Crônica

Um coração na boca

Change Size Text
Um coração na boca

*A autora escreve para a Parêntese sobre sua experiência na Bienal de Veneza

“Com o coração saindo pela boca” vivemos. Quem nunca quase morreu de susto, de medo, de vontades, de boleto vencendo, de dinheiro de menos, de filho nascendo, de alguém sofrendo, de um amor morrendo, de alegria, de corpo tremendo? Tem o coração da correria, tem o coração da calmaria, mas sempre tem coração. 

Poderia falar da Bienal de Arte de Veneza por vários trajetos e ruelas, mas o corpo, o humano, o da natureza, o social, o corpo-continente me raptou a atenção e o gosto. “Bunda mole”, “da boca pra fora”, “borboleta na barriga”, “barriga cheia”, “barriga vazia”, “molhar a mão”, “comer com os olhos”, “ponta da língua”… às vezes para dizer é só olhar esse corpo imagem e arte e silenciar porque o corpo fala, mesmo que a gente não queira. 

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

RELACIONADAS
ASSINE O PLANO ANUAL E GANHE UM EXEMPLAR DA PARÊNTESE TRI 1
ASSINE O PLANO ANUAL E GANHE UM EXEMPLAR DA PARÊNTESE TRI 1
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.