Artigos, Cinema

“Curral” revela a máquina da corrupção eleitoral

Change Size Text
“Curral” revela a máquina da corrupção eleitoral Daniela Nader/Divulgação

Entra em cartaz nesta quinta-feira (11/11) nos cinemas o premiado drama político Curral (2020). Dirigido por Marcelo Brennand, o filme foi rodado no interior do Brasil, no munícipio de Gravatá, em Pernambuco.

Curral é um retrato da corrupção estrutural das instituições no país: durante as eleições, a população de Gravatá se divide entre as cores azul e vermelho, que representam os partidos políticos e lutam pelo poder desde sempre. Devido à seca, a água é uma valiosa moeda de troca, utilizada pelos poderosos a fim de manterem o controle político e econômico sobre uma comunidade carente – que não encontra alternativa a não ser sujeitar-se a colaborar com o próprio esquema que a explora.

Na história, Chico Caixa (Thomás Aquino) é um homem humilde e ex-funcionário da distribuidora de água da cidade. Desempregado, acaba recrutado por um amigo de infância, o advogado Joel (Rodrigo García), que precisa conquistar votos de um bairro popular fundamental para conseguir se tornar vereador.

Para eleger o candidato, ambos tentam aliciar o eleitorado com promessas de fornecimento de água e emprego, além de pequenas doações em dinheiro. À medida que a campanha avança e a compra de votos vai ficando mais agressiva, Chico se vê dividido entre suas necessidades financeiras e seus princípios. 

Daniela Nader/Divulgação

Curral teve sua première mundial na 44ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e conquistou os prêmios de Melhor Ator (Thomás Aquino) e Melhor Contribuição Técnico-Artística no 46º Festival de Huelva (Espanha), Melhor Longa-Metragem de Ficção no Festival de Cinema do Brooklyn (Nova York) e Melhor Ator no 25º Inffinito Brazilian Film Festival. O longa também participou do Festival du Cinéma Brésilien de Paris.

Um dos acertos da estreia de Marcelo Brennand na direção de longa-metragem é a atuação homogênea do elenco, incluindo coadjuvantes e atores não profissionais, selecionados entre os próprios habitantes da localidade sertaneja pernambucana. Destaque para o trio masculino principal, formado pelo protagonista Thomás Aquino – visto antes em Bacurau (2019) e Todos os Mortos (2020) –, Rodrigo García e o veterano José Dumont, que interpreta o inescrupuloso prefeito de Gravatá. Os três encarnam com verossimilhança as ambiguidades desses personagens que são ao mesmo tempo agentes e presas de um moto perpétuo de espoliação em funcionamento no Brasil desde sempre.

Daniela Nader/Divulgação

Curral: * * * *

COTAÇÕES

* * * * * ótimo     * * * * muito bom     * * * bom     * * regular     * ruim

Assista ao trailer de Curral:

RELACIONADAS

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito