Reportagem

Objetivos do Plano Diretor não trabalham com cheia do Guaíba

Change Size Text
Objetivos do Plano Diretor não trabalham com cheia do Guaíba Situação de inundação é mencionada apenas em objetivo referente à qualidade da água | Foto: Martina Lersch

Em meio ao seu processo de revisão, que deveria estar concluído em 2020, a prefeitura apresentou um documento com 200 estratégias organizadas em cinco objetivos para a elaboração do novo Plano Diretor. Divulgadas no fim do ano passado, nenhuma delas menciona “cheia”, “enchente” ou considera a elevação do nível do Guaíba, que atingiu  5,33m no último dia 5 de maio e inunda áreas inteiras da cidade há uma semana.

A proteção de inundações da capital aparece de forma indireta em apenas um item referente ao controle da qualidade das águas. Pela proposta, na parte do objetivo relacionado às adaptações à crise climática, o plano diretor deve elaborar instrumentos que promovam o uso racional de recursos hídricos e o combate à poluição, auxiliando no controle do “impacto do desequilíbrio climático no território, oriundo das ameaças climáticas de inundação fluvial”. 

Publicidade

Leia aqui na íntegra o documento construído em reunião da revisão e apresentado na última Conferência sobre o Plano Diretor, em novembro de 2023. Os debates para conclusão do Plano Diretor devem ser retomados no fim deste ano, após a eleição municipal, com previsão de ficar pronto em 2025.

Pressão imobiliária no objetivo sobre a orla

Entre os objetivos, o primeiro deles fala em “potencializar a apropriação do Lago Guaíba e de sua orla por parte da população, valorizando sua paisagem, a característica de cada local, o patrimônio histórico e as áreas naturais, atuando na qualificação das áreas verdes, desenvolvendo planos, projetos urbanos e estabelecendo incentivos, parcerias e regulamentações para a sua utilização”. 

Na avaliação da professora do Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional (Propur) da UFRGS, Heleniza Campos, que também coordena o núcleo Porto Alegre do Observatório das Metrópoles, ao menos alguns dos objetivos deveriam ser elaborados em conjunto e não de maneira separada. À Matinal, ela aponta que há uma pressão do mercado imobiliário na definição do conjunto de estratégias voltadas à Orla do Guaíba, que passa a ver uma área de amortização de cheias com uma área para erguer empreendimentos.

Ela se refere ao Objetivo nº 1, no qual a primeira estratégia fala em “potencializar a apropriação do Lago Guaíba e de sua orla por parte da população, valorizando sua paisagem, a característica de cada local, o patrimônio histórico e as áreas naturais, atuando na qualificação das áreas verdes, desenvolvendo planos, projetos urbanos e estabelecendo incentivos, parcerias e regulamentações para a sua utilização”. 

“Na prática, toda a faixa de orla, desde o 4º Distrito, passando pelo Centro Histórico, Praia de Belas até a zona sul, tem sido alvo de interesse imobiliário, com flexibilização das leis para projetos especiais ocuparem espaços, sem qualquer cuidado com as condições ambientais existentes. Os planos diretores específicos para o Centro Histórico e para o 4º Distrito confirmam e reforçam a ação mercadológica por trás de decisões municipais”, afirma a professora. 

“Esta é a faixa que, a despeito dos valores paisagísticos, potencialmente está em condições mais instáveis de solo e sujeitas às inundações, conforme aconteceu agora”, complementa Heleniza. Imagens atuais da orla, como as da pista de skate e as quadras totalmente submersas, corroboram com a fala da professora. Os trechos 1, 2 e 3 da orla são costeados pela avenida Edvaldo Pereira Paiva, que integra o sistema de proteção contra cheias da cidade, servindo como um dique e contendo o avanço do Guaíba. A via é da mesma altura do Muro da Mauá, que protege o Centro Histórico – ou deveria, se houvesse manutenção constante.

Com ideia de construir torres, Cais está inundado

Outra situação que pode comprometer ainda mais a área é a ideia de construir nove torres no Cais Mauá, espaço público concedido à iniciativa privada no início do ano, em iniciativa celebrada pelo governo do estado e pela prefeitura de Porto Alegre. O local está inundado desde o fim de semana – situação que repete as cenas de novembro passado, quando o Guaíba também havia ultrapassado os 3 metros de altura. Na época, a Matinal mostrou que o edital do projeto desconsidera a elevação do Guaíba causada pelas mudanças climáticas, o que deve ocorrer com mais frequência nos próximos anos. 


Imagem do projeto para o Cais Mauá, que está inundado pela segunda vez em menos de sete meses

O Cais Mauá, próximo à área onde as torres devem ser construídas, em 5 de maio de 2024 | Foto: Gustavo Mansur / Governo do estado

O projeto sugerido no edital considera a retirada de parte do muro, ainda que condicione tal obra à implantação de um novo sistema de defesa contra enchentes. O sistema de Porto Alegre é projetado para defender a cidade de um nível de Guaíba a 6 metros. 

Na região central, outro ponto que colabora com as inundações foram as recentes obras no Parque Harmonia, que trocaram solo permeável por materiais mais rígidos, diminuindo a capacidade de absorção da área. As obras no local viraram alvo de muitas críticas por parte de movimentos ambientais em 2023 e chegaram a ser interrompidas por liminar, mas logo retomadas. 

Ainda dentro do Objetivo 1, na estratégia que se refere às ilhas, o texto sugere: “Definir regime urbanístico para as ilhas, buscando garantir o desenvolvimento sustentável para as comunidades locais existentes, qualificando sua relação com o Delta do Jacuí e com o Lago Guaíba e priorizando a preservação das Áreas Naturais, através de instrumentos de gestão urbana”.

Sobre adaptação, é preciso plano de realocação

Já o objetivo número 4, que trata da adaptação da cidade para os efeitos das mudanças climáticas e para a redução das emissões de gases do efeito estufa (e que menciona indiretamente a questão das cheias do Guaíba), as estratégias abordam eventos climáticos, áreas de risco, incentivos à preservação ambiental, zoneamento ambiental e monitoramento. 

A primeira delas é a criação de “um plano de ação para a realocação das pessoas inseridas em áreas de risco ou para a mitigação do risco, além da realização da recuperação das áreas, envolvendo mapeamentos e avaliação de risco, identificação das áreas com restrição de ocupação, integração com políticas de habitação, estabelecimento de tipologias e infraestrutura e o monitoramento destas áreas, além da criação de mecanismos de revisão e controle periódico de diagnósticos de áreas de risco”. 

Apesar da estratégia, o documento não cita como fazer, tampouco avança sobre eventuais responsabilidades ou fontes de recursos para viabilizar os objetivos. 

“Talvez seja necessário reconsiderar a faixa de orla associada à ocupação e densificação, mas ampliar o conceito de risco, ao menos para a parte afetada ou passível de ser afetada”, sugere a professora da UFRGS. “As restrições de ocupação, políticas de habitação e recuperação de áreas não se restringem apenas a áreas de ocupação de baixa renda, mas têm ampla incidência no território de todo o município”, acrescenta Heleniza. Ela destaca também a pouca observância das condições de habitabilidade em áreas mais vulneráveis ou de ocupação ao longo do processo de revisão do plano

Ao longo desta crise, evidenciou-se essa necessidade com o próprio poder público: a prefeitura precisou realocar desabrigados, oriundos de áreas de risco, em duas oportunidades. Primeiro, ainda durante o fim de semana, a retirada dos abrigados do Pepsi On Stage, até então o local com maior número de acolhidos, para a Academia da Brigada Militar, no Partenon. Na segunda-feira, dia 6, em razão da falha na casa de bombas próxima à rótula das cuias, foi necessária a evacuação do Teatro Renascença, até então o centro de triagem de abrigados. 

Integração do espaço urbano

Levando em consideração as consequências da enchente, a professora também trata como necessária a revisão da estratégia 3 do objetivo 4, que versa sobre zoneamento ambiental. “O espaço urbano necessita ser incorporado neste processo, considerando as condições do bioma, das bacias hidrográficas envolvidas e a forma como tais espaços são ocupados”, afirma Heleniza. 

Ainda dentro do objetivo 4, a estratégia 7 fala em “Desenvolver incentivos que promovam a preservação do patrimônio natural, tais como incentivos urbanísticos, tributários e pagamento por serviços ambientais (PSA), entre outros”. Para a professora, é necessário detalhar a estratégia e contar com a participação da sociedade: “Mais do que incentivos, fundos destinados à recuperação em situações de risco”. 

A participação da população – pouco observada em algumas das conferências sobre o Plano já realizadas – é necessária para a capacitação junto a técnicos municipais. “Trata-se de orientação às comunidades moradoras de áreas consideradas vulneráveis a distintos tipos de riscos ambientais.” 

Ano passado, a prefeitura de Porto Alegre publicou estudo que contabiliza cerca de 20 mil famílias morando em 142 áreas de risco em Porto Alegre. O total desse contingente quase dobrou em dez anos. A solução, de longo prazo, apresentada à época era transferir as famílias para locais seguros e evitar a reocupação com ações de desenvolvimento urbano. Contudo, a gestão Sebastião Melo (MDB) apontou dificuldades financeiras para executar esse plano. O valor estimado para a remoção de todas essas famílias foi de R$ 2,3 bilhões.


E-mail: [email protected]

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para o interesse público da nossa cidade sejam abordados: apoie-nos financeiramente!

O que nos permite produzir reportagens investigativas e de denúncia, cumprindo nosso papel de fiscalizar o poder, é a nossa independência editorial.

Essa independência só existe porque somos financiados majoritariamente por leitoras e leitores que nos apoiam financeiramente.

Quem nos apoia também recebe todo o nosso conteúdo exclusivo: a versão completa da Matinal News, de segunda a sexta, e as newsletters do Juremir Machado, às terças, do Roger Lerina, às quintas, e da revista Parêntese, aos sábados.

Apoie-nos! O investimento equivale ao valor de dois cafés por mês.
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
RELACIONADAS
;

Esqueceu sua senha?

ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.