Artigos, Cinema

Comédia de erros bagunça o Natal em Paris

Change Size Text
Comédia de erros bagunça o Natal em Paris Foto: Pandora Filmes/Divulgação

A comédia francesa O Bom Doutor (2019) estreia nos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (9/9), protagonizada pelo popular ator Michel Blanc. O astro de filmes como Um Homem Meio Esquisito (1989), Estressadíssimo (1994) e O Exercício do Poder (2011) encarna o médico Serge Mamou-Mani, um sujeito ranzinza, cansado do seu trabalho, que não encara a medicina mais como uma vocação, mas como um fardo.

A história de O Bom Doutor se passa em uma véspera de Natal em que o Dr. Serge é o único médico de plantão naquela noite em um serviço parisiense de atendimento a domicílio. Com as costas travadas e tomando tragos de uísque o tempo inteiro, Serge está quase tão mal quanto os pacientes que ele é obrigado a contragosto visitar.

As chamadas de emergência não param em seu rádio, até que o carro de Serge cruza com a bicicleta de Malek, um simpático entregador de comida – personagem interpretado pelo interpretado pelo comediante e youtuber Hakim Jemili. O encontro acidental faz com que o médico tenha uma ideia salvadora: enviar o jovem em seu lugar para atender os pacientes. Para nada dar errado, basta Malek seguir à risca as instruções que recebe remotamente de Serge por celular – mas é claro que nem tudo vai correr de acordo com o desejo dessa inusitada unidade médica móvel.

Foto: Pandora Filmes/Divulgação

O diretor Tristan Séguéla – da comédia 16 Anos… ou Quase (2013) – conta que a inspiração para o filme nasceu de algumas experiências pessoais, mesmo não sendo médico: “Meu avô materno era médico e, com o tempo, como Serge, havia perdido o gosto pela profissão. Quando criança, eu não entendia como alguém com superpoderes de cura podia ficar triste ou de mal humor”. Já o corroteirista Jim Birmant procurou-o e sugeriu um suspense sobre um médico que seria substituído em breve – mas Séguéla teve outra ideia: “E se fizéssemos uma comédia?”.

Segundo Michel Blanc, o roteiro de O Bom Doutor foge do óbvio: “Não estamos numa comédia de estripulias, na qual dois caras bem diferentes irão gritar um com o outro o tempo todo para fazer as pessoas rirem”. O ator define Serge como um homem sem expectativas a quem só lhe resta “beber, fumar e voltar para casa para dormir”.

Foto: Pandora Filmes/Divulgação

O realizador Séguéla explica que sabia que não tinha em mãos uma tarefa fácil: “Uma comédia deve fazer, antes de mais nada, as pessoas rirem, e existem temas mais leves para divertir o público, mas sempre tive uma queda por comédias que não têm medo de abordar assuntos mais sérios, que se atrevem a fazer rir mesmo com certa angústia”.

Com ritmo ágil, piadas engraçadas e uma sucessão divertida de mal-entendidos, O Bom Doutor faz rir com leveza despretensiosa. O grande trunfo do filme está na dupla protagonista, que encontrou o tom de humor adequado de interação entre as personalidades opostas de seus personagens, sempre envolvidos em situações absurdas e cômicas – com destaque para Hakim Jemili, cuja figura ingênua e de bom coração que cria em cena é simplesmente cativante.

Foto: Pandora Filmes/Divulgação

O Bom Doutor: * * *  

COTAÇÕES

* * * * * ótimo     * * * * muito bom     * * * bom     * * regular     * ruim

Assista ao trailer de O Bom Doutor:

Quer saber tudo sobre cultura e eventos em Porto Alegre e no RS? Então assine a newsletter do Roger Lerina e receba as dicas no seu e-mail!