Crônica

Trinta anos essa noite

Change Size Text
Trinta anos essa noite

Quando chega essa época do ano, motivado por um bimotor em minhas costas – que pode ser dor, consciência, memória ou desespero –, saio voando em direção ao ano de 1991. É que dali em diante não tive mais mãe, então é para lá que eu vou quando preciso de uma.

Minha mãe tinha trinta e cinco anos quando acordou reclamando de dores na garganta. Uma virose, disseram. O caso evoluiu para uma amigdalite. Depois evoluiu para uma pneumonia bacteriana. Depois evoluiu para o óbito. Nascia para mim uma nova teoria da evolução, uma traição semântica que me mostrou que significados em princípio positivos podem representar o oposto do que parecem. Até ali a palavra evolução era sempre positiva. Eu evoluía nas aulas da professora Luciana: “Não é assim que se segura um lápis”; “E esse caderno cheio de orelhas? Isso é coisa que se apresente?”; “Astros são corpos que existem no espaço. Podem ser estrelas, planetas, satélites…”; “Sujeito e predicado não se separam, Maurício”. 

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

Quando chega essa época do ano, motivado por um bimotor em minhas costas – que pode ser dor, consciência, memória ou desespero –, saio voando em direção ao ano de 1991. É que dali em diante não tive mais mãe, então é para lá que eu vou quando preciso de uma.

Minha mãe tinha trinta e cinco anos quando acordou reclamando de dores na garganta. Uma virose, disseram. O caso evoluiu para uma amigdalite. Depois evoluiu para uma pneumonia bacteriana. Depois evoluiu para o óbito. Nascia para mim uma nova teoria da evolução, uma traição semântica que me mostrou que significados em princípio positivos podem representar o oposto do que parecem. Até ali a palavra evolução era sempre positiva. Eu evoluía nas aulas da professora Luciana: “Não é assim que se segura um lápis”; “E esse caderno cheio de orelhas? Isso é coisa que se apresente?”; “Astros são corpos que existem no espaço. Podem ser estrelas, planetas, satélites…”; “Sujeito e predicado não se separam, Maurício”. 

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

RELACIONADAS

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito