Revista Parêntese

Parêntese #134: Envelhecer

Change Size Text
Parêntese #134: Envelhecer

Ia escrever tomando como mote uma frase do Antônio Maria, o grande cronista: “O homem mau ri errado”. Nunca mais me saiu da cabeça essa verdade geral, desde que a conheci. O homem mau ri da coisa errada, na hora errada, pelo motivo errado. 

O mal anda tão solto e alegre por aí que dá até medo. Sim, é o Mal, não me venha com dialéticas: defender armas, atacar as instituições (a sacanagem do orçamento secreto e tudo que veio com ele), homofobia, machismo, racismo, isso é o Mal, com maiúscula.

Mas o tema não é este: o tema é ficar velho. Por que é este o tema?

Porque ele ilumina para a frente e para trás, com sorte até o presente mesmo. Saber envelhecer, reconhecer a grandeza e a tragédia implicadas no processo, isso nos coloca mais longe do Mal e dos maus. 

O ensaio de fotos da Malu Falcetta nos abre os olhos para esse mundo. A coisa fica meio borrada? Fica. Perde o viço? Pode ser. Mas ganha em sabedoria – como aliás a gente vê na entrevista com a historiadora Helga Piccolo, falecida esta semana. 

Ocorre que eu a entrevistei, numa série de conversas que fiz para a Zero Hora, vinte anos atrás: entrevistei figuras de destaque no meu horizonte de então, e quis registrar seu jeito de ser e pensar. Helga foi minha professora, no curso de História da UFRGS, em 1979 e 80. A conversa, que aqui vai reproduzida, me parece conservar traços importantes de seu perfil – ela já era uma senhora de 70 anos na hora da entrevista, tendo falecido agora aos 90.

Carlos Alberto Kolecza, outro sábio da aldeia, retorna à Parêntese numa nova pensata sobre o mundo do jornalismo atual. Faz contraste com o que já existiu e com o que deveria existir, como todo bom artigo. Nesse movimento, faz eco com uma beleza de texto do Eloar Alemão Guazzeli, grande artista visual e nosso parceiro, que hoje faz a defesa da carta escrita e postada nos correios. Leia: são nada menos de cem argumentos.

As presenças habituais mantêm o tom de pensar o presente conhecendo o passado: Frederico Bartz conta agora da organização dos trabalhadores rurais em Porto Alegre, enquanto Arnoldo Doberstein visita a história da Faculdade de Direito da UFRGS, palco de tantas trajetórias relevantes. A série de depoimentos de tradutores, organizada pela Karina Lucena e agora em espanhol, segue com uma nova voz

Na seção Forma & Função, a segunda parte da entrevista sobre o passado e o futuro do Nova Olaria. Volta hoje a tira Tom & Laura, fruto da colaboração de Carlos Castelo com Augusto Bier. E volta para uma longa temporada. 

Duas crônicas se somam ao painel da 134: Rodrigo Forabozo e Denise Ziliotto são as vozes do momento, diversas entre si, ambas rindo certo. Samanta Buglione estreia uma série de textos sobre a Bienal de Veneza, começando com prosaicos bordados. 

E estreia um folhetim colado com a vida: se chama “A parada”, não a militar mas a do ônibus, e é assinada pelo nosso editor e aliado de todas as horas  Ângelo Chemello Pereira. Fique ao lado dele esperando a condução para ouvir as histórias.

RELACIONADAS
ASSINE O PLANO ANUAL E GANHE UM EXEMPLAR DA PARÊNTESE TRI 1
ASSINE O PLANO ANUAL E GANHE UM EXEMPLAR DA PARÊNTESE TRI 1
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.