Cinema | Notas

Sidney Magal revisita sua trajetória no documentário “Me Chama que eu Vou”

Change Size Text
Sidney Magal revisita sua trajetória no documentário “Me Chama que eu Vou” Foto: Sinny Assessoria/Divulgação

Com estreia nacional na Mostra Competitiva do 48º Festival de Gramado, Me Chama que eu Vou, de Joana Marini, e produzido pela Mar Filmes, é um documentário repleto de músicas, narrado em primeira pessoa sobre Sidney Magal – nascido Sidney Magalhães –, e que resgata sua trajetória desde a infância até o presente, repassando os seus mais de 50 anos de carreira e mostrando o homem por trás do artista.

A emocionante vida de Magal fará o público rir e chorar com um homem real, que por trás da figura publica, exuberante e sexy, tem histórias inusitadas, como quando pediu a Vinicius de Moraes que compusesse uma música para ele, a maneira como escolheu o seu nome artístico na Itália, e até a rejeição inicial da Rede Globo, que logo depois o transformou em convidado de honra em seus programas musicais.

O título do filme vem de uma das músicas mais famosas de Magal, que serviu de tema de abertura da novela Rainha da Sucata, em 1990 e que de certa forma, também brinca com uma característica especial de Magal, que costuma aceitar a maioria dos convites que recebe.

A diretora Joana Mariani conheceu o cantor no começo dos anos 2000, durante as filmagens do clipe da música Tenho, dirigido por Pedro Becker, que foi lançado no Fantástico, e se aproximou do artista e de sua família.

— A cada encontro, as histórias de vida, das experiências e ‘causos’ contados por ele fascinavam a todos. Sidney Magalhães é uma figura deliciosa, muito diferente da personagem que ele criou para sua vida artística (Sidney Magal) — conta a cineasta.

Repleto de imagens de arquivos de televisão e do próprio Magal, o filme explora tanto o lado artístico quanto pessoal daquele que, segundo o Jornal Nacional, é “misto de Elvis Presley com John Travolta”. A produtora Diane Maia, da Mar Filmes, explica que a narrativa do longa começou com entrevistas informais entre Joana e Magal, e, a partir delas, foi montada uma estrutura que as guiou em busca das imagens que complementariam a fala do cantor.

Joana Mariani define o filme como “uma conversa gostosa de mesa de bar” trazendo um apanhado de lembranças e memórias. Assim, o documentário encontra um Magal que se abre à câmera numa conversa franca sobre sua família, sua música, sua carreira. O filme tem também depoimentos de sua companheira, Magali West, que conta, entre outras coisas, como o cantor a conquistou, quando ela ainda era uma jovem estudante em Salvador; e do filho, Rodrigo West.

Me Chama que eu Vou é uma produção da Mar Filmes, em parceria com a Globo News/Globo Filmes, Canal Brasil e Mistika, com distribuição da Vitrine Filmes.

RELACIONADAS
PUBLICIDADE

Esqueceu sua senha?