Folhetim

Quero-quero – Capítulo 8

Change Size Text
Quero-quero – Capítulo 8

Quando Lúpino para de dar pulinhos ao redor de Domingos, ainda o vê abanando para o pai que ficou ao lado do carro. Então Domingos se concentra no menino. Olha de verdade para ele. Diz que ele parece ter ficado maior. Lúpino responde que deve ser porque aconteceu muita coisa. Começa a contar da viagem, de como a estrada era cheia de curvas, dos papagaios com a cabeça vermelha, até que, de repente, se dá conta de que não está contando o principal. Lúpino silencia e, mais uma vez, encontra em Domingos o amigo de que precisava. Diante do mutismo de Lúpino, não faz perguntas e diz apenas: tudo bem. Apoia um joelho no chão. Diz: eu também já perdi meu pai, e Lúpino sente os olhos se encherem d’água. Quer e, ao mesmo tempo, não quer estar ali.

No momento exato, o pai o chama para subir. No elevador, ganha um colo que não pediu, mas que o acalma. Assim é levado até o quarto. O pai o coloca na cama sem nem antes escovar os dentes. Ainda que incomodado com tantas quebras de rotina, está exausto e feliz em deitar.

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso a conteúdo exclusivo?


Assine o Premium
ou faça login

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

Quando Lúpino para de dar pulinhos ao redor de Domingos, ainda o vê abanando para o pai que ficou ao lado do carro. Então Domingos se concentra no menino. Olha de verdade para ele. Diz que ele parece ter ficado maior. Lúpino responde que deve ser porque aconteceu muita coisa. Começa a contar da viagem, de como a estrada era cheia de curvas, dos papagaios com a cabeça vermelha, até que, de repente, se dá conta de que não está contando o principal. Lúpino silencia e, mais uma vez, encontra em Domingos o amigo de que precisava. Diante do mutismo de Lúpino, não faz perguntas e diz apenas: tudo bem. Apoia um joelho no chão. Diz: eu também já perdi meu pai, e Lúpino sente os olhos se encherem d’água. Quer e, ao mesmo tempo, não quer estar ali.

No momento exato, o pai o chama para subir. No elevador, ganha um colo que não pediu, mas que o acalma. Assim é levado até o quarto. O pai o coloca na cama sem nem antes escovar os dentes. Ainda que incomodado com tantas quebras de rotina, está exausto e feliz em deitar.

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso a conteúdo exclusivo?


Assine o Premium
ou faça login

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

marca-parentese

Abra um parêntese no seu fim de semana com jornalismo e boas histórias. Deixe seu email e receba toda semana as newsletters da revista Parêntese.

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.