Reportagem

“Garagem na mão dos empresários impede a concorrência”, afirma especialista sobre venda da Carris

Change Size Text
“Garagem na mão dos empresários impede a concorrência”, afirma especialista sobre venda da Carris Manutenção pública das garagens é essencial para evitar oligopólios, explica especialista | Foto: Cristine Rochol/PMPA

Coordenador de Mobilidade Urbana do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), o geógrafo Rafael Calabria teceu diversas críticas ao modelo de privatização da Carris. Ele alerta que a intenção de se desfazer da garagem irá facilitar o oligopólio na área do transporte público. 

Segundo Calabria, as garagens públicas constam nas discussões do Marco Legal do Transporte Coletivo, que o Idec colabora na elaboração. “São Paulo tem três garagens públicas, e jamais pensou em vender. É difícil imaginar um prefeito com uma visão tão ruim quanto a que o Melo está tendo em Porto Alegre”, comparou. O texto está em vias de ser concluído pelo Ministério das Cidades para ser enviado ao Congresso. 

Publicidade

Para o especialista, a prefeitura tem agido com “coerência no erro” na área do transporte público, retirando isenções. Ainda assim reconhece que, em nível nacional, “faltam iniciativas disruptivas” para o setor.

Leia a entrevista a seguir:

O leilão da Carris teve apenas dois interessados e um deles foi desclassificado. Ela foi vendida por pouco acima do valor mínimo de R$ 109,9 milhões. Qual avaliação você faz disso?

Tem todo o jeito de oligopolização e cartelização. Em São Paulo teve apenas uma empresa por área, só concorrendo quem já opera. E todos sempre com a proposta mais barata porque sabiam que seriam só eles. No Rio também ocorreu a mesma coisa, várias foram desclassificadas e restou apenas a proposta mais barata. Então, sempre existe a suspeita de cartelização e oligopolização do sistema de transporte.

Em entrevista à Matinal, a secretária de Parcerias da prefeitura, Ana Pellini, disse que a prefeitura fez de tudo para tornar a Carris atrativa ao setor privado porque ela é deficitária, tem dívidas. Em uma entrevista recente ao Sul21 você disse o contrário sobre as garagens, ainda mais perante o Marco Legal do Transporte que está sendo debatido. Como este projeto de lei em debate enxerga as concessões?

Só para colocar os pontos que você falou: nossa, é muito, é muito ruim. Nem sei que palavra usar, lamentável. É um discurso tecnicamente errado. Não sei o quanto a Ana Pellini está atualizada quanto o Adão (Adão Castro, secretário de Mobilidade Urbana da capital), mas pelo menos o Adão está atualizado no debate. Ela demonstra total desinformação e desconhecimento do setor de transporte. 

Essa dívida da Carris, acredito que deve ser algum déficit que eles apontam que a Carris tenha, não faz o sentido repassar pelo privado, não faz sentido repassar para o comprador, porque se o privado tiver déficit, o setor público terá de auxiliá-lo. 

O setor de transporte não é superavitário nem rentável. Fora do Brasil é super comum as estatais serem subsidiadas, enquanto o Brasil ainda está neste lobby do setor privado que tudo tem de ser rentável. Não faz sentido repassar a dívida. O transporte não é rentável e não foi feito para ser rentável. A receita do empresário é a tarifa. Se ela quer que o negócio seja atrativo, ela quer uma tarifa cara. 

É o que estamos denunciando o que o Tarcísio (Tarcísio de Freitas, governador de São Paulo) está querendo fazer, tornar o transporte público atrativo para o empresário. Se você quer que o transporte público seja atrativo, você tem de manter público e não privatizar. Isso demostra uma visão equivocada e profundamente ideológica deles de tratar a privatização como princípio e não como a melhor forma de fazer o sistema funcionar. Bem ruins as falas da secretária.

E sobre a concessão das linhas pelo preço simbólico de R$ 1?

Não há muito paralelo porque não há empresas estatais de transporte sendo privatizadas no Brasil. Mas a lei federal proíbe a outorga para o setor de transporte do Brasil, porque a outorga é adiantamento de receita. Mas, na operação, você precisa, sim, entender o quanto vale essa receita. Você vai cobrir o risco do serviço para o empresário. Porque o poder público já subsidia o transporte. Para que privatizar algo que ele (governo municipal) vai ter de continuar colocando o dinheiro, mas sem ter o controle da operação? Mais um ponto que mostra uma contradição e coerência técnica da prefeitura.

A secretária de Parcerias também disse que as garagens não têm utilidade para o sistema. Você concorda com essa frase?

Parece que eles estão brincando! A garagem é o bem mais estratégico para uma empresa de transporte. Por quê? Porque permite ao empresário controlar a cidade. É difícil fazer uma nova garagem em pontos nobres da cidade. Por isso que a lei federal (o Marco Legal dos Transportes, que está em discussão) vai proibir que as garagens sejam um bem privado. O que mais os empresários  estão reclamando é isso: tem muito empresário que só quer garagem. 

O poder público deveria manter esses bens para garantir melhores licitações no futuro, para permitir concorrência e evitar a oligopolização. No Brasil todo, ter a garagem na mão dos empresários é o que impede a concorrência. Quem vai concorrer nas licitações são quem tem garagem e frota. Ninguém vai querer entrar numa cidade e construir uma garagem porque é caro, é do tamanho de um parque. Não é uma vaga de garagem, é gigantesco. A garagem é o principal elemento que favorece o oligopólio de transportes, qualquer empresário sabe disso. 

A fala da secretária que um empresário não iria querer comprar uma garagem também não faz sentido. É desinformação ou má intenção. Sem sombra de dúvidas, o pior erro de Porto Alegre foi passar a garagem aos empresários (A Viamão deu um lance pouco acima do mínimo, R$ 109,9 milhões e arrematou também as garagens). Vai fortalecer o oligopólio no futuro. Deveria ser um ponto a ser questionado juridicamente.

Rafael Calabria é coordenador de Mobilidade Urbana do Idec | Foto: Divulgação


O que diz o Marco Legal do Transporte que está sendo debatido?

A ideia é que seja um projeto de lei, como um código brasileiro do transporte coletivo. A Lei da Mobilidade de 2012 é uma lei de diretrizes, que sugere que a tarifa deve ser módica, que o serviço deve ser inclusivo, sustentável. Agora a ideia agora é ter uma lei detalhando o que as prefeituras têm de prover na gestão, a importância de ter uma empresa pública, como organizar os financiamentos ao serviço e regular a contratação, transparência, bilhetagem independente, que Porto Alegre não tem. São Paulo já tem bilhetagem pública. Rio e Brasília também estão avançando nisso. Outro ponto importante é  que a lei coloca a garagem como um terreno de utilidade pública. Tem de caminhar para a estatização. Determina incluir nos contratos em andamento ou nos que vão iniciar as garagens como bens irreversíveis, o que significa que, ao final do contrato, passariam de volta ao poder público. 

Qualquer técnico de transporte ligado às empresas ou à prefeitura vai dizer que as garagens são o bem mais estratégico do sistema de transporte coletivo. É o erro mais crasso (entregar as garagens), tanto que a lei federal quer impedir sua venda. 

Há avanços em contratos de transporte em outras partes do Brasil?

Estamos numa fase de gestões muito tímidas, frágeis. São Paulo tentou tirar a garagem, mas não conseguiu. Rio está construindo garagens públicas, em terrenos do Exército e das universidades. Curitiba também estuda novos modelos de contrato. São José dos Campos também. Faltam iniciativas disruptivas. Mas na contramão, de modo tão espalhafatoso, é só Porto Alegre. São Paulo tem três garagens públicas e jamais pensou em vender. É difícil imaginar um prefeito com uma visão tão ruim quanto a que o Melo está tendo em Porto Alegre.

As cidades estão tentando inovar, ainda que de forma tímida, mas Porto Alegre está escolhendo o pior modelo possível. É estrutural, uma visão ruim da gestão e do financiamento do transporte coletivo.

A gestão de Marchezan teve uma ideia inovadora em vários aspectos, propondo o financiamento do transporte coletivo taxando os aplicativos, mas não foi para frente, infelizmente. Mas era uma sinalização correta, pena que ele tinha uma articulação política péssima.

O prefeito, com apoio da Câmara Municipal, também eliminou vários dias de passe livre, inclusive durante eleições, e isenções e gratuidades para uma série de categorias. O que você acha disso?

Tem uma certa coerência no erro, né? A prefeitura de Porto Alegre está errando em vários aspectos de mobilidade urbana. Eles tiraram inclusive dos bombeiros, né? É uma parcela irrelevante da população.

É um debate equivocado e mesquinho. A falta de passageiros e da lotação dos ônibus que não sustentam financeiramente o negócio é do uso da massa de usuários e não de categorias que não têm como custeá-lo.


Fale com a repórter: [email protected].

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para o interesse público da nossa cidade sejam abordados: apoie-nos financeiramente!

O que nos permite produzir reportagens investigativas e de denúncia, cumprindo nosso papel de fiscalizar o poder, é a nossa independência editorial.

Essa independência só existe porque somos financiados majoritariamente por leitoras e leitores que nos apoiam financeiramente.

Quem nos apoia também recebe todo o nosso conteúdo exclusivo: a versão completa da Matinal News, de segunda a sexta, e as newsletters do Juremir Machado, às terças, do Roger Lerina, às quintas, e da revista Parêntese, aos sábados.

Apoie-nos! O investimento equivale ao valor de dois cafés por mês.
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
RELACIONADAS
;

Esqueceu sua senha?

ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.