Folhetim

Quem quer ser a mãe do João? Cap. 8

Change Size Text
Quem quer ser a mãe do João? Cap. 8

A Mãe resolveu faxinar a casa, pois nunca havia passado um mês inteiro sem faxina na vida. Lavou roupa, arrumou a cozinha, limpou o chão, varreu quintal. Não conseguiu limpar o quarto do João, no entanto; até desejava que a cortina de contas na porta fosse mais sólida, que escondesse melhor o cômodo que abrigava o filho, pra não ter que olhar e ver o quarto vazio. Se sentiu muito melhor depois de acabar a limpeza mesmo assim, acendeu um cigarro e sentou no sofá, a mente indo longe junto com a fumaça. 

Se sentiu cansada. Se repreendeu por estar cansada. Estar cansada foi o que causou aquilo tudo, pra começar. Mas como não ficar cansada? 44 anos, trabalhadora braçal, fazia faxina, escovava cabelo, vendia de um tudo. Estava cansada desde moça, trabalhava desde os onze. Pensou no João perdido sabe-se lá onde só pra se torturar e chorou. Aquilo era uma tortura, um processo de luto sem a certeza da morte. O menino a mais de mês sumido, tava comendo o quê? Tava dormindo onde? E se tivesse mesmo morto, como Léo dizia às vezes, que era pra ela se preparar pro luto? E aquilo já não era luto? Velava o João aos pés da santa diariamente, cada dia um velório diferente. Morto? João? Que mãe consegue se preparar pra esse absurdo antinatural de ver um filho morrer? Conversou um pouco com a santa na parede, chorou, desabafou. Depois levantou e foi pra cozinha beber uma água, achou o velho caderninho do psiquiatra jogado em cima da mesa, mais esquecido que tudo.

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

A Mãe resolveu faxinar a casa, pois nunca havia passado um mês inteiro sem faxina na vida. Lavou roupa, arrumou a cozinha, limpou o chão, varreu quintal. Não conseguiu limpar o quarto do João, no entanto; até desejava que a cortina de contas na porta fosse mais sólida, que escondesse melhor o cômodo que abrigava o filho, pra não ter que olhar e ver o quarto vazio. Se sentiu muito melhor depois de acabar a limpeza mesmo assim, acendeu um cigarro e sentou no sofá, a mente indo longe junto com a fumaça. 

Se sentiu cansada. Se repreendeu por estar cansada. Estar cansada foi o que causou aquilo tudo, pra começar. Mas como não ficar cansada? 44 anos, trabalhadora braçal, fazia faxina, escovava cabelo, vendia de um tudo. Estava cansada desde moça, trabalhava desde os onze. Pensou no João perdido sabe-se lá onde só pra se torturar e chorou. Aquilo era uma tortura, um processo de luto sem a certeza da morte. O menino a mais de mês sumido, tava comendo o quê? Tava dormindo onde? E se tivesse mesmo morto, como Léo dizia às vezes, que era pra ela se preparar pro luto? E aquilo já não era luto? Velava o João aos pés da santa diariamente, cada dia um velório diferente. Morto? João? Que mãe consegue se preparar pra esse absurdo antinatural de ver um filho morrer? Conversou um pouco com a santa na parede, chorou, desabafou. Depois levantou e foi pra cozinha beber uma água, achou o velho caderninho do psiquiatra jogado em cima da mesa, mais esquecido que tudo.

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

marca-parentese

Abra um parêntese no seu fim de semana com jornalismo e boas histórias. Deixe seu email e receba toda semana as newsletters da revista Parêntese.

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito