Recomendações

O enxadrista e uma figura inesperada

Change Size Text
O enxadrista e uma figura inesperada Foto: Fósforo/Divulgação

LIVROS

O Livro do Xadrez | Stefan Zweig

Última obra de Stefan ZweigO Livro do Xadrez (Fósforo, tradução Silvia Bittencourt, 88 páginas, R$ 49,90) foi escrito durante seu exílio no Brasil e enviado ao editor americano poucos dias antes do suicídio do autor, em 1942, na cidade fluminense de Petrópolis. Essa novela é também o único texto em que o escritor austríaco de origem judaica aborda diretamente o tema do nazismo, por meio de sua mirada psicológica característica. 

A bordo de um navio que deixa Nova York com destino a Buenos Aires, o narrador descobre que entre os passageiros encontra-se Mirko Czentovic, campeão mundial de xadrez, homem arrogante e pouco sociável que parece ter no jogo o único meio de se relacionar com os outros.

A curiosidade com essa figura reservada e a competitividade natural entre homens conspiram para que em poucos dias de viagem se dê o embate entre o enxadrista e um exército de diletantes orgulhosos, empenhados em derrotar o grande mestre – que vence sucessivas partidas sem esforço. Até que entra em cena uma figura inesperada. 

Como um sujeito discreto e de passado obscuro, que diz nunca ter tocado em um tabuleiro de xadrez, consegue dominar as nuances do jogo, e a que custo ele foi introduzido às artes da estratégia, são o coração dessa história – que já rendeu duas adaptações para o cinema, inspirou peças de teatro e até uma ópera. As vicissitudes do século 20, a experiência do confinamento e a salvação pelo esporte se entrelaçam no texto de Zweig.


Trabalho Poético | Carlos de Oliveira

Foto: Oficina Raquel/Divulgação

“Consideremos então que os poetas são guardiães da palavra, para que esta não cesse de contar a vida […].” A afirmação é de Ida Alves no posfácio a Trabalho Poético (Oficina Raquel, 192 páginas, R$ 69), antologia sob sua organização e primeira publicação da poesia de Carlos de Oliveira no Brasil. A edição apresenta uma seleção criteriosa de poemas do escritor, com estudo introdutório do professor de literatura portuguesa e poeta convidado Leonardo Gandolfi, que marca o percurso de sua poética ainda pouco conhecida por aqui.

Nascido em Belém do Pará, Oliveira foi levado pelos pais para Portugal em 1923, lá crescendo e vivendo, sem nunca mais retornar à sua Amazónia inicial. Considerado um dos nomes mais fortes do neorrealismo português, devido também à tensão crítica entre sua exigência de liberdade da criação estética e as demandas da realidade política em que viveu, Oliveira publicou cinco romances, 10 livros de poesia e um conjunto de textos de caráter híbrido em que discute literatura, sua própria escrita, outros escritores, questões sociais e políticas, a formação de seu imaginário artístico e sua obsessão pela reescrita. 


DISCO

Tum Toin | Tum Toin Foin

Foto: Luiza Padilha e Vinícius Luz/Divulgação

Reunindo composições e arranjos de Arthur de Faria, a banda de câmara Tum Toin Foin acaba de lançar segundo EP. As novas músicas de Tum Toin chegam guiando novamente os ouvintes por diferentes gêneros musicais.

Se em Tum, primeiro EP lançado pelo conjunto, os 10 músicos já apresentavam diversas paisagens sonoras, em Tum Toin eles expandem o espectro e despertam ainda mais a curiosidade pelo próximo lançamento, que será o álbum na íntegra. A célebre inquietude musical de Arthur de Faria, somada às referências múltiplas que todos os integrantes trazem para a Tum Toin Foin, faz de cada tema uma jornada totalmente nova pelas possibilidades de arranjos e encontros de gêneros musicais que pareciam improváveis.

RELACIONADAS
marca-parentese

Abra um parêntese no seu fim de semana com jornalismo e boas histórias. Deixe seu email e receba toda semana as newsletters da revista Parêntese.

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito