Reportagem

TRF-4 suspende desocupação de área habitada por indígenas no Morro Santana

Change Size Text
TRF-4 suspende desocupação de área habitada por indígenas no Morro Santana Grupo protesta contra a Maisonnave, que quer reintegração de posse em área ocupada por indígenas | Foto: Tiago Medina/Matinal Jornalismo

Juíza considera desnecessária reintegração de posse com uso de força policial 

Publicidade

A juíza federal Tani Maria Wurster, convocada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), suspendeu na noite de terça-feira, dia 21, a desocupação da área no Morro Santana em disputa entre as comunidades indígenas Kaingang e Xokleng e a Maisonnave Companhia de Participações. Com esta decisão (leia a íntegra), fica anulada a liminar anterior, que previa reintegração de posse forçada com apoio de força policial em caso de descumprimento dentro do prazo estabelecido.

Para conceder esta nova liminar, a magistrada considerou que, em primeiro lugar, há consenso entre as partes em buscar solução para o conflito. Além disso, ela leva em consideração uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de novembro do ano passado, que prevê a instalação de Comissões de Conflitos fundiários pelos Tribunais em casos de reintegrações de posse e uma norma do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que estabelece diretrizes e procedimentos para garantir o direito dos povos indígenas à Justiça. Portanto, na decisão, Wurster sublinha que deve ser adotada uma “solução consensual para o conflito”. 

Segundo o advogado Dailor Sartori Junior, que representa a comunidade no processo, a comunidade comemorou a decisão. “Cada dia ou semana que ficam, aumenta o sentimento de pertencimento. Já estão integrados à comunidade, tem colheita de alimentos. Foi uma pequena vitória”, define.

A liminar da magistrada é parcial, pois não foi julgado o mérito da causa – o que é feito pela turma recursal. Por ora, o processo deve ficar suspenso até a mediação pelo comitê criado pelo TRF-4 para a resolução de conflitos, ainda sem prazo para acontecer. 

O local em disputa é de propriedade da Maisonnave, que pretende erguer 11 torres no endereço. Ele chegou a ser hipotecado para garantir que a empresa pagaria dívidas milionárias junto ao Banco Central e ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Mas, passados 30 anos sem pagamento, a hipoteca caducou em 2018, e o terreno ficou para a companhia.

Valor histórico, cultural e ambiental

Como o Matinal mostrou na semana passada, pela liminar anterior, a comunidade Gãh Ré deveria ser realocada para a área indígena mais próxima, a do Cantagalo, que é de ocupação originária de outro povo, os Mbya Guarani. Porém, para o Conselho de Missão entre Povos Indígenas (Comin), a medida é “racista, abusiva e demonstra total desconhecimento acerca das culturas, dos saberes e dos modos de ser e viver dos povos indígenas no Brasil”.

Representante dos indígenas, Sartori critica este pensamento como “visão integracionista”, pois pretende que um grupo menor seja obrigado a adaptar suas características próprias para se adequar ao grupo maior. Para ele, a decisão seria “inócua” e jamais chancelada pela Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai). “É uma prática que ficou no passado. Caso seja inevitável (a desocupação), é preciso que haja uma alternativa digna, que a comunidade aceite, e ela não foi consultada para isso”, afirma.

No recurso apresentado ao TRF-4, os advogados que representam os indígenas destacam a relação tradicional da comunidade com o território baseada em estudos desenvolvidos pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Entre os argumentos, estão que “os Kaingang nunca deixaram de acessar o Morro Santana para diversas finalidades, como a coleta de materiais de artesanato, acesso a locais sagrados e ritualização com a medicina tradicional”. 

Outra argumentação é feita com base em uma nota técnica da bióloga Tatiane Takahashi Nunes. De acordo com a especialista, a conservação do remanescente de Mata Atlântica no Morro Santana é fundamental para a preservação de 17 espécies da fauna nativa, como o bugio ruivo e o gato maracajá, ambos listados como vulneráveis pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

“A conservação do Morro Santana contribui para a manutenção e qualidade de vida de Porto Alegre, além do local ser de grande importância para pesquisa científica e geração de conhecimento sobre a biodiversidade do local, contribuindo também para estabilidade de microclima, promovendo conforto térmico, auxiliando na drenagem e escoamento das águas pluviais, proteção do solo, nascentes e corpos d’água. A construção de qualquer empreendimento na área coloca em risco a fauna e flora local, como o caso do gato maracajá, (cujo) último registro fotográfico foi no ano de 2009 e relatos de visualização da espécie no ano de 2022”, conclui Nunes no estudo.

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para o interesse público da nossa cidade sejam abordados: apoie-nos financeiramente!

O que nos permite produzir reportagens investigativas e de denúncia, cumprindo nosso papel de fiscalizar o poder, é a nossa independência editorial.

Essa independência só existe porque somos financiados majoritariamente por leitoras e leitores que nos apoiam financeiramente.

Quem nos apoia também recebe todo o nosso conteúdo exclusivo: a versão completa da Matinal News, de segunda a sexta, e as newsletters do Juremir Machado, às terças, do Roger Lerina, às quintas, e da revista Parêntese, aos sábados.

Apoie-nos! O investimento equivale ao valor de dois cafés por mês.
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
RELACIONADAS
;

Esqueceu sua senha?

ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.