sempre. Melhor do que pra sempre: pra agora! Que belo post para o instagram. Um haikai visual! O restinho da bateria fica pra postagem. Melhor post ever, com certeza! Hashtag “só que não”.  Um tempo depois, quando descobri que dá pra ver em números a reação às postagens no insta, reencontrei meus quadros e sua canção lá em baixo, no último lugar. Abaixo de registros de momentos bem banais. É assim nas redes. Somos todos turistas e pontos turísticos ao mesmo tempo. O que significa muito pode […]

Quer ter acesso a conteúdo exclusivo?


Assine o Premium
ou faça login

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

RELACIONADAS

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.