Reportagem

Carnaval (de maio de) 2022 – Os enredos da Série Ouro

Change Size Text
Carnaval (de maio de) 2022 – Os enredos da Série Ouro

Após mais de dois anos de suspensão devido à pandemia, e ainda buscando recuperar-se de um ciclo de fragilidade institucional, que teve como ponto culminante o cancelamento dos desfiles em 2018, o carnaval está de volta ao Complexo Cultural do Porto Seco. Entidades culturais que fazem parte do imaginário de Porto Alegre e do Estado há mais de seis décadas, as escolas de samba trazem à avenida neste fim de semana a sua arte, exaustivamente trabalhada no último biênio, e extravasam o canto preso na garganta. Se o retorno da “descida da Borges”, a tradicional manifestação carnavalesca ocorrida no Centro, já foi um sucesso absoluto de participação, o mesmo se espera das apresentações no sambódromo.

Na edição passada, tratamos aqui na Parêntese das narrativas preparadas pelas escolas de samba das divisões de baixo, isto é, as séries Prata e Bronze, cujos desfiles estão programados, respectivamente, para os dias 6 e 8 de maio. Neste sábado, dia 7, é a vez da Série Ouro, o grupo principal do carnaval de Porto Alegre, além da tribo carnavalesca Os Comanches, a única remanescente de uma modalidade carnavalesca tipicamente porto-alegrense e outrora hegemônica no carnaval da cidade.

Seguindo a ordem dos desfiles, falaremos a seguir dos enredos e sambas-enredos que serão defendidos na noite deste sábado. Entre as 9 escolas do primeiro grupo, sobressaem-se alguns aspectos: a temática afro-brasileira e a denúncia do racismo (o que, recentemente, teve expressão profícua nos carnavais do Rio de Janeiro e de São Paulo); e os 250 anos de Porto Alegre. Por vezes, ambos os elementos se misturam, realçando a contribuição negra para a formação da cidade. Em comum entre elas, contudo, está a alegria pelo retorno da mais popular e brasileira de nossas manifestações culturais.

Fidalgos e Aristocratas: A escola, fundada no bairro Mont’Serrat e atualmente sediada no bairro Santana, apresenta como enredo “Fidalgos no Mundo da Lua”, fala sobre o satélite que tanto mexe com o imaginário na história da humanidade. A lua é interpretada à luz das cosmovisões ameríndia, afro-brasileira e europeia, simbolizando aspectos como a relação com a natureza e os rituais. O sincretismo religioso fica explícito no refrão, que diz: “É tricolor o manto do meu padroeiro / Saravá, Ogum da lua / Salve, São Jorge Guerreiro!”. O caráter fortemente narrativo da composição (autoria de Bruno Martins e Renan Ludwig) fica evidente como no trecho a seguir: “Ewassa é rei, a cura em ritual / No toque do tambor / Cultura ancestral / Ewe folha voou, é Mawu / Refletida no espelho de Oxum”.

Acadêmicos de Gravataí: A cosmovisão das culturas ameríndias está presente no enredo “Kambô: vem da floresta o ritual de cura da humanidade!”, da Acadêmicos de Gravataí. A floresta é descrita como lugar de sabedoria ancestral e de cura. Os rituais de pajelança simbolizam a esperança de, por meio do sagrado, obter a libertação dos males da terra. Diz a letra, de autoria coletiva de Viny Machado, Leandrinho LV, Nando do Cavaco, Jacopetti, Xandinho Nocera, Giuliano Paim, Rodrigo Godoi, Thiago Tarlher, Diley Machado, Alcides Jr, André Filosofia e Ronny Potolski: “Awe, awe… / O pajé evoca a cura! / Nixi pae… / Transcende a bravura / É fogo, é choro, é vendaval! O homem reflete a face do mal”.

União da Vila do IAPI: Escola de samba que tem a locomotiva como seu símbolo, a União da Vila do IAPI, da Zona Norte da Capital, apresenta o enredo “Na Locomotiva da Cultura Popular fiz Porto Alegre Minha Morada. O Príncipe Negro de Ajudá é Força, Raiz e Fé – IAPI, Batuque, Axé”. O desfile tem como personagem uma personalidade bastante conhecida do carnaval de Porto Alegre: o Príncipe Custódio, homenageado em “Festa de Batuque”, antológico samba do Bambas da Orgia em 1995. Custódio Joaquim de Almeida, conta a historiografia, foi príncipe de Ajudá, no Golfo da Guiné, tendo chegado ao Brasil após disputas locais e a conquista de terras pelos ingleses, em torno de 1864. Primeiramente em Rio Grande e depois em Porto Alegre, Custódio tornou-se importante líder religioso e curandeiro, sendo figura essencial para a formação e difusão do Batuque, expressão religiosa de matriz afro-gaúcha. Na letra, composta por Claudio Russo, Waltinho Honorato, Tico do Gato, Vitor Alves e Zeca Swinguinho, a representação biográfica é direta: “Antes da terra ancestral o menino / Herdeiro do trono de Ajudá / Pouco a pouco moldou seu destino / Pela fé no orixá / O Pai Xapanã, coberto de palha / O Pai Xapanã / A cura dos males / À luz da manhã / Que coroou o seu ori / E o guiou no mar”.

Império do Sol: Com um questionamento contundente, a Império do Sol, de São Leopoldo, vem com o enredo “A carne mais barata do Brasil será sempre a carne negra?”, inspirado no verso da canção (de Seu Jorge, Marcelo Yuca e Wilson Capellette) famosa na voz de Elza Soares. A letra, de autoria de Vinicius Brito, Vinícius Maroni, Saimon e Fábio Canalli, aponta para duas direções: a denúncia do racismo e a resistência negra. As desigualdades sociais e raciais são descritas como marcas da escravidão. Para a sua libertação, há a inspiração e a evocação aos ancestrais que fizeram História, inclusive gaúchos, como os Lanceiros Negros: “Liberte minha gente da favela / Minha preta, salve ela! Oiáiá! E essa dor que espanto no pandeiro / Preso em novo cativeiro sem um luar / E resisto com a força que o preto encara / É Palmares, é quilombo, Zumbi e Dandara / Um lanceiro de Porongos que o tempo não cala / Nem vai calar…”.

Bambas da Orgia: Uma das mais tradicionais de Porto Alegre, detentora do maior número de títulos e a agremiação carnavalesca mais antiga da cidade, a Bambas da Orgia apresenta um enredo de sincretismo religioso e de exaltação da figura sagrada feminina: “No Sagrado e no Profano, Sob as Bênçãos de Maria e Yemanjá”. O eu-lírico é um sujeito piedoso que evoca a “Mãe” na hora da prece, em busca de uma benção divina. Há a valorização da combinação azul e branco, tão característica das representações da santa católica e da orixá africana, e que é também o par de cores da escola. O discurso da canção (compositores: Gustavinho Oliveira, Rafael Tubino, Diego Nicolau, Max Lopes, Diego Bodão e Charles Silva) lembra uma oração: “Oh, mãe…/ A minha pele arrepia / Na oração de cada dia / A gratidão me faz vencer / Oh, águia… / Por ti enfrento tempestades / Te mostro minha lealdade / A ‘razão maior’ do meu viver / Olhar por nós, santa divina! / Eu te vejo no meu manto azul e branco em procissão”.

Restinga: O parque mais conhecido de Porto Alegre é o tema da Estado Maior da Restinga; o Parque Farroupilha, a nossa “popular” Redenção, é o mote do enredo “A Restinga de Alma e Coração, Canta a Redenção na Porto Alegre da Minha Paixão”. A composição do samba (autoria: Marcelo Pujol, Thayson Marques, Jonathan Correa, Barcelos, Leo Machado, Nian Vieira, Rodrigo Fileh e Henrique Trezeguet) valoriza elementos como a rica natureza do parque e construções simbólicas, como o Espelho D’Água, a relação com a vizinhança que o cerca, além de mencionar fatos históricos que ensejaram o próprio nome do espaço. A evocação à ancestralidade negra está presente, ainda que não explicitamente em referência à designação “Redenção” e o acontecimento histórico que a motivou, isto é, a homenagem à Abolição da escravatura no terceiro distrito da Capital, em 1884, sobretudo na letra e musicalidade do refrão. A dubiedade acerca da denominação do espaço público, que oficialmente mudou de nome em 1935, centenário da Revolução Farroupilha, é encarada nos versos: “É Farroupilha em seu nome e distinção / Mas quem te abraça te consagra Redenção”. 

Imperadores do Samba: Na comemoração dos 250 anos de Porto Alegre, uma de suas mais tradicionais e vencedoras agremiações homenageia os “palcos” da Capital, com o desfile intitulado “Imperadores do Samba orgulhosamente apresenta: Um espetáculo pelos palcos da cidade”.  Na letra do samba, composto por Fagner Presidente, Chico Professor, Fred Feijó, Maninho Veiga e Marcele Cassalha, estão presentes o Theatro São Pedro e a Casa de Cultura Mário Quintana, o Anfiteatro Pôr do Sol (hoje absurdamente ameaçado) e a Orla do Guaíba, os parques da Redenção e Harmonia e o Largo Zumbi dos Palmares, os estádios de futebol, a Esquina Democrática, as ruas que rezam, sambam e protestam. Há belas passagens amalgamando os lugares da cidade com as manifestações sociais, culturais, políticas e religiosas de sua gente: “Arte por toda parte, / Batuques em cortejo à procissão / A pé, a fé e axé se encontram / Harmonia a quem cultua a tradição / Verso e prosa em palavras bonitas / Das folhas, a sombra inspiram o escriba / Histórias se cruzam na esquina / Na luta, no voto, na rima / Amar é resistir, redenção é dar a mão à liberdade  / Punho cerrado me aquilombo no Zumbi / A voz que vai subir por igualdade”.

Imperatriz Dona Leopoldina: Com o enredo imperativo “Me respeita!”, a Imperatriz Dona Leopoldina, do bairro Jardim Dona Leopoldina, tematiza a luta das mulheres por respeito e a igualdade de gênero. A diversidade de expressões do feminino é enaltecida: “mãe”, “beata”, “mariposa”, “meretriz”, “gueixa”, “batuqueira”. A letra (autores: Andy Lee, Vinícius Maroni, Vinicius Brito, Victor Nascimento e Lucas Donato) apresenta um eu-lírico que, utilizando a primeira pessoa, se coloca em atitude de reivindicação e busca por empoderamento – seja em que lugar for: “De gala ou de minissaia / De toga, uniforme ou farda / Insisto, eu posso, eu quero / Vencer, liderar, ser votada”. Ao final dessa estrofe, os versos expressam a coragem da mulher perante uma postura masculino opressora: “Sujeito, abaixa esse dedo / Não precisa ter medo / Me respeita!”.

Império da Zona Norte: Encerrando os desfiles da divisão principal, o Império da Zona Norte também celebra os 250 anos de Porto Alegre. A escola, sediada no bairro Navegantes, defende o enredo “Memórias da Zona Norte ressoam tambores imperianos – É o presente dourado ‘pra ti’ mui leal Porto Alegre”. O samba-enredo, composto por Jéferson Lima, Jorge Goulart e Victor Alves, faz um passeio holístico por espaços, pela história e por lugares-comuns de referência à cidade. O refrão principal parafraseia duas das mais icônicas canções que homenageiam Porto Alegre – revestido de um sentido adicional de celebração devido ao retorno após 2 anos: “‘Deu pra ti, baixo astral’ / Tem carnaval imperiano / Quero cantar, sambar em paz / ‘Porto Alegre é demais’ / É o lugar que eu amo”. Próxima à sede da escola, a festa de Nossa Senhora dos Navegantes, em que também se venera Iemanjá, é lembrada com poeticidade e sincretismo: “No horizonte o espelho do Guaíba refletia / As velas ofertadas a Maria / Senhora, yabá dos filhos seus”. 


SERVIÇO: Os desfiles das escolas de samba de Porto Alegre serão transmitidos pela plataforma Cubo Play, detentora dos direitos, com retransmissão pela TVE e pela Rádio ABC FM 103,3 FM (Facebook, Youtube e rádio).



Jackson Raymundo é mestre e doutor em Letras pela UFRGS, autor de Samba-enredo: a poética do Carnaval de Porto Alegre (Atena Editora, 2021).

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para a sociedade gaúcha sejam abordados: seja nosso assinante.

Reportagens investigativas e de grande importância para a democracia como esta só são possíveis graças ao investimento dos nossos assinantes premium. Além disso, os nossos assinantes premium têm acesso a todo o conteúdo do Roger Lerina, à revista Parêntese, à versão completa da NewsMatinal, a descontos nos nossos cursos e a muito mais. Com o preço de dois cafezinhos por dia você tem mais informação, cultura e ainda ajuda o jornalismo local independente. Assine!
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.