Reportagem

Juíza determina remoção de indígenas do Morro Santana; comunidade denuncia racismo

Change Size Text
Juíza determina remoção de indígenas do Morro Santana; comunidade denuncia racismo Indígenas Kaingang e Xokleng ocupam área desde 18 de outubro do ano passado. (Foto: Alass Derivas/Deriva Jornalismo)

Magistrada autoriza uso da força para retirar comunidade Kaingang e Xokleng e determina que o grupo vá para área de ocupação originária do povo Mbya Guarani

Publicidade

A juíza federal Maria Isabel Pezzi Klein concedeu nova liminar de reintegração de posse contra a comunidade Kaingang e Xokleng que ocupa uma área no Morro Santana, em Porto Alegre. Na decisão desta terça-feira (veja a íntegra aqui), a magistrada estabelece prazo de cinco dias úteis, depois da intimação, para que a área seja desocupada de forma voluntária, contrariando decisão anterior que determinava a criação de uma comissão de conciliação de conflitos. Pela nova liminar, caso não seja cumprido o prazo, estará autorizado o uso da força policial.

De acordo com Klein, os indígenas não têm o direito de ocupar a área, reivindicada pela comunidade pela relação ancestral com o território. O local é de propriedade da Maisonnave Companhia de Participações e chegou a ser hipotecado para garantir que a empresa pagaria dívidas milionárias junto ao Banco Central e ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Passados 30 anos sem pagamento, a hipoteca caducou em 2018, e o terreno ficou de brinde para a companhia, que prevê erguer 11 torres no endereço. A juíza determinou a reintegração de posse, mas não garantiu o uso da área até que a Funai realize estudos sobre a região, que já foi considerada Área de Preservação Permanente. Ainda segundo a decisão, há um prazo de um ano para tanto, depois disso, suspende-se o processo e o local não poderá ser usado economicamente.

“Decisão racista”

A juíza determina ainda que a comunidade Gãh Ré seja deslocada para a área indígena mais próxima, Cantagalo, que é de ocupação originária do povo Mbya Guarani. De acordo com o Conselho Missionário Indigenista, “a decisão aponta para medidas dos tempos da ditadura militar, quando desgraçadamente, removiam-se forçosamente os indígenas de suas terras tradicionais e os depositavam em áreas reservadas para outros povos, gerando  um processo brutal de violência e morte”. 

Para a entidade, por negligenciar diferenças étnicas e culturais, “a decisão é racista, abusiva e demonstra total desconhecimento acerca das culturas, dos saberes e dos modos de ser e viver dos povos indígenas no Brasil”. 

A retomada Gãh Ré promove uma manifestação amanhã, às 8h, em frente à sede da Funai em Porto Alegre.

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para o interesse público da nossa cidade sejam abordados: apoie-nos financeiramente!

O que nos permite produzir reportagens investigativas e de denúncia, cumprindo nosso papel de fiscalizar o poder, é a nossa independência editorial.

Essa independência só existe porque somos financiados majoritariamente por leitoras e leitores que nos apoiam financeiramente.

Quem nos apoia também recebe todo o nosso conteúdo exclusivo: a versão completa da Matinal News, de segunda a sexta, e as newsletters do Juremir Machado, às terças, do Roger Lerina, às quintas, e da revista Parêntese, aos sábados.

Apoie-nos! O investimento equivale ao valor de dois cafés por mês.
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
RELACIONADAS

Esqueceu sua senha?

ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.