Reportagem

Secretário evita dar novo prazo para reabertura do Gasômetro

Change Size Text
Secretário evita dar novo prazo para reabertura do Gasômetro Reforma é alvo de investigação no Ministério Público (Foto: Alex Rocha/PMPA)

Centro cultural em Porto Alegre está fechado desde 2017 e reforma já custa 71% mais cara

Publicidade

Fechada há mais de cinco anos, a Usina do Gasômetro está sem data para reabrir. A última expectativa frustrada da prefeitura de Porto Alegre era inaugurá-la parcialmente para o aniversário da cidade, em março, o que acabou descartado.

Sem instalação elétrica e sem Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndio (PPCI), o espaço tem restrições para operar. Além disso, a laje sobre o teatro Elis Regina não está pronta. Em entrevista ao Matinal, o secretário municipal de Obras e Infraestrutura, André Flores, informou que o edital para o projeto elétrico está atrasado. “A nossa expectativa até era que já tivesse saído. Acredito que até o final de semana, início da próxima, deve estar saindo”, projetou.

Como o prazo de conclusão da parte elétrica é de até 90 dias, já não seria mais possível garantir que as portas do Gasômetro seriam abertas até julho, previsão que chegou a ser considerada em março pelo Município. 

Inicialmente previsto para reabrir em março de 2021, o Gasômetro não tem mais data certa para ser devolvido à população. Depois de tanto vai e vem, Flores evita dar novo prazo para a reinauguração: “Esperamos que, em julho, a gente tenha concluído as obras pesadas de engenharia, mas a usina só vai funcionar pontualmente, com eventos que puderem funcionar com energia provisória (geradores) e PPCI provisório. Até que a gente tenha concluído a licitação da parte elétrica, eu não me arriscaria a dizer um prazo. Acredito que até o final do ano com certeza… Assim, com certeza é muito pesado… Até o final do ano, nós vamos estar, muito provavelmente, com a usina funcionando a pleno”, afirmou. O contrato com o Consórcio RAC/Arquibrasil, executora da obra, tem vigência até setembro.

Para além da questão elétrica, o ponto mais “sensível”, de acordo com o secretário, é a laje sobre o teatro e que sustenta o terraço e está sendo trocada. “A última atividade realizada na Usina antes de ela ser interditada foi porque a laje balançou, demonstrou que não tinha estabilidade e segurança. Ao recolocar a laje, foram encontradas dificuldades que não eram esperadas”, explicou. “Mas agora encontramos a solução que eu espero que seja definitiva e que não venham mais surpresas.”

Contrato está 71% mais caro

Enquanto os prazos são adiados, a obra segue encarecendo. Em 19 de abril, o contrato recebeu um novo aditivo, publicado nesta semana no Diário Oficial. Com quase R$ 200 mil a mais, referente a atualizações de preços de materiais, o contrato agora ultrapassa os R$ 19,5 milhões, praticamente 71% maior do que o valor previsto inicialmente, de R$ 11,4 milhões. 

Em outubro de 2021, o Matinal mostrou que, já em 2019, na gestão de Nelson Marchezan Junior (PSDB), servidores do município alertavam o Executivo sobre problemas, inclusive relacionados à laje do teatro e ao projeto elétrico, que poderiam resultar em acréscimos no orçamento final – a estimativa, na época, era justamente até 71% mais caro.

Fechada desde novembro de 2017 por falta de atualização do PPCI, a Usina deve receber melhorias nas estruturas do prédio, qualificação das áreas para atividades culturais, novos banheiros e elevadores, além de novas redes elétrica e hidráulica e acessibilidade em todos os espaços. Está prevista a reabertura do terraço do 4° pavimento para o público, com um restaurante no local, além de mudança no cinema, que passará do terceiro andar para o térreo. A fachada já recebeu nova pintura.

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para o interesse público da nossa cidade sejam abordados: apoie-nos financeiramente!

O que nos permite produzir reportagens investigativas e de denúncia, cumprindo nosso papel de fiscalizar o poder, é a nossa independência editorial.

Essa independência só existe porque somos financiados majoritariamente por leitoras e leitores que nos apoiam financeiramente.

Quem nos apoia também recebe todo o nosso conteúdo exclusivo: a versão completa da Matinal News, de segunda a sexta, e as newsletters do Juremir Machado, às terças, do Roger Lerina, às quintas, e da revista Parêntese, aos sábados.

Apoie-nos! O investimento equivale ao valor de dois cafés por mês.
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
RELACIONADAS
;

Esqueceu sua senha?

ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.