Parêntese, Tradução

Théo Amon: Três contos de Kafka

Change Size Text
Théo Amon: Três contos de Kafka Três… contos. Empacamos já na segunda palavra da chamada. Essas “coisas” que Kafka escreve, o que são? Fragmentos — mas dados como concluídos pelo autor. Parábolas, alegorias — mais realistas do que gostaríamos. Pesadelos — acordados, terrivelmente acordados. Ao fim e ao cabo, temos que nos contentar com “contos”: historietas contadas, não interessa como. Racconti, récits, Erzählungen, stories. Que importa o rótulo no frasco, se o remédio segue tão amargo quanto antes? Vamos ao que interessa: o que esses três contos têm em comum e por que os escolhi para traduzir neste número. Os pais de família que me leem já tiveram alguma aflição parecida com a do primeiro conto? (Preferi “aflição”, mais forte e existencial que “preocupação”, a tradução tradicional do título.) Destaque para o parágrafo de abertura, uma finta brilhante: a especulação etimológica, ao nos levar para o plano abstrato, aumenta ainda mais o choque da materialidade insólita de Odradek no trecho seguinte. Mas afinal, o que diabos é Odradek? Um duende moderno, sintético e situado fora da natureza, sem propósito nem morte. OK. Mas não é seu aspecto ou comportamento que aflige o cidadão-narrador — é a ideia de que ele perdurará por gerações sem conta. Depois de conhecer essa pequena obra-prima, fica difícil olhar para um plástico quebrado qualquer sem pensar a mesma coisa. Nosso lixo nos sobreviverá. Para ficar no mesmo campo das neuras modernas, encaixei um preferido pessoal meu, O vizinho. Esse escrito magnífico, inesquecível, é um microcosmo dos temas essenciais de Kafka: o anonimato da cidade grande (nunca conhecemos o ramo de negócio do narrador; este e as secretárias não têm nome; Harras passa por nós tão rápido que sequer ganha um rosto, e só é nomeado pela tabuleta, que, como os boatos a respeito dele, no fundo não informa bulhufas); as interações humanas mediadas por entidades incorpóreas (geralmente, a burocracia; aqui, as tecnologias de comunicação, como o nosso labirinto atual dos aplicativos e privacidade de dados); a ansiedade do êxito, reverso exato do medo do fracasso; a inutilidade de todos os esforços (Desiste! é o mote de outra grande miniatura kafkiana). Uma possibilidade de leitura óbvia, mas fascinante, seria a projeção esquizoide do narrador: Harras trabalha num ramo parecido com o dele; as salas são praticamente geminadas; ambos são homens jovens e ambiciosos. Quem sabe se Harras não é o que ele gostaria de ser mas não tem coragem, um businessman cheio de iniciativa e sem grandes escrúpulos, que faz o que deve ser feito, “sem mais aquela”? Notem o sutil arco que vai do primeiro parágrafo, de uma confiança inabalável, até o último, em que já está anunciada a ruína do nosso problemático comerciante. Harras sai voando pelas ruas para fechar o negócio antes da concorrência, mas só se conseguir chegar ao seu destino — e é possível chegar a qualquer lugar? A distância que separa alguém da sua incumbência, não será ela infinita? Em Uma mensagem imperial, Kafka reequaciona o paradoxo de Aquiles e a tartaruga, agora em chave lendária, […]

Quer ter acesso a conteúdo exclusivo?


Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

Três… contos. Empacamos já na segunda palavra da chamada. Essas “coisas” que Kafka escreve, o que são? Fragmentos — mas dados como concluídos pelo autor. Parábolas, alegorias — mais realistas do que gostaríamos. Pesadelos — acordados, terrivelmente acordados. Ao fim e ao cabo, temos que nos contentar com “contos”: historietas contadas, não interessa como. Racconti, récits, Erzählungen, stories. Que importa o rótulo no frasco, se o remédio segue tão amargo quanto antes? Vamos ao que interessa: o que esses três contos têm em comum e por que os escolhi para traduzir neste número. Os pais de família que me leem já tiveram alguma aflição parecida com a do primeiro conto? (Preferi “aflição”, mais forte e existencial que “preocupação”, a tradução tradicional do título.) Destaque para o parágrafo de abertura, uma finta brilhante: a especulação etimológica, ao nos levar para o plano abstrato, aumenta ainda mais o choque da materialidade insólita de Odradek no trecho seguinte. Mas afinal, o que diabos é Odradek? Um duende moderno, sintético e situado fora da natureza, sem propósito nem morte. OK. Mas não é seu aspecto ou comportamento que aflige o cidadão-narrador — é a ideia de que ele perdurará por gerações sem conta. Depois de conhecer essa pequena obra-prima, fica difícil olhar para um plástico quebrado qualquer sem pensar a mesma coisa. Nosso lixo nos sobreviverá. Para ficar no mesmo campo das neuras modernas, encaixei um preferido pessoal meu, O vizinho. Esse escrito magnífico, inesquecível, é um microcosmo dos temas essenciais de Kafka: o anonimato da cidade grande (nunca conhecemos o ramo de negócio do narrador; este e as secretárias não têm nome; Harras passa por nós tão rápido que sequer ganha um rosto, e só é nomeado pela tabuleta, que, como os boatos a respeito dele, no fundo não informa bulhufas); as interações humanas mediadas por entidades incorpóreas (geralmente, a burocracia; aqui, as tecnologias de comunicação, como o nosso labirinto atual dos aplicativos e privacidade de dados); a ansiedade do êxito, reverso exato do medo do fracasso; a inutilidade de todos os esforços (Desiste! é o mote de outra grande miniatura kafkiana). Uma possibilidade de leitura óbvia, mas fascinante, seria a projeção esquizoide do narrador: Harras trabalha num ramo parecido com o dele; as salas são praticamente geminadas; ambos são homens jovens e ambiciosos. Quem sabe se Harras não é o que ele gostaria de ser mas não tem coragem, um businessman cheio de iniciativa e sem grandes escrúpulos, que faz o que deve ser feito, “sem mais aquela”? Notem o sutil arco que vai do primeiro parágrafo, de uma confiança inabalável, até o último, em que já está anunciada a ruína do nosso problemático comerciante. Harras sai voando pelas ruas para fechar o negócio antes da concorrência, mas só se conseguir chegar ao seu destino — e é possível chegar a qualquer lugar? A distância que separa alguém da sua incumbência, não será ela infinita? Em Uma mensagem imperial, Kafka reequaciona o paradoxo de Aquiles e a tartaruga, agora em chave lendária, […]

Quer ter acesso a conteúdo exclusivo?


Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

marca-parentese

Abra um parêntese no seu fim de semana com jornalismo e boas histórias. Deixe seu email e receba toda semana as newsletters da revista Parêntese.

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.