Reportagem

Estudantes da UFRGS reivindicam para moradia prédio que virou Centro de Inovação

Change Size Text
Estudantes da UFRGS reivindicam para moradia prédio que virou Centro de Inovação Prédio localizado a 300 metros da beira da praia tem cerca de 30 apartamentos (Foto: Cadinho Andrade/UFRGS)

Local onde funcionava antiga colônia de férias em Tramandaí chegou a ser ocupado por alunos; MPF atua para intermediar o caso

Publicidade

O prédio da antiga colônia de férias da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), localizado a cerca de 300 metros da beira da praia de Tramandaí, tornou-se alvo de disputa entre a Reitoria da universidade e a comunidade de estudantes e professores do Campus Litoral Norte. Há um ano, o edifício de 5,8 mil m² foi transformado no Centro de Inovação, mas os alunos reivindicam que os cerca de 30 apartamentos existentes sejam destinados ao acolhimento dos acadêmicos. 

Uma reunião realizada em Porto Alegre com o Ministério Público Federal (MPF) nesta quarta-feira, dia 15, terminou com mais indefinições do que certezas. Os estudantes apresentaram à Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão tudo que conseguiram reunir de documentação, dados e imagens, e receberam a garantia de que um ofício seria encaminhado à Reitoria da universidade.

“A reunião, em suma, foi para expor a dificuldade de diálogo com a reitoria. Mostramos nossa posição em relação à ocupação, caracterizamos que ela foi pacífica e não prejudicial ao próprio prédio, e também tentamos que o MPF faça uma mediação com a reitoria, visto que toda a situação ocorreu em virtude da falta de diálogo”, afirma a estudante de Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia (BICT) Manoela Santos, de 19 anos.

O Matinal procurou a UFRGS, que não retornou o contato até o fechamento desta reportagem.

Entenda a disputa

A discussão transcorreu ao longo de 2022 em diversos atos. A Pró-Reitoria de Inovação e Relações Institucionais (PROIR), criada em 2020 para aproximar a universidade de instituições públicas e privadas voltadas ao tema, requisitou um espaço dentro do prédio para desenvolver ações de empreendedorismo. Em março do ano passado, realizou, inclusive, a apresentação do Centro de Inovação a futuros parceiros.

No mês seguinte, porém, a transferência da antiga colônia de férias da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PRAE), então responsável pelo prédio, para a PROIR foi suspensa até a análise do Conselho Universitário (Consun). Depois, em agosto, o Consun determinou a paralisação do processo e que a gestão do espaço físico e dos bens patrimoniais fosse colocada a cargo do Campus Litoral Norte.

No entanto, a Procuradoria-Geral Federal concedeu à Reitoria o direito de designar o ente responsável, e a PROIR foi beneficiada, prosseguindo com a instalação do Centro de Inovação. Atualmente, os colchões, camas e demais infraestruturas de dormitórios estão guardados em depósitos no próprio prédio.

Ocupação terminou de forma pacífica

A demanda de uma Casa do Estudante no litoral é recorrente, mas ganhou um capítulo tenso este mês. Uma semana depois de uma visita do vice-governador Gabriel Souza (MDB) ao Centro de Inovação, os estudantes se mobilizaram para ocupar o espaço e reivindicar pelo menos metade das vagas para alojamento. “Até o momento, o Centro de Inovação não permitia mais a entrada de alunos se não fosse com interesse de projetos de inovação e empreendedorismo, o que é completamente incabível para a região do Litoral Norte, ainda mais para os alunos que reivindicam o mínimo que é a moradia”, reclama Manoela.

A UFRGS recorreu à Justiça Federal para realizar a desocupação, que foi transferida para o dia 13, uma segunda-feira. No fim daquela tarde, após vistoria de um oficial de justiça, os alunos acataram a decisão e deixaram o prédio fazendo uma manifestação pacífica nas ruas de Tramandaí.

Os membros do conselho do Campus Litoral Norte contestaram a necessidade de uma ação judicial e manifestaram solidariedade ao diretor Felipe José Comunello, que apoiou os estudantes, assim como a acadêmica Juliana Guerra. Ambos foram interpelados judicialmente pela Universidade. Ao criticar o que chamaram de “atos intimidatórios”, declararam apoio à manifestação dos estudantes considerando-a “autônoma e legítima”.

“O uso de uma ação judicial não se justifica para uma situação de reivindicação pacífica como esta, de estudantes da própria universidade, muitos dos quais têm utilizado o espaço da antiga Colônia de Férias para hospedagem temporária, ao longo dos últimos anos, direito que lhes foi negado arbitrariamente no final de fevereiro deste ano”, afirmou, em nota, o Conselho do Campus Litoral Norte, que conclui: “Demandamos o imediato cumprimento da Resolução do CONSUN n. 174 de 26 de agosto de 2022, que determina que a gestão do espaço físico e dos bens patrimoniais da antiga Colônia de Férias seja colocada a cargo do Campus Litoral Norte”.

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para o interesse público da nossa cidade sejam abordados: apoie-nos financeiramente!

O que nos permite produzir reportagens investigativas e de denúncia, cumprindo nosso papel de fiscalizar o poder, é a nossa independência editorial.

Essa independência só existe porque somos financiados majoritariamente por leitoras e leitores que nos apoiam financeiramente.

Quem nos apoia também recebe todo o nosso conteúdo exclusivo: a versão completa da Matinal News, de segunda a sexta, e as newsletters do Juremir Machado, às terças, do Roger Lerina, às quintas, e da revista Parêntese, aos sábados.

Apoie-nos! O investimento equivale ao valor de dois cafés por mês.
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
RELACIONADAS

Esqueceu sua senha?

ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.