Artigos | Cinema

Paolo Taviani despede-se de seus mortos em “Leonora, Adeus”

Change Size Text
Paolo Taviani despede-se de seus mortos em “Leonora, Adeus” Risi Film Brasil/Divulgação

Com Leonora, Adeus (2022), o cineasta italiano Paolo Taviani faz uma elegia a dois parceiros de arte e vida: o irmão e também realizador Vittorio Taviani (1929 – 2018) e o escritor e dramaturgo Luigi Pirandello (1867 – 1936). O filme que estreia nesta quinta-feira (26/10) parte do périplo para levar até sua cidade natal as cinzas do grande Pirandello – autor adaptado para o cinema pelos Taviani no clássico Kaos (1984) – para abordar temas como história e política, identidade cultural e pertencimento, nostalgia e luto, amor e morte.

Segundo longa-metragem de Paolo após a morte do irmão Vittorio, com quem escreveu e dirigiu títulos antológicos da história do cinema moderno, Leonora, Adeus concorreu ao Urso de Ouro do Festival de Berlim – onde levou o prêmio de melhor filme o segundo o júri da FIPRESCI (Federação Internacional de Críticos de Cinema). A narrativa se inicia com a entrega do Prêmio Nobel de Literatura a Pirandello em 1934, dois anos antes da morte do autor de Seis Personagens à Procura de um Autor, e termina com uma adaptação de uma de suas últimas obras, a enigmática novela O Prego.

Risi Film Brasil/Divulgação

No meio, Leonora, Adeus acompanha o longo trajeto – tanto em termos de espaço quanto de tempo – dos restos de Pirandello desde um cemitério em Roma, onde inicialmente suas cinzas foram guardadas, até a campa final em Agrigento, na Sicília, conforme desejo do mestre, uma década depois de sua morte. Um traslado cheio de percalços e personagens, que começa pela tentativa de apropriação da figura e mesmo do corpo de Pirandello pelo fascismo e segue com episódios tragicômicos como a recusa do supersticioso piloto de um avião militar norte-americano em transportar as cinzas do escritor e a momentânea perda da caixa com a urna fúnebre pelo delegado de polícia responsável pelo transporte – interpretado pelo ator Fabrizio Ferracane.

Risi Film Brasil/Divulgação

Pelo menos dois terços de Leonora, Adeus mostram imagens em preto e branco, provavelmente buscando uma proximidade com o neorrealismo italiano – além de utilizar cenas de arquivo de cinejornais da época, o longa também costura a narrativa com cenas curtas de filmes como Paisà (1946), de Roberto Rossellini, Verão Violento (1959), de Valerio Zurlini, e A Aventura (1960), de Michelangelo Antonioni. O fluxo narrativo é conduzido pela trilha sonora de Nicola Piovani, grande compositor que trabalhou com os irmãos Taviani em produções como Kaos – cuja música é lembrada em Leonora, Adeus.

São justamente algumas cenas de uma das mais pungentes sequências do episódico Kaos que fazem a transição para o terceiro e derradeiro ato de Leonora, Adeus, conectando o conto de Pirandello sobre camponeses sicilianos que decidem imigrar para a América com a adaptação de O Prego – único segmento inteiramente colorido do filme. Nessa história, ambientada no bairro nova-iorquino Harlem, um jovem mata uma garotinha que não conhece com um prego caído de uma carroça, em um ato aparentemente sem motivação – o escritor italiano teria se inspirado em uma notícia da crônica policial.

Risi Film Brasil/Divulgação

Leonora, Adeus carece do vigor narrativo das obras maiúsculas na filmografia de Paolo e Vittorio Taviani, como Pai Patrão (1977), A Noite de São Lourenço (1982), Bom Dia Babilônia (1987), Aconteceu na Primavera (1993) ou César Deve Morrer (2012), além do já bastante citado Kaos. Algumas das atuações do elenco excessivamente teatrais e aspectos de produção como a direção de arte e o figurino parecem às vezes desleixados e mesmo amadorísticos.

Nenhum desses reparos, porém, desbasta a força e a gravidade da reflexão existencial que o venerando Paolo Taviani propõe aos 91 anos com seu novo trabalho, questionando a transitoriedade da vida, a inevitabilidade da morte e o legado da arte a partir da lembrança e da ausência de Luigi Pirandello e Vittorio Taviani – a quem Leonora, Adeus é dedicado.

Risi Film Brasil/Divulgação

Risi Film Brasil/Divulgação

Leonora, Adeus: * * *

COTAÇÕES

* * * * * ótimo     * * * * muito bom     * * * bom     * * regular     * ruim

Assista ao trailer de Leonora, Adeus:

PUBLICIDADE

Esqueceu sua senha?